Gostou do artigo? Compartilhe!

JAMA: 24 meses de atividade física versus educação em saúde. Qual é o melhor para bons resultados cognitivos em idosos sedentários?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Evidências epidemiológicas sugerem que a atividade física beneficia a cognição1, mas os resultados de ensaios clínicos2 randomizados são limitados. Para determinar os resultados de um programa de atividade física de 24 meses na melhoria da função cognitiva3, menor risco de comprometimento cognitivo4 leve (MCI) ou demência5, ou ambos, em comparação com um programa de educação para a saúde6, foi realizado um ensaio clínico publicado pelo The Journal of the American Medical Association (JAMA).

O ensaio clínico randomizado7 Lifestyle Interventions and Independence for Elders (LIFE) inscreveu 1635 participantes vivendo em comunidades de oito Centros de Saúde6 dos Estados Unidos, de fevereiro de 2010 até dezembro de 2011. Os participantes eram sedentários, com 70 a 89 anos de idade, que estavam em risco para incapacidade funcional, mas capazes de andar 400 metros.

Um programa estruturado de atividade física de intensidade moderada (n=818) com exercícios de caminhada, treinamento de resistência e flexibilidade ou um programa de educação para a saúde6 (n=817) com oficinas educativas e alongamento da extremidade superior foi aplicado aos participantes.

Os principais resultados e medidas de desfechos secundários pré-especificados incluíam a função cognitiva3, medida pelo Digit Symbol Coding (DSC) da Wechsler Adult Intelligence Scale (pontuação de zero a 133; escores mais altos indicam melhor função) e pelo teste Hopkins Verbal Learning Test, avaliada em 1476 participantes (90,3%). Resultados terciários incluíam a função cognitiva3 global, a função executiva8 e a incidência9 de dano cognitivo4 leve ou demência5 em 24 meses. No 24º mês, os participantes do grupo de atividade física que tinham 80 anos ou mais (n=307) e aqueles com pior desempenho físico (n=328) tiveram melhores mudanças nos escores de pontuação da função executiva8 em comparação com o grupo de educação em saúde6. Dano cognitivo4 leve ou demência5 ocorreu em 98 participantes (13,2%) no grupo de atividade física e em 91 participantes (12,1%) no grupo de educação em saúde6.

Entre os idosos sedentários estudados, um programa de atividade física de intensidade moderada por 24 meses em comparação com um programa de educação em saúde6 não resultou em melhorias na função cognitiva3 global ou na função executiva8.

Fonte: The Journal of the American Medical Association (JAMA), volume 314, número 8, de 25 de agosto de 2015

NEWS.MED.BR, 2015. JAMA: 24 meses de atividade física versus educação em saúde. Qual é o melhor para bons resultados cognitivos em idosos sedentários?. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/801124/jama-24-meses-de-atividade-fisica-versus-educacao-em-saude-qual-e-o-melhor-para-bons-resultados-cognitivos-em-idosos-sedentarios.htm>. Acesso em: 17 set. 2019.

Complementos

1 Cognição: É o conjunto dos processos mentais usados no pensamento, percepção, classificação, reconhecimento e compreensão para o julgamento através do raciocínio para o aprendizado de determinados sistemas e soluções de problemas.
2 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
3 Cognitiva: 1. Relativa ao conhecimento, à cognição. 2. Relativa ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
4 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
5 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
6 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
7 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
8 Função executiva: Também conhecida como controle cognitivo ou sistema supervisor atencional é um conceito neuropsicológico que se aplica ao processo cognitivo responsável pelo planejamento e execução de atividades, que podem incluir, por exemplo, a iniciação de tarefas, memória de trabalho, atenção sustentada e inibição de impulsos.
9 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
Gostou do artigo? Compartilhe!