Gostou do artigo? Compartilhe!

Bomba cardíaca implantável pode permitir que crianças esperem por transplantes em casa

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Quando crianças com insuficiência cardíaca1 aguardam transplantes, normalmente permanecem no hospital durante meses ou anos, presas a um volumoso dispositivo de bombeamento de sangue2. Mas uma bomba cardíaca implantável poderia permitir-lhes esperar em casa.

Agora, em um estudo publicado no Journal of Heart and Lung Transplantation, pesquisadores descrevem os resultados de uma bomba cardíaca implantável que poderia ajudar crianças com insuficiência cardíaca1 que aguardam transplantes a renunciar aos dispositivos volumosos que exigem longas internações hospitalares.

Reguladores dos EUA e da Europa já aprovaram um dispositivo, o Berlin Heart, para utilização a longo prazo em crianças mais novas que aguardam um transplante de coração3. Mas esta ferramenta que salva vidas tem limitações, diz Christopher Almond, da Universidade de Stanford, na Califórnia. Ela se liga ao coração3 por meio de dois grandes tubos, dificultando os movimentos das crianças. O Berlin Heart também exige que as crianças permaneçam no hospital para que possam ser monitoradas quanto a riscos como acidente vascular cerebral4 e infecção5.

Saiba mais sobre "Transplante cardíaco", "Insuficiência cardíaca congestiva6" e "Cardiopatias congênitas7".

Almond e seus colegas testaram um dispositivo mais recente, o Jarvik 2015, em sete crianças com insuficiência cardíaca1 entre 7 meses e 7 anos de idade. Ele pode ser implantado no coração3 e conectado a uma bateria externa usada na cintura. O dispositivo funciona bombeando o sangue2 do ventrículo esquerdo do coração3 para o vaso principal que envia o sangue2 por todo o corpo.

Os pesquisadores implantaram a bomba durante uma cirurgia aberta de coração3, monitorando posteriormente as crianças no hospital. Em média, as crianças usaram o dispositivo durante 115 dias. Todas as sete sobreviveram e cinco receberam transplantes de coração3. Das outras duas, uma se recuperou espontaneamente enquanto a outra mudou para um dispositivo que também suporta a função do ventrículo direito após a falha do lado direito do coração3, sem relação com o Jarvik 2015. Uma criança sofreu um acidente vascular cerebral4 grave, um risco conhecido de dispositivos de assistência cardíaca.

A maioria das crianças não sentiu nenhuma dor com o dispositivo e conseguiram realizar a maioria das atividades. “Com menos material fora do corpo e sem estar presa a uma bomba grande, a criança consegue ser um pouco mais livre e movimentar-se”, diz Almond.

Ensaios maiores devem investigar se a bomba poderia permitir que as crianças esperassem por um transplante em casa, diz Almond. As crianças nos EUA normalmente esperam de 3 a 12 meses por um transplante, enquanto as da Europa podem esperar até 2 anos.

“O Berlin Heart é muito bem-sucedido, conectando pacientes ao transplante, e nos tornamos bastante especialistas em seu uso”, diz Elizabeth Blume, do Hospital Infantil de Boston. “Mas esperamos que os novos dispositivos permitam que as crianças recebam alta para casa, como os adultos.”

No artigo publicado, os pesquisadores descrevem um estudo prospectivo8 de viabilidade multicêntrico de um dispositivo miniaturizado implantável de assistência ventricular de fluxo contínuo em crianças menores com insuficiência cardíaca1.

Eles relatam que não existe dispositivo de assistência ventricular esquerda (DAVE) aprovado pela FDA para crianças menores que permita alta hospitalar de rotina. As crianças menores apoiadas por DAVE normalmente permanecem hospitalizadas durante meses à espera de um transplante cardíaco – um grande fardo para as famílias e um desafio para os hospitais.

Este artigo descreve os resultados iniciais do Jarvik 2015, um DAVE de fluxo contínuo implantável miniaturizado, no estudo Pumps for Kids, Infants, and Neonates (PumpKIN).

