Gostou do artigo? Compartilhe!

COVID-19: o público deve usar máscaras?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Sim - os benefícios para a população são plausíveis e os danos improváveis

Quando a COVID-19 se tornou uma emergência1 de saúde2 global, havia um contraste visível entre as respostas dos cidadãos no leste da Ásia e no resto do mundo. No leste da Ásia, o uso de máscaras era onipresente e, às vezes, exigido pelos governos. Na Europa e na América do Norte, os cidadãos preocupados foram informados repetidamente de que máscaras não eram recomendadas para uso geral.

Agora, um número crescente de agências e governos, incluindo a República Tcheca e os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, defende que a população em geral use máscaras, mas outros, como a Organização Mundial da Saúde2 e a Saúde2 Pública da Inglaterra, não.

Em um artigo, Greenhalgh e colegas argumentam em apoio ao público usando máscaras com base no “princípio da precaução”. Então, qual é a evidência? E quais podem ser as desvantagens?

Leia sobre "Coronavírus, "Mapeando o SARS-CoV-2" e "Testes da COVID-19".

Dinâmica de transmissão do SARS-CoV-2

A transmissão viral máxima do SARS-CoV-2 (a causa da COVID-19) ocorre no início do curso da doença. Os pacientes podem, portanto, ser contagiosos antes de desenvolver sintomas3 ou mesmo antes de saber que estão infectados.

A transmissão do SARS-CoV-2 por indivíduos assintomáticos foi claramente documentada, e modelos matemáticos sugerem que 40-80% dos eventos de transmissão ocorrem em pessoas pré-sintomáticas ou assintomáticas. Espirros e tosse podem não ser necessários; sabemos que os pacientes com influenza4 liberam concentrações substanciais de vírions infecciosos durante a respiração normal. Juntos, esses dados confirmam a ideia de que indivíduos aparentemente bem estejam liberando altas concentrações de SARS-CoV-2 e podem representar um risco substancial para a transmissão subsequente.

Os profissionais de saúde2 geralmente usam máscaras para se proteger de pacientes com infecções5 respiratórias. No nível populacional, o uso de máscaras por indivíduos infectados pode ser mais importante, ajudando a reter gotículas, aerossóis e partículas contagiosas que podem infectar outras pessoas e contaminar superfícies. De fato, as máscaras cirúrgicas reduzem substancialmente as emissões de influenza4 e coronavírus na respiração exalada, e em um experimento controlado as máscaras diminuíram a transmissão da tuberculose6 de humanos para porquinhos-da-índia em 50%.

A maioria dos estudos no mundo real se concentrou na eficácia das máscaras na prevenção da transmissão da gripe7. Apesar de alguns resultados positivos, várias revisões e uma recente metanálise não encontraram proteção significativa do uso tanto de máscaras faciais quanto de higiene das mãos8. Muitos estudos nessas revisões foram insuficientes e a maioria falhou em medir a adesão. Em um estudo randomizado9 em grupo, a adesão ao uso de máscara reduziu significativamente o risco de doença semelhante à influenza4, mas menos da metade dos participantes usava máscaras na maioria das vezes.

É provável que a adesão seja maior durante uma pandemia10 grave, e a modelagem de uma pandemia10 de gripe7 sugeriu que um número substancial de casos ainda possa ser evitado, mesmo que as máscaras sejam apenas 20% eficazes na redução da transmissão. Ensaios controlados de alta qualidade e estudos de modelagem do uso de máscara facial durante a pandemia10 de COVID-19 são urgentemente necessários. No entanto, Greenhalgh e colegas afirmam que uma "ausência de evidência" neste contexto não deve ser mal interpretada como "evidência de ausência".

Em teoria, o uso de máscaras poderia insinuar uma falsa sensação de segurança e reduzir a adesão a outras medidas de higiene respiratória e de distanciamento social. Da mesma forma, pode ocorrer contaminação ao remover máscaras com técnica imperfeita. Na prática, no entanto, não há aconselhamento contra outras intervenções não farmacológicas com níveis semelhantes de evidência, apenas no caso de insinuarem uma falsa sensação de segurança. E, como nas recentes campanhas de lavagem das mãos8, seria possível a educação em massa sobre o uso seguro e a remoção de máscaras. É importante ressaltar que, se uma máscara estiver contaminada na remoção, ela (por definição) já protegeu o usuário de gotículas contagiosas.

