Gostou do artigo? Compartilhe!

Demência causa apenas cerca de 41% do declínio cognitivo: estudo identifica outros preditores

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O declínio cognitivo1 ou mental – uma deterioração em funções como a capacidade de pensar, lembrar, entender e aprender – ocorre naturalmente à medida que envelhecemos.

De um modo geral, a maioria das pessoas associa o declínio cognitivo1 a algum tipo de demência2, como a doença de Alzheimer3.

No entanto, apenas cerca de 41% desse declínio pode ser atribuído à demência2. Vários fatores de risco que também podem contribuir para o declínio cognitivo1, incluindo status socioeconômico, educação, raça, medidas de saúde4 física e comportamentos como exercício e tabagismo, foram identificados anteriormente.

Mas os pesquisadores da Universidade Estadual de Ohio e da Universidade de Michigan descobriram agora que esses fatores são responsáveis por apenas uma pequena quantidade de variação nas habilidades mentais entre os idosos, evidenciando lacunas no conhecimento necessário para reduzir o declínio cognitivo1.

O estudo foi publicado na revista PLOS One.

Saiba mais sobre "Distúrbio neurocognitivo" e "Envelhecimento cerebral normal ou patológico?"

Para este estudo, a equipe de pesquisa aplicou uma abordagem estatística para examinar associações entre vários fatores de estilo de vida e declínio cognitivo1 em idosos americanos.

“Estudos anteriores produziram algumas descobertas mistas sobre alguns determinantes do funcionamento cognitivo1, que podem vir de diferentes conjuntos de dados, projetos de pesquisa, períodos e países”, explicou o Dr. Hui Zheng, professor do Departamento de Sociologia da Universidade Estadual de Ohio e o principal autor do estudo.

“Eles também podem resultar do fato de que cada estudo individual avaliou apenas um número limitado de preditores sem contabilizar intercorrelações com fatores de confusão não observados”, continuou ele. “Eles também tendem a ter uma coorte5 de idade estreita ou um curto acompanhamento. Além disso, queremos estimar efetivamente tanto a significância estatística quanto a contribuição substantiva dos preditores da trajetória cognitiva6.”

O Dr. Zheng e sua equipe analisaram dados de mais de 7.000 adultos americanos, nascidos entre 1931 e 1941, que haviam participado de um estudo maior chamado Estudo de Saúde4 e Aposentadoria, onde sua função cognitiva6 havia sido medida regularmente de 1996 a 2016.

O Estudo de Saúde4 e Aposentadoria também coletou informações sobre os comportamentos do estilo de vida dos participantes, incluindo exercícios, tabagismo, saúde4 física e fatores socioeconômicos, como educação, renda e ocupação.

Após a análise, a equipe de pesquisa descobriu que os muitos fatores incluídos no estudo estatisticamente representavam apenas 38% da variação entre os participantes em seu nível de função cognitiva6 aos 54 anos. Eles descobriram que os fatores com o maior efeito incluíam educação pessoal, riqueza e renda familiares, raça, ocupação, nível de depressão e educação dos pais.

“Estes fatores podem estar ligados através de mecanismos materiais, psicossociais e neuropatológicos”, disse Zheng ao explicar como esses fatores podem contribuir para o declínio cognitivo1. “Por exemplo, a educação pode melhorar a reserva cognitiva6 e atrasar a manifestação da neuropatologia que ocorre como resultado do processo patológico ou relacionado ao envelhecimento”.

Os fatores com o menor efeito no declínio cognitivo1 incluíram condições de saúde4 na infância e comportamentos e doenças na fase adulta. Além disso, curiosamente, esses fatores representaram apenas 5,6% da variação em como a função cognitiva6 diminuiu em pessoas com idades entre 54 e 85 anos.

O Dr. Zheng disse que eles ficaram um pouco surpresos com os fatores sendo responsáveis estatisticamente por 38%, pois incluíram uma ampla gama de fatores.

“Uma coisa que quero enfatizar é que o status socioeconômico individual (por exemplo, educação, renda, riqueza, ocupação, raça, educação dos pais) é muito importante”, acrescentou. “Esses achados apontam para a importância predominante das condições socioeconômicas na formação do nível de funcionamento cognitivo”.

No artigo os pesquisadores relatam os preditores de trajetórias de funcionamento cognitivo1 entre idosos americanos, identificados a partir de uma investigação que abrange 20 anos de mudança cognitiva6 relacionada e não relacionada à idade.

Eles contextualizam que, apesar do extenso estudo dos preditores de declínio cognitivo1 na idade avançada, uma incerteza importante é o quanto esses preditores explicam a interceptação e a mudança relacionada e não relacionada à idade no funcionamento cognitivo1 (FC).

Examinou-se a contribuição de uma ampla gama de determinantes do curso de vida para as trajetórias de FC. Os dados vieram de 7.068 participantes no Estudo de Saúde4 e Aposentadoria de 1996-2016.

O FC foi medido como uma pontuação resumida em uma bateria cognitiva6 de itens de 27 pontos. Estimou-se modelos de curva de crescimento multinível para examinar as trajetórias do FC em indivíduos com idades entre 54 e 85 anos.

Descobriu-se que a variação no nível de FC aos 54 anos era três vezes maior que a variação no declive da idade. Todos os preditores individuais observados explicaram 38% da variação no FC aos 54 anos.

A educação pessoal foi o preditor mais importante (25%), seguido de raça, riqueza e renda familiares, educação dos pais, ocupação e depressão.

As contribuições das limitações de atividade, doenças crônicas, comportamentos de saúde4 (obesidade7, tabagismo, atividade vigorosa), condições da infância (saúde4 infantil, nutrição8, situação financeira), gênero, estado civil e religião eram bastante pequenas (<5%).

Embora o declive da idade tenha variado com muitos fatores da idade adulta, eles explicaram apenas 5,6% da variação entre pessoas no declive da idade. Além disso, a idade explicou 23% da variação pessoal no FC dos 54 aos 85 anos. A variação pessoal não relacionada à idade não pôde ser explicada pelos fatores variantes do tempo observados.

Esses achados sugerem que pesquisas futuras são urgentemente necessárias para descobrir os principais determinantes do declive do declínio cognitivo1 para retardar a progressão do comprometimento cognitivo1 e da demência2.

Leia sobre "O processo de envelhecimento", "Demência2" e "Mal de Alzheimer3".

 

Fontes:
PLOS One, publicação em 08 de fevereiro de 2023.
Medical News Today, notícia publicada em 10 de fevereiro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Demência causa apenas cerca de 41% do declínio cognitivo: estudo identifica outros preditores. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1434855/demencia-causa-apenas-cerca-de-41-do-declinio-cognitivo-estudo-identifica-outros-preditores.htm>. Acesso em: 30 mai. 2024.

Complementos

1 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
2 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
3 Alzheimer: Doença degenerativa crônica que produz uma deterioração insidiosa e progressiva das funções intelectuais superiores. É uma das causas mais freqüentes de demência. Geralmente começa a partir dos 50 anos de idade e tem incidência similar entre homens e mulheres.
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
5 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
6 Cognitiva: 1. Relativa ao conhecimento, à cognição. 2. Relativa ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
7 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
8 Nutrição: Incorporação de vitaminas, minerais, proteínas, lipídios, carboidratos, oligoelementos, etc. indispensáveis para o desenvolvimento e manutenção de um indivíduo normal.
Gostou do artigo? Compartilhe!