Gostou do artigo? Compartilhe!

COVID-19 e coágulos sanguíneos: níveis elevados do fator V de coagulação do sangue foram associados a resultados piores na COVID-19 grave

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Pacientes hospitalizados com infecções1 graves por COVID-19 que têm níveis elevados da proteína de coagulação2 do sangue3 fator V estão em risco elevado de lesões4 graves por coágulos sanguíneos, como trombose venosa profunda5 ou embolia6 pulmonar, de acordo com um novo estudo realizado por pesquisadores da Harvard Medical School no Massachusetts General Hospital.

Por outro lado, os pacientes criticamente enfermos com COVID-19 e baixos níveis de fator V parecem estar em maior risco de morte por uma forma de coagulopatia que se assemelha à coagulação2 intravascular7 disseminada (CID) – uma anormalidade devastadora, muitas vezes fatal, na qual coágulos de sangue3 formam-se em pequenos vasos por todo o corpo, levando à exaustão dos fatores de coagulação2 e das proteínas8 que controlam a coagulação2.

Essas descobertas, com base em estudos de pacientes com COVID-19 em unidades de terapia intensiva9 do Mass General, apontam para distúrbios na atividade do fator V como uma causa potencial de distúrbios de coagulação2 do sangue3 com a COVID-19 e também para métodos potenciais para identificar pacientes em risco com o objetivo de selecionar a terapia de anticoagulação adequada.

Saiba mais sobre "Como se dá a coagulação2 sanguínea", "Trombose venosa profunda5" e "Embolia6 pulmonar".

Os resultados do estudo foram publicados online em 24 de agosto no American Journal of Hematology. Veja o resumo:

A coagulopatia causa morbidade10 e mortalidade11 em pacientes com Doença do Coronavírus 2019 (COVID‐19) devido à infecção12 pelo Coronavírus 2 da Síndrome13 Respiratória Aguda Grave (SARS‐CoV‐2). No entanto, os mecanismos não são claros e os biomarcadores são limitados.

No início da pandemia14, os pesquisadores observaram atividade do fator V marcadamente elevada em um paciente com COVID‐19, o que os levou a medir a atividade dos fatores V, VIII e X em uma coorte15 de 102 pacientes consecutivos internados com COVID‐19. Os controles contemporâneos negativos para SARS‐CoV‐2 (n = 17) e os controles pré‐pandêmicos históricos (n = 260 – 478) também foram analisados.

Esta coorte15 representa pacientes com COVID‐19 grave e com altas taxas de uso de ventilador, de trombose venosa profunda5 ou de embolia6 pulmonar, dentre outras complicações graves, e também alta mortalidade11.

A atividade do fator V foi significativamente elevada na COVID-19 (mediana de 150 IU/dL, intervalo 34-248 IU/dL) em comparação com os controles contemporâneos (mediana de 105 IU/dL, intervalo de 22-161 IU/dL) (P <0,00001) – a associação mais forte com COVID-19 de qualquer parâmetro estudado, incluindo fator VIII, fibrinogênio16 e dímero-D.

Pacientes com COVID‐19 e atividade do fator V >150 IU/dL exibiram taxas significativamente maiores de TVP / EP (16/49, 33%) em comparação com aqueles com atividade do fator V ≤150 IU/dL (7/53, 13%) (P = 0,03).

Dentro desta coorte15 de COVID‐19 grave, a atividade do fator V está associada à carga viral de SARS‐CoV‐2 de maneira dependente do sexo. As diminuições subsequentes no fator V foram associadas à progressão para CID e mortalidade11.

Juntos, esses dados revelam perturbações marcantes da atividade do fator V na COVID‐19 grave, fornecem ligações para a biologia da doença e resultados clínicos do SARS‐CoV‐2 e nomeiam um candidato a biomarcador a ser investigado para orientar a terapia de anticoagulação na COVID‐19.

Leia sobre "Trombose17 venosa entre pacientes gravemente doentes com COVID-19" e "Coagulação2 intravascular7 disseminada".

 

Fontes:
American Journal of Hematology, publicação em 24 de agosto de 2020.
Harvard Medical School, notícia publicada em 9 de setembro de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. COVID-19 e coágulos sanguíneos: níveis elevados do fator V de coagulação do sangue foram associados a resultados piores na COVID-19 grave. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1378958/covid-19-e-coagulos-sanguineos-niveis-elevados-do-fator-v-de-coagulacao-do-sangue-foram-associados-a-resultados-piores-na-covid-19-grave.htm>. Acesso em: 31 out. 2020.

Complementos

1 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
2 Coagulação: Ato ou efeito de coagular(-se), passando do estado líquido ao sólido.
3 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
4 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
5 Trombose Venosa Profunda: Caracteriza-se pela formação de coágulos no interior das veias profundas da perna. O que mais chama a atenção é o edema (inchaço) e a dor, normalmente restritos a uma só perna. O edema pode se localizar apenas na panturrilha e pé ou estar mais exuberante na coxa, indicando que o trombo se localiza nas veias profundas dessa região ou mais acima da virilha. Uma de suas principais conseqüências a curto prazo é a embolia pulmonar, que pode deixar seqüelas ou mesmo levar à morte. Fatores individuais de risco são: varizes de membros inferiores, idade maior que 40 anos, obesidade, trombose prévia, uso de anticoncepcionais, terapia de reposição hormonal, entre outras.
6 Embolia: Impactação de uma substância sólida (trombo, colesterol, vegetação, inóculo bacteriano), líquida ou gasosa (embolia gasosa) em uma região do circuito arterial com a conseqüente obstrução do fluxo e isquemia.
7 Intravascular: Relativo ao interior dos vasos sanguíneos e linfáticos, ou que ali se situa ou ocorre.
8 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
9 Terapia intensiva: Tratamento para diabetes no qual os níveis de glicose são mantidos o mais próximo do normal possível através de injeções freqüentes ou uso de bomba de insulina, planejamento das refeições, ajuste em medicamentos hipoglicemiantes e exercícios baseados nos resultados de testes de glicose além de contatos freqüentes entre o diabético e o profissional de saúde.
10 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
11 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
12 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
13 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
14 Pandemia: É uma epidemia de doença infecciosa que se espalha por um ou mais continentes ou por todo o mundo, causando inúmeras mortes. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a pandemia pode se iniciar com o aparecimento de uma nova doença na população, quando o agente infecta os humanos, causando doença séria ou quando o agente dissemina facilmente e sustentavelmente entre humanos. Epidemia global.
15 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
16 Fibrinogênio: Proteína plasmática precursora da fibrina (que dá origem à fibrina) e que participa da coagulação sanguínea.
17 Trombose: Formação de trombos no interior de um vaso sanguíneo. Pode ser venosa ou arterial e produz diferentes sintomas segundo os territórios afetados. A trombose de uma artéria coronariana pode produzir um infarto do miocárdio.
Gostou do artigo? Compartilhe!