Máscaras de pano

Uma preocupação real é a escassez de máscaras faciais de nível médico para os profissionais de saúde2 da linha de frente, para as quais a evidência de eficácia é mais robusta. Para a população em geral, a atenção voltou-se para o uso de máscaras improvisadas ou de tecido11. Poderiam as descobertas de estudos sobre máscaras de nível médico ser extrapoladas para máscaras de pano? Embora faltem evidências de boa qualidade, alguns dados sugerem que as máscaras de pano podem ser apenas marginalmente (15%) menos eficazes do que as máscaras cirúrgicas no bloqueio da emissão de partículas e cinco vezes mais eficazes do que não usar máscaras. Portanto, é provável que as máscaras de pano sejam melhores do que não usar máscara.

Muito permanece desconhecido sobre a utilidade do uso de máscaras no nível populacional no contexto da pandemia10 de COVID-19. O uso de máscaras em ambientes de saúde2 é claramente essencial para proteger os trabalhadores da linha de frente, enquanto as evidências que apoiam as máscaras em ambientes não clínicos são limitadas e de qualidade variável. No entanto, diferentemente das medidas rigorosas de isolamento e distanciamento social, que têm custos sociais e econômicos substanciais, a fabricação em massa e o uso de máscaras de pano são baratos e fáceis, e podem até facilitar a atividade econômica.

Greenhalgh e colegas argumentam que, dada a gravidade da pandemia10 de COVID-19, as evidências indiretas de benefícios combinadas ao baixo risco de danos devem superar a ausência de evidências diretas que apoiem o uso de máscaras pelo público em geral. Ao nos prepararmos para entrar em um "novo normal", usar uma máscara em público pode se tornar o rosto de nossa ação unificada na luta contra essa ameaça comum e reforçar a importância das medidas de distanciamento social.

Veja também sobre "COVID-19 no Brasil", "Endemia, epidemia e pandemia10" e "Como não espalhar germes".

 

Fonte: The BMJ, publicação em 09 de abril de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. COVID-19: o público deve usar máscaras?. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/1365153/covid+19+o+publico+deve+usar+mascaras.htm>. Acesso em: 6 jul. 2020.

Complementos

1 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
2 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
3 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
4 Influenza: Doença infecciosa, aguda, de origem viral que acomete o trato respiratório, ocorrendo em epidemias ou pandemias e frequentemente se complicando pela associação com outras infecções bacterianas.
5 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
6 Tuberculose: Doença infecciosa crônica produzida pelo bacilo de Koch (Mycobacterium tuberculosis). Produz doença pulmonar, podendo disseminar-se para qualquer outro órgão. Os sintomas de tuberculose pulmonar consistem em febre, tosse, expectoração, hemoptise, acompanhada de perda de peso e queda do estado geral. Em países em desenvolvimento (como o Brasil) aconselha-se a vacinação com uma cepa atenuada desta bactéria (vacina BCG).
7 Gripe: Doença viral adquirida através do contágio interpessoal que se caracteriza por faringite, febre, dores musculares generalizadas, náuseas, etc. Sua duração é de aproximadamente cinco a sete dias e tem uma maior incidência nos meses frios. Em geral desaparece naturalmente sem tratamento, apenas com medidas de controle geral (repouso relativo, ingestão de líquidos, etc.). Os antibióticos não funcionam na gripe e não devem ser utilizados de rotina.
8 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
9 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
10 Pandemia: É uma epidemia de doença infecciosa que se espalha por um ou mais continentes ou por todo o mundo, causando inúmeras mortes. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a pandemia pode se iniciar com o aparecimento de uma nova doença na população, quando o agente infecta os humanos, causando doença séria ou quando o agente dissemina facilmente e sustentavelmente entre humanos. Epidemia global.
11 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
Gostou do artigo? Compartilhe!