Gostou do artigo? Compartilhe!

Cirurgiões transplantam rim de porco geneticamente modificado em um paciente humano, um novo marco na medicina

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Cirurgiões de Boston transplantaram um rim1 de um porco geneticamente modificado para um homem doente de 62 anos, no primeiro procedimento desse tipo. Se o procedimento for bem-sucedido, a descoberta oferecerá esperança a pacientes que aguardam na fila de espera para um transplante renal2. Até agora, os sinais3 são promissores.

“Toda semana, temos que retirar pacientes da lista de espera porque ficam muito doentes para fazer um transplante durante a diálise4. A disponibilidade oportuna de um rim1 poderia dar a oportunidade a milhares de pessoas de obter um tratamento muito melhor para a insuficiência renal5 do que a diálise4,” afirmou Leonardo Riella, médico brasileiro que comandou o transplante.

O Massachusetts General Hospital (MGH), membro fundador do sistema de saúde6 Mass General Brigham, anunciou em 21 de março de 2024 esse primeiro transplante bem-sucedido do mundo de um rim1 de porco (porcino) geneticamente editado em um homem de 62 anos que vive com doença renal2 em estágio terminal (DRET). Cirurgiões do Mass General Transplant Center conduziram a cirurgia de quatro horas no sábado, 16 de março. O procedimento representa um marco importante na busca por fornecer órgãos mais prontamente disponíveis aos pacientes.

Sob a liderança de Leonardo V. Riella, MD, PhD, Diretor Médico de Transplante Renal2, Tatsuo Kawai, MD, PhD, Diretor do Centro Legorreta para Tolerância Clínica a Transplantes, juntamente com Nahel Elias, MD, Chefe Interino de Cirurgia de Transplante e Diretor de Cirurgia de Transplante de Rim1, um rim1 de porco geneticamente editado com 69 edições genômicas foi transplantado com sucesso para um paciente vivo.

Saiba mais sobre "Transplante renal2", "Doação de órgãos" e "Edição genética - o que é e para que serve".

“O sucesso deste transplante é o culminar dos esforços de milhares de cientistas e médicos ao longo de várias décadas. Temos o privilégio de ter desempenhado um papel significativo neste marco. Nossa esperança é que esta abordagem de transplante ofereça uma tábua de salvação para milhões de pacientes em todo o mundo que sofrem de insuficiência renal5”, disse Kawai.

O rim1 de porco foi fornecido pela empresa eGenesis de Cambridge, Massachusetts, EUA, de um porco doador que foi geneticamente editado usando a tecnologia CRISPR-Cas9 para remover genes suínos prejudiciais e adicionar certos genes humanos para melhorar sua compatibilidade com humanos. Além disso, os cientistas inativaram retrovírus endógenos suínos no porco doador para eliminar qualquer risco de infecção7 em humanos. Nos últimos cinco anos, o MGH e a eGenesis conduziram extensas pesquisas colaborativas, com as descobertas publicadas na revista Nature em 2023.

Este procedimento bem-sucedido num receptor vivo é um marco histórico no campo emergente do xenotransplante – o transplante de órgãos ou tecidos de uma espécie para outra – como uma solução potencial para a escassez mundial de órgãos. De acordo com a Rede Unida para Compartilhamento de Órgãos (UNOS), mais de 100.000 pessoas nos EUA aguardam um órgão para transplante e 17 pessoas morrem todos os dias à espera de um órgão. Um rim1 é o órgão mais comum necessário para transplante, e estima-se que as taxas de doença renal2 em estágio terminal aumentem de 29 a 68 por cento nos EUA até 2030, de acordo com a literatura publicada no Journal of the American Society of Nephrology. No Brasil, 90% das pessoas que estão na fila para transplante de órgãos precisam de um rim1.

O paciente, Sr. Richard ‘Rick’ Slayman, de Weymouth, Massachusetts, está se recuperando bem no MGH e espera-se que receba alta em breve.

Slayman disse em um comunicado: “Sou paciente do Mass General Transplant Center há 11 anos e tenho o mais alto nível de confiança nos médicos, enfermeiras e equipe clínica que cuidaram de mim. Quando o meu rim1 transplantado começou a falhar em 2023, confiei novamente na minha equipa de cuidados do MGH para cumprir os meus objetivos de não apenas melhorar a minha qualidade de vida, mas também estendê-la. Meu nefrologista8, Dr. Winfred Williams, MD e a equipe do Transplant Center sugeriram um transplante de rim1 de porco, explicando cuidadosamente os prós e os contras desse procedimento. Eu vi isso não apenas como uma forma de me ajudar, mas também como uma forma de dar esperança às milhares de pessoas que precisam de um transplante para sobreviver.”

