Gostou do artigo? Compartilhe!

Pesquisa associa a síndrome dos ovários policísticos ao aumento do risco de doença cardiovascular

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A síndrome1 do ovário2 policístico (SOP) é ​​uma condição endocrinológica que afeta até 18% das mulheres em idade reprodutiva. O diagnóstico3 requer dois ou mais dos seguintes itens: (a) irregularidade menstrual; (b) hiperandrogenismo (excesso de hormônios masculinos); e (c) ovários4 policísticos. Além disso, as mulheres com SOP apresentam taxas mais altas de fatores de risco para doenças cardiovasculares5 (DCV) e, potencialmente, eventos cardiovasculares.

Dado que alguns sintomas6 da SOP são especificamente na pré-menopausa7, é importante compreender o risco de DCV associado à SOP ao longo da vida. Para resolver isso, foi conduzido um estudo de registro nacional na Dinamarca, publicado pelo European Journal of Preventive Cardiology.

Leia sobre "Entendendo os ovários4 policísticos", "Doenças cardiovasculares5" e "Sinais8 de doenças cardíacas em mulheres".

Identificou-se mulheres, de 1994 a 2015, usando a coorte9 Danish National assisted reproductive technology (ART)-Couple II Cohort, vinculada ao Registro Nacional de Pacientes, ao Sistema de Registro Civil e ao Registro Médico de Nascimento. Mulheres com DCV no início do estudo foram excluídas (n = 2.325), resultando em um total de 60.574 mulheres. Mulheres com SOP foram identificadas usando o código E28.2 da Classificação Internacional de Doenças (CID-10) de 2006 em diante. Antes de 2006, o código específico de registro 'defeito de ovulação10' era usado para indicar SOP. Como 90-95% das mulheres anovulatórias que se apresentam a clínicas de fertilidade têm SOP, o defeito da ovulação10 é um indicador apropriado.

DCV incidente11 foi identificada por meio do Registro Nacional de Pacientes usando códigos CID-10 (G45 – G46, I10 – I28, I42 – I51, I60 – I72, I74 – I79, I81, I82). O estudo foi aprovado pela Agência de Proteção de Dados Dinamarquesa e Autoridade de Dados de Saúde12. O consentimento informado do paciente e a aprovação do comitê de ética não foram necessários.

As mulheres foram acompanhadas desde seu tratamento com tecnologia de reprodução13 assistida (TRA) inicial e censuradas no primeiro dos seguintes casos: (a) apresentação de DCV; (b) morte; (c) emigração; (d) designada como 'ausente' no Sistema de Registro Civil; ou (e) 31 de dezembro de 2015 (fim do seguimento). Hazard ratios (HRs) e intervalos de confiança de 95% (ICs) foram estimados usando modelos de riscos proporcionais de Cox com a idade como escala de tempo subjacente.

Para obter estimativas de HR para DCV em diferentes idades, as análises foram estratificadas por idade: menos de 30, 30-34, 35-39, 40-49 e 50 anos e mais. Dois modelos foram construídos: modelo 1 (idade) e modelo 2 (idade, ano do primeiro tratamento TRA, paridade inicial, diabetes gestacional14, estado de relacionamento e educação). Dados de índice de massa corporal15 (IMC16), tabagismo e álcool estavam disponíveis a partir de 2006. Uma análise de sensibilidade também ajustando para esses fatores foi conduzida. Como os dados de 2006 em diante foram incluídos apenas, nenhuma estimativa de risco foi calculada para mulheres com mais de 50 anos, pois nenhuma havia atingido essa idade.

Das 60.574 mulheres, 6.149 (10,2%) tinham SOP. O acompanhamento médio foi de 8,9 anos (intervalo interquartil 4,2–14,8) e 2.925 (4,8%) mulheres desenvolveram DCV. Mulheres com SOP eram mais jovens, com maior probabilidade de desenvolver diabetes gestacional14 e menos probabilidade de serem solteiras. Mulheres com SOP estavam em maior risco de DCV (HR ajustado para idade 1,20, IC 95% 1,08-1,34), que permaneceu após o ajuste para covariáveis ​​(HR ajustado 1,19, IC 95% 1,07-1,33). Após estratificação por idade, não houve evidência de maior risco de DCV para mulheres com SOP após os 50 anos.

Em análises de sensibilidade ajustando para IMC16, tabagismo e álcool, o maior risco de DCV permaneceu para mulheres com SOP em geral (n = 21.631, HR 1,49, IC 95% 1,04–2,06). Também houve evidência de um risco maior apenas em mulheres mais jovens (menos de 30 anos: HR 1,59, IC 95% 0,68–3,72; 30–34 anos: HR 1,43, IC 95% 0,82–2,48; 35–39 anos: HR 1,72, IC 95% 0,97–3,03 e 40–49 anos: HR 0,93, IC 95% 0,29–3,01).

