Gostou do artigo? Compartilhe!

Medicamentos anticolinérgicos aumentam risco de comprometimento cognitivo leve, com efeitos aumentados na presença de biomarcadores da doença de Alzheimer

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Estudo publicado no periódico Neurology teve como objetivo determinar as consequências cognitivas dos medicamentos anticolinérgicos (aCH) em idosos cognitivamente normais, bem como os efeitos interativos dos fatores de risco genéticos e do líquido cefalorraquidiano1 (LCR) para a doença de Alzheimer2 (DA).

688 participantes cognitivamente normais da Iniciativa de Neuroimagem da Doença de Alzheimer2 foram avaliados (idade média = 73,5, 49,6% mulheres). A regressão de Cox examinou o risco de progressão para comprometimento cognitivo3 leve (CGL) ao longo de um período de 10 anos, e os modelos lineares de efeitos mistos examinaram as taxas de 3 anos de declínio de memória, da função executiva4 e da linguagem em função dos aCH. As interações com o genótipo5 APOE ε4 e evidências de biomarcadores de LCR de patologia6 da DA também foram avaliadas.

Os participantes aCH+ apresentaram risco aumentado de progressão para CGL (HR = 1,42, p = 0,02), e houve uma interação significativa de aCH x risco de DA, de modo que indivíduos (aCH+) (ε4+) apresentaram risco 2 vezes maior (HR = 2,47, p <0,001) para CGL incidente7 em relação a indivíduos (aCH-) (ε4-), enquanto indivíduos (aCH+) (p-tau/Aß+) demonstraram risco mais do que 4 vezes maior (HR = 4,25, p <0,001 ) em relação a (aCH-) (p-tau/Aß-).

Modelos lineares de efeitos mistos revelaram que aCH previram uma inclinação mais acentuada de declínio na memória (t = -2,31, p = 0,02) e na linguagem (t = -2,35, p = 0,02), com efeitos exacerbados em indivíduos com fatores de risco para DA.

O estudo concluiu que os medicamentos anticolinérgicos aumentaram o risco de comprometimento cognitivo3 leve incidente7 e declínio cognitivo3, e os efeitos foram significativamente aumentados entre os indivíduos com fatores de risco genéticos e marcadores fisiopatológicos baseados no LCR da Doença de Alzheimer2.

As descobertas ressaltam o impacto adverso dos medicamentos aCH na cognição8 e a necessidade de ensaios de redução ou interrupção da medicação, particularmente entre indivíduos com risco elevado de DA.

Leia mais sobre "Distúrbio neurocognitivo", "Mal de Alzheimer9" e "Perda de memória".

 

Fonte: Neurology, publicação em 02 de setembro de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Medicamentos anticolinérgicos aumentam risco de comprometimento cognitivo leve, com efeitos aumentados na presença de biomarcadores da doença de Alzheimer. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1380278/medicamentos-anticolinergicos-aumentam-risco-de-comprometimento-cognitivo-leve-com-efeitos-aumentados-na-presenca-de-biomarcadores-da-doenca-de-alzheimer.htm>. Acesso em: 22 out. 2020.

Complementos

1 Líquido cefalorraquidiano: Líquido cefalorraquidiano (LCR), também conhecido como líquor ou fluido cérebro espinhal, é definido como um fluido corporal estéril, incolor, encontrado no espaço subaracnoideo no cérebro e na medula espinhal (entre as meninges aracnoide e pia-máter). Caracteriza-se por ser uma solução salina pura, com baixo teor de proteínas e células, atuando como um amortecedor para o córtex cerebral e a medula espinhal. Possui também a função de fornecer nutrientes para o tecido nervoso e remover resíduos metabólicos do mesmo. É sintetizado pelos plexos coroidais, epitélio ventricular e espaço subaracnoideo em uma taxa de aproximadamente 20 mL/hora. Em recém-nascidos, este líquido é encontrado em um volume que varia entre 10 a 60 mL, enquanto que no adulto fica entre 100 a 150 mL.
2 Doença de Alzheimer: É uma doença progressiva, de causa e tratamentos ainda desconhecidos que acomete preferencialmente as pessoas idosas. É uma forma de demência. No início há pequenos esquecimentos, vistos pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. Os pacientes tornam-se confusos e por vezes agressivos, passando a apresentar alterações da personalidade, com distúrbios de conduta e acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados frente a um espelho. Tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as atividades elementares como alimentação, higiene, vestuário, etc..
3 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
4 Função executiva: Também conhecida como controle cognitivo ou sistema supervisor atencional é um conceito neuropsicológico que se aplica ao processo cognitivo responsável pelo planejamento e execução de atividades, que podem incluir, por exemplo, a iniciação de tarefas, memória de trabalho, atenção sustentada e inibição de impulsos.
5 Genótipo: Composição genética de um indivíduo, ou seja, os genes que ele tem.
6 Patologia: 1. Especialidade médica que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo. 2. Qualquer desvio anatômico e/ou fisiológico, em relação à normalidade, que constitua uma doença ou caracterize determinada doença. 3. Por extensão de sentido, é o desvio em relação ao que é próprio ou adequado ou em relação ao que é considerado como o estado normal de uma coisa inanimada ou imaterial.
7 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
8 Cognição: É o conjunto dos processos mentais usados no pensamento, percepção, classificação, reconhecimento e compreensão para o julgamento através do raciocínio para o aprendizado de determinados sistemas e soluções de problemas.
9 Alzheimer: Doença degenerativa crônica que produz uma deterioração insidiosa e progressiva das funções intelectuais superiores. É uma das causas mais freqüentes de demência. Geralmente começa a partir dos 50 anos de idade e tem incidência similar entre homens e mulheres.
Gostou do artigo? Compartilhe!