Gostou do artigo? Compartilhe!

Base fisiopatológica e justificativa para o tratamento ambulatorial precoce da infecção por SARS-CoV-2 (COVID-19)

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Desde janeiro de 2020 o coronavírus 2 da síndrome1 respiratória aguda grave (SARS-CoV-2), causador da COVID-19, espalhou-se por todo o mundo, levando a hospitalizações agudas por COVID-19 e morte.

A rapidez e a natureza altamente comunicável do surto de SARS-CoV-2 tem dificultado o design e execução de ensaios clínicos2 randomizados e controlados definitivos de terapia fora da clínica ou hospital.

Na ausência de resultados de ensaios clínicos2, os médicos devem usar o que foi aprendido sobre a fisiopatologia3 da infecção4 por SARS-CoV-2 para determinar o tratamento ambulatorial precoce da doença com o objetivo de prevenir hospitalização ou morte.

Leia sobre "Tratamentos medicamentosos para covid-19", "Coquetel de anticorpos5 antivirais para COVID-19" e "Cloroquina e Coronavírus".

Artigo publicado pelo The American Journal of Medicine descreve os principais princípios fisiopatológicos relacionados ao paciente com infecção4 precoce tratado em casa. As abordagens terapêuticas baseadas nestes princípios incluem:

  1. redução da reinoculação
  2. terapia antiviral combinada
  3. imunomodulação
  4. terapia antiplaquetária / antitrombótica e
  5. administração de oxigênio, monitoramento e telemedicina.

O artigo propõe um algoritmo baseado na idade e nas comorbidades6 que permite que uma grande proporção seja acompanhada e tratada em casa durante o auto isolamento com o objetivo de reduzir os riscos de hospitalização e morte.

São citados no artigo mais de uma dúzia de estudos de vários projetos que examinaram uma variedade de medicamentos existentes. Assim, no contexto do conhecimento atual, dada a gravidade dos resultados e a relativa disponibilidade, custo e toxicidade7 da terapia, cada médico e paciente deve fazer uma escolha: espera vigilante em auto quarentena ou tratamento empírico com o objetivo de reduzir hospitalização e morte.

Os autores afirmam que futuros ensaios randomizados que testam os princípios e agentes discutidos irão, sem dúvida, refinar e esclarecer seus papéis individuais; no entanto, enfatizam a necessidade imediata de orientação de gestão no contexto de consumo generalizado de recursos hospitalares, morbidade8 e mortalidade9.

Veja também sobre "Isolamento domiciliar de casos da COVID-19", "Uso de máscaras durante a pandemia10 de COVID-19" e "Ivermectina inibe a replicação do SARS-CoV-2 in vitro".

 

Fonte: The American Journal of Medicine, Vol. 134, Nº 1, em janeiro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Base fisiopatológica e justificativa para o tratamento ambulatorial precoce da infecção por SARS-CoV-2 (COVID-19). Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1385830/base-fisiopatologica-e-justificativa-para-o-tratamento-ambulatorial-precoce-da-infeccao-por-sars-cov-2-covid-19.htm>. Acesso em: 5 mar. 2021.

Complementos

1 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
2 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
3 Fisiopatologia: Estudo do conjunto de alterações fisiológicas que acontecem no organismo e estão associadas a uma doença.
4 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
5 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
6 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
7 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
8 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
9 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
10 Pandemia: É uma epidemia de doença infecciosa que se espalha por um ou mais continentes ou por todo o mundo, causando inúmeras mortes. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a pandemia pode se iniciar com o aparecimento de uma nova doença na população, quando o agente infecta os humanos, causando doença séria ou quando o agente dissemina facilmente e sustentavelmente entre humanos. Epidemia global.
Gostou do artigo? Compartilhe!