Gostou do artigo? Compartilhe!

Dapagliflozina diminui o risco de resultados adversos renais e cardiovasculares em pacientes com doença renal crônica

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Pacientes com doença renal1 crônica têm alto risco de resultados adversos renais e cardiovasculares. O efeito da dapagliflozina em pacientes com doença renal1 crônica, com ou sem diabetes2 tipo 2, não é conhecido.

Nesse estudo, publicado no The New England Journal of Medicine, designou-se aleatoriamente 4.304 participantes com uma taxa de filtração glomerular (TFG) estimada de 25 a 75 ml por minuto por 1,73 m² de área de superfície corporal e uma relação albumina3 / creatinina4 urinária (com albumina3 medida em miligramas e creatinina4 medida em gramas) de 200 para 5000 para receber dapagliflozina (10 mg uma vez ao dia) ou placebo5.

O resultado primário foi um composto de um declínio sustentado na TFG estimada de pelo menos 50%, doença renal1 em estágio final ou morte por causas renais ou cardiovasculares.

O comitê independente de monitoramento de dados recomendou a interrupção do estudo devido à eficácia. Ao longo de uma mediana de 2,4 anos, um evento de desfecho primário ocorreu em 197 de 2.152 participantes (9,2%) no grupo dapagliflozina e 312 de 2.152 participantes (14,5%) no grupo de placebo5 (razão de risco, 0,61; intervalo de confiança [IC ] de 95%, 0,51 a 0,72; P <0,001; número necessário para tratar para prevenir um evento de desfecho primário, 19 [IC 95%, 15 a 27]).

A taxa de risco para o composto de um declínio sustentado na TFG estimada de pelo menos 50%, doença renal1 em estágio final ou morte por causas renais foi de 0,56 (IC 95%, 0,45 a 0,68; P <0,001), e a taxa risco para o composto de morte por causas cardiovasculares ou hospitalização por insuficiência cardíaca6 foi de 0,71 (IC 95%, 0,55 a 0,92; P = 0,009).

A morte ocorreu em 101 participantes (4,7%) no grupo dapagliflozina e 146 participantes (6,8%) no grupo placebo5 (razão de risco, 0,69; IC 95%, 0,53 a 0,88; P = 0,004). Os efeitos da dapagliflozina foram semelhantes em participantes com diabetes tipo 27 e naqueles sem diabetes tipo 27. O conhecido perfil de segurança da dapagliflozina foi confirmado.

Entre os pacientes com doença renal1 crônica, independentemente da presença ou ausência de diabetes2, o risco de um composto de declínio sustentado na TFG estimada de pelo menos 50%, doença renal1 em estágio terminal ou morte por causas renais ou cardiovasculares foi significativamente menor com dapagliflozina do que com placebo5.

Leia sobre "Insuficiência renal8 crônica", "Avaliação da função renal1", "Índice de filtração glomerular9" e "Depuração da creatinina4".

 

Fonte: NEJM, publicação em 24 de setembro de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Dapagliflozina diminui o risco de resultados adversos renais e cardiovasculares em pacientes com doença renal crônica. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1380113/dapagliflozina-diminui-o-risco-de-resultados-adversos-renais-e-cardiovasculares-em-pacientes-com-doenca-renal-cronica.htm>. Acesso em: 30 nov. 2020.

Complementos

1 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
2 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
3 Albumina: Proteína encontrada no plasma, com importantes funções, como equilíbrio osmótico, transporte de substâncias, etc.
4 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
5 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
6 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
7 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
8 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
9 Índice de filtração glomerular: Medida da habilidade dos rins de filtrar e remover excretas do organismo.
Gostou do artigo? Compartilhe!