Gostou do artigo? Compartilhe!

Uma reação intestinal influencia a eficácia da quimioterapia no câncer de pâncreas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A descoberta de que moléculas produzidas por microrganismos intestinais podem afetar as células1 imunológicas e, portanto, o sucesso da quimioterapia2 para o câncer3 de pâncreas4 aponta o caminho para o uso de intervenções nutricionais para melhorar os resultados.

Os achados são de um estudo publicado na revista Nature.

Leia sobre "Microbioma5 intestinal humano" e "Câncer3 de pâncreas4".

A quimioterapia2 é o tratamento mais comum para o câncer3 de pâncreas4 que se espalhou para outros locais do corpo (metástase6). No entanto, esse tratamento falha se o tumor7 se tornar resistente a essa terapia.

Embora estejam surgindo novos regimes terapêuticos que usam combinações de tratamentos, os resultados permanecem insatisfatórios. Se fossem identificadas intervenções dietéticas que pudessem reduzir o surgimento de resistência à quimioterapia2, e essas intervenções tivessem funcionado em ensaios clínicos8, elas poderiam oferecer uma abordagem terapêutica9 prontamente disponível.

No artigo publicado, pesquisadores apresentam dados de estudos em humanos e camundongos sugerindo que certos microrganismos intestinais produzem moléculas que restauram a resposta dos tumores à quimioterapia2.

Eles relatam como o ácido indol-3-acético derivado da microbiota10 influencia a eficácia da quimioterapia2 no câncer3 de pâncreas4.

Acredita-se que o adenocarcinoma11 ductal pancreático (ACDP) será o segundo câncer3 mais letal até 2040, devido à alta incidência12 de doença metastática13 e respostas limitadas ao tratamento. Menos da metade de todos os pacientes respondem ao tratamento primário para ACDP, quimioterapia2, e alterações genéticas por si só não podem explicar isso. A dieta é um fator ambiental que pode influenciar a resposta às terapias, mas seu papel no ACDP não é claro.

Neste estudo, usando sequenciamento metagenômico shotgun14 e triagem metabolômica, mostrou-se que o ácido indol-3-acético (AIA), um metabólito15 do triptofano derivado da microbiota10, é enriquecido em pacientes que respondem ao tratamento.

Transplante de microbiota10 fecal, manipulação dietética de curto prazo de triptofano e administração oral de AIA aumentam a eficácia da quimioterapia2 em modelos de camundongos gnotobióticos humanizados de ACDP.

Usando uma combinação de experimentos de perda e ganho de função, mostrou-se que a eficácia do AIA e da quimioterapia2 é licenciada pela mieloperoxidase derivada de neutrófilos16. A mieloperoxidase oxida o AIA, que em combinação com a quimioterapia2 induz uma regulação negativa das enzimas degradadoras de espécies reativas de oxigênio (ERO) glutationa peroxidase 3 e glutationa peroxidase 7.

Tudo isso resulta no acúmulo de ERO e na regulação negativa da autofagia em células1 cancerígenas, o que compromete sua aptidão metabólica e, em última instância, sua proliferação.

Em humanos, observou-se uma correlação significativa entre os níveis de AIA e a eficácia da terapia em duas coortes independentes de ACDP.

Em resumo, identificou-se um metabólito15 derivado da microbiota10 que tem implicações clínicas no tratamento do adenocarcinoma11 ductal pancreático e forneceu-se uma motivação para considerar intervenções nutricionais durante o tratamento de pacientes com câncer3.

Veja também sobre "O que são metástases17" e "Quimioterapia2".

 

Fontes:
Nature, publicação em 22 de fevereiro de 2023.
Nature, notícia publicada em 22 de fevereiro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Uma reação intestinal influencia a eficácia da quimioterapia no câncer de pâncreas. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1434625/uma-reacao-intestinal-influencia-a-eficacia-da-quimioterapia-no-cancer-de-pancreas.htm>. Acesso em: 26 fev. 2024.

Complementos

1 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
2 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
3 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
4 Pâncreas: Órgão nodular (no ABDOME) que abriga GLÂNDULAS ENDÓCRINAS e GLÂNDULAS EXÓCRINAS. A pequena porção endócrina é composta pelas ILHOTAS DE LANGERHANS, que secretam vários hormônios na corrente sangüínea. A grande porção exócrina (PÂNCREAS EXÓCRINO) é uma glândula acinar composta, que secreta várias enzimas digestivas no sistema de ductos pancreáticos (que desemboca no DUODENO).
5 Microbioma: Comunidade ecológica de microrganismos comensais, simbióticos e patogênicos que compartilham nosso espaço corporal. Microbioma humano é o conjunto de microrganismos que reside no corpo do Homo sapiens, mantendo uma relação simbiótica com o hospedeiro. O conceito vai além do termo microbiota, incluindo também a relação entre as células microbianas e as células e sistemas humanos, por meio de seus genomas, transcriptomas, proteomas e metabolomas.
6 Metástase: Formação de tecido tumoral, localizada em um lugar distante do sítio de origem. Por exemplo, pode se formar uma metástase no cérebro originário de um câncer no pulmão. Sua gravidade depende da localização e da resposta ao tratamento instaurado.
7 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
8 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
9 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
10 Microbiota: Em ecologia, chama-se microbiota ao conjunto dos microrganismos que habitam um ecossistema, principalmente bactérias, protozoários e outros microrganismos que têm funções importantes na decomposição da matéria orgânica e, portanto, na reciclagem dos nutrientes. Fazem parte da microbiota humana uma quantidade enorme de bactérias que vivem em harmonia no organismo e auxiliam a ação do sistema imunológico e a nutrição, por exemplo.
11 Adenocarcinoma: É um câncer (neoplasia maligna) que se origina em tecido glandular. O termo adenocarcinoma é derivado de “adeno”, que significa “pertencente a uma glândula” e “carcinoma”, que descreve um câncer que se desenvolveu em células epiteliais.
12 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
13 Doença metastática: Câncer que se espalhou do seu local de origem a outras partes do organismo.
14 Shotgun: Em metagenômica, o sequenciamento por shotgun é feito da mesma forma que em genomas de culturas clonadas. Porém, o material genético original não é de apenas um organismo, mas de uma comunidade. Dependendo da amostra, o DNA fornece apenas um fragmento do genoma dos organismos daquele ambiente.
15 Metabólito: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
16 Neutrófilos: Leucócitos granulares que apresentam um núcleo composto de três a cinco lóbulos conectados por filamenos delgados de cromatina. O citoplasma contém grânulos finos e inconspícuos que coram-se com corantes neutros.
17 Metástases: Formação de tecido tumoral, localizada em um lugar distante do sítio de origem. Por exemplo, pode se formar uma metástase no cérebro originário de um câncer no pulmão. Sua gravidade depende da localização e da resposta ao tratamento instaurado.
Gostou do artigo? Compartilhe!