Gostou do artigo? Compartilhe!

Distribuir melhor as refeições e lanches ao longo do dia pode aumentar a sobrevivência à insuficiência cardíaca

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Pacientes com insuficiência cardíaca1 (IC) que distribuem o tempo entre a primeira e a última refeição ou lanche do dia, independentemente da ingestão calórica diária, podem se beneficiar com risco reduzido de morte cardiovascular (CV), sugere um estudo observacional.

As novas descobertas, baseadas principalmente em 15 anos de dados do National Health and Nutrition Examination Survey (NHANES), podem argumentar contra intervenções dietéticas com restrição de tempo, como o jejum intermitente2, para pacientes3 com IC, dizem os pesquisadores.

Os quase 1.000 participantes do estudo em terapia médica para IC relataram uma janela média diária de alimentação de 11 horas e uma média diária de quatro “ocasiões de alimentação”, definidas como refeições ou lanches de pelo menos 50 kcal.4

Uma janela alimentar diária de 11 horas ou mais, em comparação com menos de 11 horas, correspondeu a uma queda superior a 40% no risco de mortalidade5 CV (P = 0,013) ao longo de 5 a 6 anos, relatou Hayley E. Billingsley, pesquisadora da Virginia Commonwealth University, nos Estados Unidos, na Reunião Científica Anual de 2023 da Heart Failure Society of America (HFSA).

A análise foi ajustada para ingestão calórica, número diário de ocasiões de alimentação, índice de massa corporal6 (IMC7), histórico de doenças cardiovasculares8 e câncer9, diabetes10 e uma série de outros possíveis fatores de confusão.

Saiba mais sobre "Doenças cardiovasculares8", "Insuficiência cardíaca1" e "O que é uma alimentação saudável".

Evidências anteriores, principalmente de pessoas saudáveis, sugeriram que o jejum prolongado durante o dia está associado a menos atividade física, disse Billingsley. Portanto, pode ser que as pessoas com IC que distribuem a ingestão de calorias11 sejam mais ativas ao longo do dia.

Uma janela de tempo mais longa para comer, portanto, pode ter benefícios metabólicos indiretos e ajudar a preservar a massa corporal magra, possivelmente reduzindo o risco CV num grupo de pacientes em risco de perda muscular.

As descobertas se somam às evidências anteriores do centro de pesquisa de Billingsley, que sugerem que a ampliação das janelas de tempo diárias para alimentação, especialmente a última alimentação mais tarde, em vez da primeira alimentação mais cedo, pode ajudar a melhorar a aptidão cardiovascular de pacientes com obesidade12 e IC com fração de ejeção preservada.

O jejum intermitente2 e outras práticas que envolvem o horário da ingestão de alimentos têm sido estudadas para perda de peso e saúde13 metabólica em pessoas saudáveis e pacientes com diabetes10, observou ela. “Mas é realmente pouco explorado em pessoas com doenças cardiovasculares8 estabelecidas”.

Com base em descobertas reconhecidamente “muito preliminares”, pode ser que alguns pacientes não devam encurtar o tempo diário para comer ou praticar jejum intermitente2, disse Billingsley. Provavelmente vale a pena considerar, antes de a abordagem ser recomendada, “qual é o risco de desnutrição14 ou sarcopenia”.

O presente estudo incluiu 991 pessoas que entraram no banco de dados NHANES de 2003 a 2018. Os pacientes se identificaram como tendo IC, relataram tomar medicamentos comumente prescritos para IC e forneceram pelo menos dois recordatórios alimentares “confiáveis”.

A idade média dos pacientes foi de 68 anos e eles apresentavam IC há, em média, 9,5 anos; 47% eram mulheres, três quartos eram brancos, dois terços tinham dislipidemia e um quarto tinha histórico de câncer9.

Em média, a primeira refeição do dia era por volta das 8h30, e a última, por volta das 19h30, num intervalo de tempo de cerca de 11 horas; o consumo diário de calorias11 foi em média de 1.830 kcal.4

Cerca de 52% dos participantes morreram durante o seguimento médio de 69 meses; cerca de 44% das mortes foram por causas cardiovasculares.

Em um modelo ajustado para dados demográficos, IMC7, tabagismo, horários das ocasiões de alimentação, doença cardiovascular, diabetes10 e histórico de câncer9, a taxa de risco (HR) de mortalidade5 por todas as causas para janelas de tempo ≥11 horas vs <11 horas foi de 0,236 (IC 95%, 0,078-0,715; P = 0,011).

A redução não foi mais significativa após ajustes adicionais para a duração da IC, uma pontuação que reflete a dificuldade de caminhar, as horas noturnas de sono (que eram em média 7,2 horas), o número diário de ocasiões de alimentação e a ingestão calórica, relatou Billingsley.

Mas na análise totalmente ajustada, a HR para mortalidade5 CV no intervalo de tempo mais longo vs. mais curto foi de 0,368 (IC 95%, 0,169-0,803; P = 0,013).

A questão merece uma exploração mais aprofundada num ensaio randomizado15, propôs Billingsley, talvez um em que pacientes com IC usem acelerômetros para monitorar os níveis de atividade diária. “Adoraríamos fazer um estudo piloto sobre estender a janela de alimentação que realmente investigasse qual poderia ser o mecanismo de qualquer benefício se atribuirmos a eles uma janela de tempo mais longa e se isso está relacionado à atividade física”.

Leia sobre "Dieta do jejum – como é" e "Sete passos para um coração16 saudável".

 

Fonte: Medscape, notícia publicada em 09 de outubro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Distribuir melhor as refeições e lanches ao longo do dia pode aumentar a sobrevivência à insuficiência cardíaca. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/1460805/distribuir-melhor-as-refeicoes-e-lanches-ao-longo-do-dia-pode-aumentar-a-sobrevivencia-a-insuficiencia-cardiaca.htm>. Acesso em: 28 fev. 2024.

Complementos

1 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
2 Intermitente: Nos quais ou em que ocorrem interrupções; que cessa e recomeça por intervalos; intervalado, descontínuo. Em medicina, diz-se de episódios de febre alta que se alternam com intervalos de temperatura normal ou cujas pulsações têm intervalos desiguais entre si.
3 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
4 Kcal.: Quilocalorias. Equivale à energia contida nos alimentos.
5 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
6 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
7 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
8 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
9 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
10 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
11 Calorias: Dizemos que um alimento tem “x“ calorias, para nos referirmos à quantidade de energia que ele pode fornecer ao organismo, ou seja, à energia que será utilizada para o corpo realizar suas funções de respiração, digestão, prática de atividades físicas, etc.
12 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
13 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
14 Desnutrição: Estado carencial produzido por ingestão insuficiente de calorias, proteínas ou ambos. Manifesta-se por distúrbios do desenvolvimento (na infância), atrofia de tecidos músculo-esqueléticos e caquexia.
15 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
16 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
Gostou do artigo? Compartilhe!