Até onde se sabe, este é o primeiro estudo a avaliar se o risco de DCV associado à SOP varia com a idade, embora as inconsistências entre publicações anteriores possam ser parcialmente explicadas por uma variação de risco relacionada à idade. A variação potencial de risco com a idade pode ser devido às diferenças no perfil de risco de DCV entre mulheres com e sem SOP. Em média, as mulheres com SOP têm um perfil de risco de DCV pior do que as mulheres sem SOP, mas essas diferenças podem diminuir com a idade.

Esse estudo tem vários pontos fortes. Isso inclui dados nacionais, ajuste para possíveis fatores de confusão e alta validade dos diagnósticos de DCV. Além disso, a sensibilidade e a especificidade de um diagnóstico3 de SOP são provavelmente altas, pois as mulheres terão recebido uma avaliação ginecológica completa. Os pontos fracos do estudo incluem informações limitadas sobre diabetes17 e hipercolesterolemia18 e generalização incerta, pois as mulheres em tratamento com TRA podem ser diferentes da população em geral. Antes de 2006, os casos de SOP eram identificados por meio do código específico do registro "defeito de ovulação10", que poderia categorizar mulheres sem SOP como tendo SOP. No entanto, a maioria das mulheres com defeito de ovulação10 que se apresenta em clínicas de fertilidade tem SOP.

Em conclusão, as mulheres com SOP apresentam maior risco de DCV, com evidências de maior risco para mulheres na faixa dos 30 e 40 anos. Uma investigação mais aprofundada de como a associação entre SOP e DCV varia com a idade é necessária na população em geral.

Veja também sobre "Reprodução13 assistida", "Infertilidade19 feminina" e "Cistos ovarianos".

 

Fonte: European Journal of Preventive Cardiology, publicação em 02 de agosto de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Pesquisa associa a síndrome dos ovários policísticos ao aumento do risco de doença cardiovascular. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1375743/pesquisa-associa-a-sindrome-dos-ovarios-policisticos-ao-aumento-do-risco-de-doenca-cardiovascular.htm>. Acesso em: 22 set. 2020.

Complementos

1 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
2 Ovário: Órgão reprodutor (GÔNADAS) feminino. Nos vertebrados, o ovário contém duas partes funcionais Sinônimos: Ovários
3 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
4 Ovários: São órgãos pares com aproximadamente 3cm de comprimento, 2cm de largura e 1,5cm de espessura cada um. Eles estão presos ao útero e à cavidade pelvina por meio de ligamentos. Na puberdade, os ovários começam a secretar os hormônios sexuais, estrógeno e progesterona. As células dos folículos maduros secretam estrógeno, enquanto o corpo lúteo produz grandes quantidades de progesterona e pouco estrógeno.
5 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
6 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
7 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
8 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
9 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
10 Ovulação: Ovocitação, oocitação ou ovulação nos seres humanos, bem como na maioria dos mamíferos, é o processo que libera o ovócito II em metáfase II do ovário. (Em outras espécies em vez desta célula é liberado o óvulo.) Nos dias anteriores à ovocitação, o folículo secundário cresce rapidamente, sob a influência do FSH e do LH. Ao mesmo tempo que há o desenvolvimento final do folículo, há um aumento abrupto de LH, fazendo com que o ovócito I no seu interior complete a meiose I, e o folículo passe ao estágio de pré-ovocitação. A meiose II também é iniciada, mas é interrompida em metáfase II aproximadamente 3 horas antes da ovocitação, caracterizando a formação do ovócito II. A elevada concentração de LH provoca a digestão das fibras colágenas em torno do folículo, e os níveis mais altos de prostaglandinas causam contrações na parede ovariana, que provocam a extrusão do ovócito II.
11 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
12 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
13 Reprodução: 1. Função pela qual se perpetua a espécie dos seres vivos. 2. Ato ou efeito de reproduzir (-se). 3. Imitação de quadro, fotografia, gravura, etc.
14 Diabetes gestacional: Tipo de diabetes melito que se desenvolve durante a gravidez e habitualmente desaparece após o parto, mas aumenta o risco da mãe desenvolver diabetes no futuro. O diabetes gestacional é controlado com planejamento das refeições, atividade física e, em alguns casos, com o uso de insulina.
15 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
16 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
17 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
18 Hipercolesterolemia: Aumento dos níveis de colesterol do sangue. Está associada a uma maior predisposição ao desenvolvimento de aterosclerose.
19 Infertilidade: Capacidade diminuída ou ausente de gerar uma prole. O termo não implica a completa inabilidade para ter filhos e não deve ser confundido com esterilidade. Os clínicos introduziram elementos físicos e temporais na definição. Infertilidade é, portanto, freqüentemente diagnosticada quando, após um ano de relações sexuais não protegidas, não ocorre a concepção.
Gostou do artigo? Compartilhe!