Gostou do artigo? Compartilhe!

O aumento da ingestão de proteínas pode impedir a recuperação do peso após uma dieta

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Dietas que envolvem jejum intermitente1 podem ajudar na perda de peso – mas retornar aos hábitos alimentares normais geralmente significa recuperar os quilos perdidos. Cientistas agora têm uma possível explicação para esse ciclo frustrante: o jejum de curto prazo altera a composição da microbiota2 intestinal, que, por sua vez, altera a maneira como o corpo absorve a gordura3.

Experimentos em camundongos sugerem que o crescimento da bactéria4 Lactobacillus no intestino contribui para essa recuperação do tecido adiposo5 pós-dieta. Os achados mostram ainda que dietas ricas em proteínas6 ajudam a promover o controle de peso, reduzindo os níveis dessa bactéria4 no intestino.

Leia sobre "Microbioma7 intestinal humano" e "Dietas para emagrecer".

O estudo, publicado na revista Nature Metabolism, relata como a dieta rica em proteínas6 evita o aumento da massa gorda8 após a dieta, neutralizando a absorção de lipídios aprimorada por Lactobacillus.

Os pesquisadores contextualizam que a restrição alimentar é amplamente utilizada para reduzir a massa gorda8 e perder peso em indivíduos com ou sem obesidade9; no entanto, a recuperação do peso após a dieta ainda é um grande desafio, e os mecanismos subjacentes permanecem amplamente indefinidos.

Neste estudo, mostrou-se que a realimentação após vários tipos de dieta induz o rápido acúmulo de gordura3 em camundongos e a absorção intestinal aprimorada de lipídios contribui para o aumento da massa gorda8 pós-dieta.

Além disso, a realimentação após restrição dietética de curto prazo é acompanhada por um aumento de Lactobacillus no intestino e seus metabólitos10, o que contribui para a maior absorção intestinal de lipídios e o aumento da massa gorda8 pós-dieta; no entanto, a realimentação com uma dieta rica em proteínas6 após uma restrição alimentar de curto prazo atenua a absorção intestinal de lipídios e reprime o acúmulo de gordura3 ao impedir o crescimento de Lactobacillus.

Esses resultados fornecem informações sobre os mecanismos subjacentes ao aumento da massa gorda8 após a dieta. Também foi proposto que ter como alvo Lactobacillus intestinal para inibir a absorção intestinal de lipídios por meio de dieta rica em proteínas6 ou antibióticos é provavelmente uma estratégia eficaz para prevenir a obesidade9 após a dieta.

Veja também sobre "O papel dos alimentos ricos em proteínas6", "Consequências do emagrecimento rápido" e "O perigo das dietas para emagrecer".

 

Fontes:
Nature Metabolism, publicação em 01 de dezembro de 2022.
Nature, notícia publicada em 13 de dezembro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2023. O aumento da ingestão de proteínas pode impedir a recuperação do peso após uma dieta. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1431030/o-aumento-da-ingestao-de-proteinas-pode-impedir-a-recuperacao-do-peso-apos-uma-dieta.htm>. Acesso em: 5 fev. 2023.

Complementos

1 Intermitente: Nos quais ou em que ocorrem interrupções; que cessa e recomeça por intervalos; intervalado, descontínuo. Em medicina, diz-se de episódios de febre alta que se alternam com intervalos de temperatura normal ou cujas pulsações têm intervalos desiguais entre si.
2 Microbiota: Em ecologia, chama-se microbiota ao conjunto dos microrganismos que habitam um ecossistema, principalmente bactérias, protozoários e outros microrganismos que têm funções importantes na decomposição da matéria orgânica e, portanto, na reciclagem dos nutrientes. Fazem parte da microbiota humana uma quantidade enorme de bactérias que vivem em harmonia no organismo e auxiliam a ação do sistema imunológico e a nutrição, por exemplo.
3 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
4 Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
5 Tecido Adiposo: Tecido conjuntivo especializado composto por células gordurosas (ADIPÓCITOS). É o local de armazenamento de GORDURAS, geralmente na forma de TRIGLICERÍDEOS. Em mamíferos, existem dois tipos de tecido adiposo, a GORDURA BRANCA e a GORDURA MARROM. Suas distribuições relativas variam em diferentes espécies sendo que a maioria do tecido adiposo compreende o do tipo branco.
6 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
7 Microbioma: Comunidade ecológica de microrganismos comensais, simbióticos e patogênicos que compartilham nosso espaço corporal. Microbioma humano é o conjunto de microrganismos que reside no corpo do Homo sapiens, mantendo uma relação simbiótica com o hospedeiro. O conceito vai além do termo microbiota, incluindo também a relação entre as células microbianas e as células e sistemas humanos, por meio de seus genomas, transcriptomas, proteomas e metabolomas.
8 Massa gorda: É a porção de massa do organismo constituída de gordura armazenada (encontrada no tecido subcutâneo) e gordura essencial (encontrada nas vísceras, responsável pelo funcionamento fisiológico normal). A massa gorda é o resultado em quilos do percentual de gordura existente no organismo. Por exemplo, um indivíduo de 100 quilos e com percentual de gordura de 38%, pode ter o valor da massa gorda calculado em 38 quilos.
9 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
10 Metabólitos: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
Gostou do artigo? Compartilhe!