Gostou do artigo? Compartilhe!

IMC classificado como "sobrepeso" não está associado a maior risco de morte

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um índice de massa corporal1 (IMC2) na faixa de sobrepeso3 – mas não obeso – não foi associado de forma independente a um aumento do risco de mortalidade4, segundo um estudo retrospectivo5 baseado em dados de duas décadas da National Health Interview Survey (NHIS), publicado na revista PLoS One.

De aproximadamente meio milhão de adultos norte-americanos capturados nas pesquisas de 1999-2018, um risco ligeiramente menor de morte ao longo de 9 anos de acompanhamento médio foi observado entre pessoas com IMC2 na faixa de sobrepeso3 em comparação com um grupo de referência dentro da faixa normal (IMC2 de 22,5-24,9):

  • IMC2 25-27,4: HR ajustada 0,95
  • IMC2 27,5-29,9: HR ajustada 0,93

Enquanto isso, IMCs de 30 e acima ou abaixo de 18,5 foram associados a um risco aumentado de mortalidade4 em comparação com o grupo de referência, relataram Aayush Visaria, MD, e Soko Setoguchi, MD, ambos do Rutgers Institute of Health em New Brunswick, New Jersey, EUA.

Leia sobre "Cálculo6 do IMC2", "Dietas para emagrecer" e "Composição corporal".

Em comparação com o grupo de referência, os IMCs na faixa de obesidade7 (30 e acima) foram associados a um risco de mortalidade4 aumentado de 21% a 108% em análises ajustadas adicionais que incluíram apenas pessoas saudáveis que nunca fumaram e omitiram participantes que morreram dentro de 2 anos de acompanhamento.

“A verdadeira mensagem deste estudo é que o excesso de peso, conforme definido pelo IMC2, é um indicador ruim de risco de mortalidade4 e que o IMC2 em geral é um indicador ruim de risco à saúde8 e deve ser complementado com informações como circunferência da cintura, outras medidas de adiposidade, e trajetória de peso”, disse Visaria.

O estudo atual não é o primeiro a sugerir um menor risco de mortalidade4 para indivíduos com IMC2 acima do peso, mas os resultados chegam em um momento em que o IMC2 está sendo questionado cada vez mais como uma ferramenta para avaliar o risco. No mês passado, a Associação Médica Americana se juntou ao debate, adotando uma nova política que citou as limitações do IMC2 – incluindo que ele foi baseado principalmente em dados coletados de populações brancas não hispânicas – e recomendando que o IMC2 fosse usado em conjunto com outras medidas válidas de risco.

“Os médicos devem interpretar as medidas de adiposidade no contexto de seus parâmetros de saúde8 cardiometabólica, como pressão arterial9, açúcar10 no sangue11 e níveis de colesterol12”, disse Visaria.

No artigo publicado, os pesquisadores relatam que muitos dos dados sobre associações de IMC2-mortalidade4 derivam de coortes dos EUA do século 20. O objetivo deste estudo foi determinar a associação entre o IMC2 e a mortalidade4 em uma população adulta americana contemporânea, nacionalmente representativa, do século 21.

Foi realizado um estudo de coorte13 retrospectivo5 de adultos dos EUA do National Health Interview Study (NHIS) de 1999-2018, vinculado ao Índice Nacional de Morte (NDI) até 31 de dezembro de 2019. O IMC2 foi calculado usando altura e peso autorrelatados e categorizado em 9 grupos. Estimou-se o risco de mortalidade4 por todas as causas usando regressão multivariada de riscos proporcionais de Cox, ajustando para co-variáveis, levando em conta o desenho da pesquisa e realizando análises de subgrupo para reduzir o viés analítico.

A amostra do estudo incluiu 554.332 adultos (idade média de 46 anos [DP 15], 50% do sexo feminino, 69% de brancos não hispânicos). Durante um acompanhamento médio de 9 anos (IQR 5-14) e acompanhamento máximo de 20 anos, houve 75.807 mortes.

O risco de mortalidade4 por todas as causas foi semelhante em uma ampla gama de categorias de IMC2: em comparação com o IMC2 de 22,5-24,9 kg/m², a HR ajustada foi de 0,95 (IC 95% 0,92, 0,98) para IMC2 de 25,0-27,4 e 0,93 (0,90, 0,96) para IMC2 de 27,5-29,9.

Esses resultados persistiram após a restrição a pessoas saudáveis que nunca fumaram e a exclusão de indivíduos que morreram nos primeiros dois anos de acompanhamento.

Um risco aumentado de mortalidade4 de 21 a 108% foi observado para IMC2 ≥30. Os adultos mais velhos não apresentaram aumento significativo na mortalidade4 para IMC2 entre 22,5 e 34,9, enquanto nos adultos mais jovens essa falta de aumento foi limitada à faixa de IMC2 de 22,5 a 27,4.

O estudo concluiu que o risco de mortalidade4 por todas as causas foi elevado em 21-108% entre os participantes com IMC2 ≥30. O IMC2 pode não necessariamente aumentar a mortalidade4 independentemente de outros fatores de risco em adultos, especialmente idosos, com IMC2 na faixa de sobrepeso3.

Mais estudos incorporando resultados de histórico de peso, composição corporal e morbidade14 são necessários para caracterizar completamente as associações IMC2-mortalidade4.

Veja também sobre "Obesidade7", "Circunferência abdominal e doenças cardiovasculares15" e "Qual seu peso ideal".

 

Fontes:
PLoS One, publicação em 05 de julho de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 07 de julho de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. IMC classificado como "sobrepeso" não está associado a maior risco de morte. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1442215/imc-classificado-como-quot-sobrepeso-quot-nao-esta-associado-a-maior-risco-de-morte.htm>. Acesso em: 21 abr. 2024.

Complementos

1 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
2 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
3 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
4 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
5 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
6 Cálculo: Formação sólida, produto da precipitação de diferentes substâncias dissolvidas nos líquidos corporais, podendo variar em sua composição segundo diferentes condições biológicas. Podem ser produzidos no sistema biliar (cálculos biliares) e nos rins (cálculos renais) e serem formados de colesterol, ácido úrico, oxalato de cálcio, pigmentos biliares, etc.
7 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
8 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
9 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
10 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
11 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
12 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
13 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
14 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
15 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
Gostou do artigo? Compartilhe!