Slayman, que vive com diabetes tipo 29 e hipertensão10 há muitos anos, recebeu anteriormente um transplante de rim1 de um doador humano falecido em dezembro de 2018, realizado no MGH por Kawai, após fazer diálise4 sete anos antes. O rim1 transplantado mostrou sinais3 de falha aproximadamente cinco anos depois e o Sr. Slayman retomou a diálise4 em maio de 2023. Desde que retomou a diálise4, ele encontrou complicações recorrentes no acesso vascular11 da diálise4, exigindo visitas ao hospital a cada duas semanas para descoagulação e revisões cirúrgicas, impactando significativamente sua qualidade de vida e um problema comum entre pacientes em diálise4.

O novo procedimento foi realizado sob um único Protocolo de Acesso Expandido (EAP) da FDA – conhecido como uso compassivo – concedido a um único paciente ou grupo de pacientes com doenças ou condições graves e potencialmente fatais para obter acesso a tratamentos experimentais ou ensaios clínicos12 quando não existem opções de tratamento ou terapias comparáveis. Slayman também recebeu infusão de novos medicamentos imunossupressores, tegoprubarte, fornecido pela Eledon Pharmaceuticals, Inc., e ravulizumabe, fornecido pela Alexion Pharmaceuticals, Inc.

Riella liderou o grupo de médicos do Mass General Transplant Center na solicitação do EAP, que foi rigorosamente revisado pela FDA antes de sua aprovação no final de fevereiro. Combinados, os médicos e cirurgiões de transplante do MGH têm quase 30 anos de experiência em pesquisa de xenotransplante.

“Setenta anos após o primeiro transplante renal2 e seis décadas após o advento dos medicamentos imunossupressores, estamos à beira de um avanço monumental no transplante. Só no MGH, há mais de 1.400 pacientes em lista de espera para transplante renal2. Infelizmente, alguns destes pacientes morrerão ou ficarão doentes demais para serem transplantados devido ao longo tempo de espera na diálise4. Estou firmemente convencido de que o xenotransplante representa uma solução promissora para a crise de escassez de órgãos”, disse Riella.

Leia sobre "Insuficiência renal5 crônica", "Hemodiálise13 - como funciona" e "Imunossupressão14 e imunodepressão".

 

Fonte: Massachusetts General Hospital, comunicado publicado em 21 de março de 2024.

 

NEWS.MED.BR, 2024. Cirurgiões transplantam rim de porco geneticamente modificado em um paciente humano, um novo marco na medicina. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/1467427/cirurgioes-transplantam-rim-de-porco-geneticamente-modificado-em-um-paciente-humano-um-novo-marco-na-medicina.htm>. Acesso em: 21 abr. 2024.

Complementos

1 Rim: Os rins são órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
2 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
3 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
4 Diálise: Quando os rins estão muito doentes, eles deixam de realizar suas funções, o que pode levar a risco de vida. Nesta situação, é preciso substituir as funções dos rins de alguma maneira, o que pode ser feito realizando-se um transplante renal, ou através da diálise. A diálise é um tipo de tratamento que visa repor as funções dos rins, retirando as substâncias tóxicas e o excesso de água e sais minerais do organismo, estabelecendo assim uma nova situação de equilíbrio. Existem dois tipos de diálise: a hemodiálise e a diálise peritoneal.
5 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
6 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
7 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
8 Nefrologista: Médico especialista em tratar pessoas com doenças ou problemas renais.
9 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
10 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
11 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
12 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
13 Hemodiálise: Tipo de diálise que vai promover a retirada das substâncias tóxicas, água e sais minerais do organismo através da passagem do sangue por um filtro. A hemodiálise, em geral, é realizada 3 vezes por semana, em sessões com duração média de 3 a 4 horas, com o auxílio de uma máquina, dentro de clínicas especializadas neste tratamento. Para que o sangue passe pela máquina, é necessária a colocação de um catéter ou a confecção de uma fístula, que é um procedimento realizado mais comumente nas veias do braço, para permitir que estas fiquem mais calibrosas e, desta forma, forneçam o fluxo de sangue adequado para ser filtrado.
14 Imunossupressão: Supressão das reações imunitárias do organismo, induzida por medicamentos (corticosteroides, ciclosporina A, etc.) ou agentes imunoterápicos (anticorpos monoclonais, por exemplo); que é utilizada em alergias, doenças autoimunes, etc. A imunossupressão é impropriamente tomada por alguns como sinônimo de imunodepressão.
Gostou do artigo? Compartilhe!