Gostou do artigo? Compartilhe!

Aspirina em baixas doses diárias pode reduzir a incidência de diabetes tipo 2 em idosos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A inflamação1 tem sido implicada na patogênese2 do diabetes3. Este estudo, publicado no The Lancet Diabetes3 & Endocrinology, investigou o efeito do tratamento randomizado4 de aspirina em baixas doses no diabetes tipo 25 incidente6 e nas concentrações de glicose7 plasmática em jejum (GPJ) entre idosos.

ASPREE foi um ensaio duplo-cego, controlado por placebo8, de aspirina oral diária em baixas doses. A população do estudo incluiu indivíduos residentes na comunidade com 70 anos ou mais (≥65 anos para grupos étnicos minoritários dos EUA) nos EUA e na Austrália que estavam livres de doenças cardiovasculares9, deficiência física limitante da independência ou demência10. Para a análise post-hoc, foram excluídos participantes com diabetes3 no início do estudo ou com dados incompletos ou ausentes de diabetes3 incidente6 durante o acompanhamento.

Os participantes foram distribuídos aleatoriamente na proporção de 1:1 para receber 100 mg diários de aspirina com revestimento entérico por via oral ou placebo8. O diabetes3 incidente6 foi definido como diabetes3 autorrelatado, início de medicação para redução da glicose7 ou uma concentração de GPJ de 7,0 mmol/L11 ou mais avaliada em consultas anuais de acompanhamento entre participantes sem diabetes3 no início do estudo.

Utilizou-se modelos de riscos proporcionais de Cox e medidas repetidas de modelo misto para avaliar o efeito da aspirina no diabetes3 incidente6 e nas concentrações de GPJ na população com intenção de tratar. Avaliou-se sangramento maior em participantes que tomaram pelo menos uma dose da medicação do estudo.

Entre 10 de março de 2010 e 24 de dezembro de 2014, um total de 16.209 participantes foram incluídos (8.086 [49,9%] designados aleatoriamente para aspirina e 8.123 [50,1%] designados aleatoriamente para placebo8). Durante um acompanhamento médio de 4,7 anos (IQR 3,6-5,7), foram registrados 995 (em 6,1% dos indivíduos) casos incidentes12 de diabetes tipo 25 (459 no grupo aspirina e 536 no grupo placebo8).

Leia sobre "Diabetes tipo 25", "O que é inflamação1" e "Como medir a glicose7 no sangue13".

Em comparação com o placebo8, o grupo da aspirina teve uma redução de 15% no risco de diabetes3 incidente6 (taxa de risco 0,85 [IC 95% 0,75 a 0,97]; p = 0,013) e uma taxa mais lenta de aumento da concentração de GPJ no ano 5 (estimativa de diferença entre grupos -0,048 mmol/L11 [IC 95% -0,079 a -0,018]; p = 0,0017).

Sangramento maior (sangramento gastrointestinal maior, sangramento intracraniano e sangramento clinicamente significativo em outros locais) ocorreu em 510 (3,2%) de 16.104 participantes (300 [3,7%] no grupo de aspirina e 210 [2,6%] no grupo placebo8). Em comparação com o placebo8, o grupo da aspirina teve um aumento de 44% no risco de sangramento maior (taxa de risco 1,44 [IC 95% 1,21 a 1,72]; p <0,0001).

O estudo concluiu que o tratamento com aspirina reduziu a incidência14 de diabetes tipo 25 e retardou o aumento na concentração de glicose7 plasmática em jejum, mas aumentou o sangramento maior entre os idosos residentes na comunidade.

Dada a crescente prevalência15 de diabetes tipo 25 entre idosos, o potencial dos agentes anti-inflamatórios, como a aspirina, para prevenir o diabetes tipo 25 ou melhorar os níveis de glicose7 justifica um estudo mais aprofundado com uma avaliação abrangente de todos os potenciais eventos de segurança de interesse.

 

Fonte: The Lancet Diabetes3 & Endocrinology, Vol. 12, Nº 2, em fevereiro de 2024.

 

NEWS.MED.BR, 2024. Aspirina em baixas doses diárias pode reduzir a incidência de diabetes tipo 2 em idosos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1465052/aspirina-em-baixas-doses-diarias-pode-reduzir-a-incidencia-de-diabetes-tipo-2-em-idosos.htm>. Acesso em: 28 fev. 2024.

Complementos

1 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
2 Patogênese: Modo de origem ou de evolução de qualquer processo mórbido; nosogenia, patogênese, patogenesia.
3 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
4 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
5 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
6 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
7 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
8 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
9 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
10 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
11 Mmol/L: Milimols por litro, unidade de medida que mostra a concentração de uma substância em uma quantidade específica de fluido.
12 Incidentes: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
13 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
14 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
15 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
Gostou do artigo? Compartilhe!