Crianças pesando entre 8 e 30 kg com insuficiência cardíaca1 sistólica grave e falhando na terapia médica ideal foram recrutadas em 7 centros nos Estados Unidos. Foram excluídos pacientes com insuficiência cardíaca1 direita grave e cardiopatia congênita9 de ventrículo único. O desfecho primário de viabilidade foi a sobrevivência10 até 30 dias sem acidente vascular cerebral4 grave ou falha não operacional do dispositivo.

Das 7 crianças implantadas, a idade mediana foi de 2,2 (variação 0,7, 7,1) anos, peso mediano de 10 (8,2 a 20,7) quilogramas; 86% tinham cardiomiopatia dilatada; 29% eram do perfil INTERMACS 1. A duração média do suporte com o Jarvik 2015 foi de 149 (variação de 5 a 188) dias, onde todas as 7 crianças sobreviveram, incluindo 5 para transplante cardíaco, 1 para recuperação e 1 para conversão para um dispositivo paracorpóreo.

Um paciente apresentou acidente vascular cerebral4 isquêmico11 no dia 53 de suporte do dispositivo no contexto de recuperação miocárdica. Um paciente necessitou de suporte de ECMO para arritmias12 ventriculares intratáveis e acabou sendo transplantado após o suporte com DAV biventricular paracorpóreo.

A velocidade média da bomba foi de 1.600 RPM com potência variando de 1–4 Watts. A mediana da hemoglobina13 livre no plasma14 foi de 19, 30, 19 e 30 mg/dL15 aos 7, 30, 90 e 180 dias ou momento do explante, respectivamente.

Todos os pacientes atingiram o desfecho primário de viabilidade. Os resultados relatados pelos pacientes com o dispositivo foram favoráveis no que diz respeito à participação em uma ampla gama de atividades. Devido a questões financeiras com o fabricante, o estudo foi suspenso após consentimento do oitavo paciente.

O DAVE Jarvik 2015 parece ser uma promessa importante como um dispositivo implantável de fluxo contínuo para crianças menores que pode apoiar a alta hospitalar. A FDA aprovou o dispositivo para prosseguir para um ensaio pivotal com 22 participantes. Ainda não está claro se este dispositivo sobreviverá à comercialização devido aos desafios financeiros enfrentados pela indústria que procura desenvolver dispositivos médicos pediátricos.

Leia sobre "Transplante de órgãos" e "Cardiomiopatias".

 

Fontes:
The Journal of Heart and Lung Transplantation, Vol. 43, Nº 6, em maio de 2024.
New Scientist, notícia publicada em 07 de maio de 2024.

 

NEWS.MED.BR, 2024. Bomba cardíaca implantável pode permitir que crianças esperem por transplantes em casa. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1469452/bomba-cardiaca-implantavel-pode-permitir-que-criancas-esperem-por-transplantes-em-casa.htm>. Acesso em: 28 mai. 2024.

Complementos

1 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
2 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
3 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
4 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
5 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
6 Insuficiência Cardíaca Congestiva: É uma incapacidade do coração para efetuar as suas funções de forma adequada como conseqüência de enfermidades do próprio coração ou de outros órgãos. O músculo cardíaco vai diminuindo sua força para bombear o sangue para todo o organismo.
7 Congênitas: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
8 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
9 Congênita: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
10 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
11 Isquêmico: Relativo à ou provocado pela isquemia, que é a diminuição ou suspensão da irrigação sanguínea, numa parte do organismo, ocasionada por obstrução arterial ou por vasoconstrição.
12 Arritmias: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
13 Hemoglobina: Proteína encarregada de transportar o oxigênio desde os pulmões até os tecidos do corpo. Encontra-se em altas concentrações nos glóbulos vermelhos.
14 Plasma: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).
15 Mg/dL: Miligramas por decilitro, unidade de medida que mostra a concentração de uma substância em uma quantidade específica de fluido.
Gostou do artigo? Compartilhe!