Gostou do artigo? Compartilhe!

Fígados transplantados podem continuar funcionando por um total de mais de 100 anos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Fígados transplantados de doadores mais velhos podem durar um século no total e, às vezes, sobreviver mais tempo que os de pessoas mais jovens, mostrou um novo estudo apresentado no Scientific Forum of the American College of Surgeons (ACS) Clinical Congress 2022.

Os transplantes de fígado1 de doadores mais velhos duraram até 108 anos e sobreviveram mais do que os de doadores mais jovens, levantando questões sobre se os fígados jovens realmente deveriam ser preferidos.

O transplante de fígados de doadores mais velhos após a morte geralmente é evitado porque os fígados tendem a acumular mais cicatrizes2 ao longo do tempo, causadas por fatores como consumo de álcool, obesidade3 e infecções4 virais.

Agora, os pesquisadores forneceram evidências de que transplantes de doadores mais velhos podem funcionar muito bem.

Saiba mais sobre "Como é o transplante de fígado1" e "Doação de órgãos: o que é".

Os pesquisadores usaram o STARfile da United Network for Organ Sharing (UNOS) para identificar fígados que tinham uma idade cumulativa (idade inicial total no transplante mais sobrevivência5 pós-transplante) de pelo menos 100 anos. Dos 253.406 fígados transplantados entre 1990-2022, 25 fígados preencheram os critérios de serem fígados centenários – aqueles com idade cumulativa superior a 100 anos. Quatorze deles ainda estavam em seu receptor, e o fígado1 mais velho que os pesquisadores encontraram tinha 108 anos.

“Analisamos a sobrevivência5 pré-transplante – essencialmente, a idade do doador – bem como quanto tempo o fígado1 sobreviveu no receptor”, disse o principal autor do estudo, Yash Kadakia, estudante de medicina da UT Southwestern Medical School. “Estratificamos esses fígados notáveis com sobrevida6 de mais de 100 anos e identificamos fatores dos doadores, fatores dos receptores e fatores do transplante envolvidos na criação dessa combinação única em que o fígado1 conseguiu viver até 100 anos”.

Para esses fígados centenários, a idade média dos doadores foi significativamente maior, 84,7 anos em comparação com 38,5 anos para transplantes de fígados não centenários. Os pesquisadores observaram que, para um fígado1 chegar a 100, eles esperavam encontrar uma idade média do doador mais velha, bem como doadores mais saudáveis. Notavelmente, os doadores do grupo de fígados centenários tiveram menor incidência7 de diabetes8 e menos infecções4 do doador.

“Anteriormente, tendíamos a evitar o uso de fígados de doadores mais velhos”, disse a co-autora do estudo, Christine S. Hwang, MD, professora associada de cirurgia do UT Southwestern Medical Center. “Se pudermos descobrir o que é especial entre esses doadores, poderemos obter mais fígados disponíveis para transplante e ter bons resultados”.

Existiam 11.113 pacientes na lista de espera para transplante de fígado1 nos Estados Unidos em 22 de setembro de 2022. Como observou a Dra. Hwang, usar doadores de fígado1 mais velhos com mais frequência poderia expandir o conjunto de doadores de fígado1.

Doadores do grupo de fígados centenários apresentaram transaminases mais baixas, que são enzimas que desempenham um papel fundamental no fígado1. Transaminases elevadas podem causar problemas no transplante de fígado1. Além disso, os receptores de fígados centenários tiveram pontuações MELD significativamente mais baixas (17 para o grupo de centenários, 22 para o grupo de não centenários). Uma pontuação MELD mais alta indica que um paciente precisa mais urgentemente de um transplante.

“Os doadores foram otimizados, os destinatários foram otimizados e é preciso essa interseção única de fatores para se obter um resultado realmente bom”, disse Kadakia.

Os pesquisadores descobriram que nenhum transplante no grupo de fígados centenários foi perdido por não funcionamento primário ou complicações vasculares9 ou biliares. Notavelmente, não houve diferença significativa nas taxas de rejeição em 12 meses entre o grupo centenário e o grupo não centenário. Além disso, os resultados para o grupo centenário tiveram significativamente melhor sobrevida6 do órgão transplantado e do paciente.

“A existência de órgãos transplantados com mais de 100 anos é reveladora da dramática resiliência do fígado1 a eventos senescentes”, concluíram os autores do estudo.

“Os fígados são órgãos incrivelmente resistentes”, disse Kadakia. “Estamos usando doadores mais velhos, temos melhores técnicas cirúrgicas, temos avanços na imunossupressão10 e temos uma melhor correspondência de fatores do doador e receptor. Todas essas coisas nos permitem ter melhores resultados.”

Leia sobre "Transplante de órgãos" e "Exames do fígado1 ou Provas de função hepática11".

 

Fontes:
American College of Surgeons, publicação em 16 de outubro de 2022.
New Scientist, notícia publicada em 16 de outubro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Fígados transplantados podem continuar funcionando por um total de mais de 100 anos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/1428220/figados-transplantados-podem-continuar-funcionando-por-um-total-de-mais-de-100-anos.htm>. Acesso em: 27 jan. 2023.

Complementos

1 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
2 Cicatrizes: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.
3 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
4 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
5 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
6 Sobrevida: Prolongamento da vida além de certo limite; prolongamento da existência além da morte, vida futura.
7 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
8 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
9 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
10 Imunossupressão: Supressão das reações imunitárias do organismo, induzida por medicamentos (corticosteroides, ciclosporina A, etc.) ou agentes imunoterápicos (anticorpos monoclonais, por exemplo); que é utilizada em alergias, doenças autoimunes, etc. A imunossupressão é impropriamente tomada por alguns como sinônimo de imunodepressão.
11 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
Gostou do artigo? Compartilhe!