Gostou do artigo? Compartilhe!

Aspirina para a prevenção primária de doenças cardiovasculares e câncer colorretal: atualizações da U.S. Preventive Services Task Force (USPSTF)

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A atualização das recomendações da U.S. Preventive Services Task Force (USPSTF) de 2009 sobre o uso de aspirina para prevenir eventos de doença cardiovascular (DCV) e de 2007 sobre uso de aspirina e anti-inflamatórios não esteroides para prevenir o câncer1 colorretal (CCR) foi publicada pelo Annals of Internal Medicine.

A USPSTF avaliou cinco estudos adicionais do uso de aspirina na prevenção primária de doenças cardiovasculares2 e várias análises adicionais sobre o uso de aspirina para prevenir o CCR. A USPSTF também contou com revisões sistemáticas encomendadas de todas as causas de mortalidade3, incidência4 total de câncer1, mortalidade3 e uma revisão abrangente dos danos. Em seguida, usou um modelo de microssimulação para estimar sistematicamente o equilíbrio entre os benefícios e os malefícios.

Esta recomendação aplica-se a adultos com 40 anos ou mais de idade, sem doença cardiovascular conhecida e sem aumento do risco de sangramento.

A USPSTF recomenda iniciar o uso de dose baixa de aspirina para a prevenção primária de doenças cardiovasculares2 e CCR em adultos com idades entre 50 a 59 anos que têm risco de DCV em 10 anos de 10% ou mais, não estão em maior risco de sangramento, têm uma expectativa de vida5 de pelo menos 10 anos e estão dispostos a tomar uma dose baixa de aspirina por dia durante pelo menos 10 anos.

A decisão de iniciar o uso de aspirina em baixa dose para a prevenção primária de doenças cardiovasculares2 e CCR em adultos com idades entre 60 a 69 anos que têm risco de DCV em 10 anos de 10% ou mais deve ser individualizada. As pessoas que não estão em risco aumentado de hemorragia6, têm uma expectativa de vida5 de pelo menos 10 anos e estão dispostas a tomar uma dose baixa de aspirina diariamente durante pelo menos 10 anos são mais propensas a se beneficiar. Pessoas que colocam um valor mais elevado sobre os benefícios potenciais do que sobre os danos potenciais podem optar por iniciar uma dose baixa de aspirina.

As evidências atuais são insuficientes para avaliar o equilíbrio entre benefícios e malefícios de iniciar o uso de aspirina para a prevenção primária de doenças cardiovasculares2 e CCR em adultos com menos de 50 anos e em adultos com 70 anos ou mais.

 

Fonte: Annals of Internal Medicine, publicação online de 12 de abril de 2016

NEWS.MED.BR, 2016. Aspirina para a prevenção primária de doenças cardiovasculares e câncer colorretal: atualizações da U.S. Preventive Services Task Force (USPSTF). Disponível em: <https://www.news.med.br/p/pharma-news/826979/aspirina-para-a-prevencao-primaria-de-doencas-cardiovasculares-e-cancer-colorretal-atualizacoes-da-u-s-preventive-services-task-force-uspstf.htm>. Acesso em: 18 out. 2019.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
3 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
4 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
5 Expectativa de vida: A expectativa de vida ao nascer é o número de anos que se calcula que um recém-nascido pode viver caso as taxas de mortalidade registradas da população residente, no ano de seu nascimento, permaneçam as mesmas ao longo de sua vida.
6 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
Gostou do artigo? Compartilhe!