Gostou do artigo? Compartilhe!

Indústria do açúcar pode ter manipulado resultado de pesquisa sobre doenças coronarianas e o consumo de açúcar, colocando a culpa nas gorduras saturadas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Uma análise histórica de documentos internos da indústria do açúcar1 sugere que a indústria patrocinou um programa de pesquisa, na década de 1960 e 1970, que destacou a gordura2 e o colesterol3 como causas alimentares das doenças cardíacas coronarianas e minimizou a evidência de que o consumo de sacarose também seria um fator de risco4.

Saiba mais sobre "Infarto do Miocárdio5", "Colesterol3" e "Comportamento da glicemia6".

Sinais7 precoces de alerta sobre o risco de doença cardíaca coronariana (DCC) e o consumo de açúcar1 (sacarose) surgiram na década de 1950. Documentos internos da Sugar Research Foundation (SRF) foram examinados no estudo publicado pelo JAMA Internal Medicine, assim como relatórios históricos e declarações relevantes sobre os debates iniciais das causas alimentares das DCC.

A SRF patrocinou o seu primeiro projeto de pesquisa sobre DCC em 1965, uma revisão da literatura, publicada pelo The New England Journal of Medicine, que destacou a gordura2 e o colesterol3 como as causas alimentares das DCC e minimizou a evidência de que o consumo de sacarose também seria um fator de risco4. A SRF definiu o objetivo da avaliação, contribuiu com artigos para a inclusão e recebeu rascunhos.

O financiamento e o papel da SRF não foram divulgados. Juntamente com outras análises recentes de documentos da indústria do açúcar1, os resultados do estudo publicado agora pelo JAMA Internal Medicine sugerem que a indústria patrocinou um programa de pesquisa na década de 1960 e 1970 que com sucesso lançou dúvidas sobre os perigos da sacarose, promovendo a gordura2 e o colesterol3 como os culpados dietéticos das DCC.

Segundo os cientistas, os comitês de formulação de políticas devem considerar dar menos peso para estudos financiados pela indústria de alimentos e devem incluir mais estudos mecanicistas e com animais, bem como estudos avaliando o efeito da adição de açúcares nos vários biomarcadores coronarianos e no desenvolvimento da doença cardíaca.

Leia também:

 

Fonte: JAMA Internal Medicine, publicação online de 12 de setembro de 2016

 

NEWS.MED.BR, 2016. Indústria do açúcar pode ter manipulado resultado de pesquisa sobre doenças coronarianas e o consumo de açúcar, colocando a culpa nas gorduras saturadas. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/1275808/industria-do-acucar-pode-ter-manipulado-resultado-de-pesquisa-sobre-doencas-coronarianas-e-o-consumo-de-acucar-colocando-a-culpa-nas-gorduras-saturadas.htm>. Acesso em: 21 mar. 2019.

Complementos

1 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
2 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
3 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
4 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
5 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
6 Glicemia: Valor de concentração da glicose do sangue. Seus valores normais oscilam entre 70 e 110 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl).
7 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
8 Doença coronariana: Doença do coração causada por estreitamento das artérias que fornecem sangue ao coração. Se o fluxo é cortado, o resultado é um ataque cardíaco.
Gostou do artigo? Compartilhe!