Gostou do artigo? Compartilhe!

FDA investiga "risco sério" de malignidade após terapia com células CAR-T

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um tratamento contra o câncer1 que salva vidas pode, por si só, causar câncer1, informou a Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos em um comunicado.

O tratamento, denominado CAR-T, foi aprovado pela primeira vez em novembro de 2017 para cânceres do sangue2 potencialmente fatais. Mas a FDA afirmou que recebeu 19 relatos de novos tipos de câncer1 no sangue2 em pacientes que receberam o tratamento.

Dessa forma, a agência lançou uma investigação sobre o que chamou de “risco sério” de malignidades de células3 T em pacientes tratados com terapias de células3 T com receptor de antígeno4 quimérico autólogo (CAR) visando o antígeno4 de maturação de células3 B (BCMA) ou CD19.

Saiba mais sobre "Sistema imunológico5" e "Imunoterapia".

Os relatos de malignidades de células3 T recebidos pela FDA, incluindo linfomas CAR-positivos, vieram de ensaios clínicos6 e fontes de dados de eventos adversos pós-comercialização. Os resultados graves dessas malignidades secundárias incluíram hospitalização e morte.

O comunicado da FDA e a investigação referem-se a todos os produtos de células3 CAR-T direcionados a BCMA e CD19 atualmente aprovados:

  • Abecma (idecabtagene vicleucel)
  • Breyanzi (lisocabtagene maraleucel)
  • Carvykti (ciltacabtagene autoleucel)
  • Kymriah (tisagenlecleucel)
  • Tecartus (brexucabtagene autoleucel)
  • Yescarta (axicabtagene ciloleucel)

A FDA afirma que, embora os benefícios globais destes produtos continuem a superar os riscos potenciais para as suas utilizações aprovadas, a FDA está investigando o risco identificado de malignidade das células3 T com resultados graves, incluindo hospitalização e morte, e está avaliando a necessidade de medidas regulamentares.

Tal como acontece com todos os produtos de terapia genética com vetores de integração (vetores lentivirais ou retrovirais), o risco potencial de desenvolvimento de malignidades secundárias é rotulado como um aviso de classe nas informações de prescrição dos EUA para imunoterapias com células3 T autólogas geneticamente modificadas direcionadas a BCMA e a CD19.

As aprovações iniciais desses produtos incluíram requisitos pós-comercialização para conduzir estudos observacionais de segurança de acompanhamento de longo prazo de 15 anos para avaliar a segurança a longo prazo e o risco de ocorrência de malignidades secundárias após o tratamento.

Os pacientes e participantes de ensaios clínicos6 que recebem tratamento com estes produtos devem ser monitorados ao longo da vida quanto a novas doenças malignas. No caso de ocorrer uma nova malignidade após o tratamento com estes produtos, a FDA informa que deve-se entrar em contato com o fabricante para relatar o evento e obter instruções sobre a coleta de amostras de pacientes para testar a presença do transgene do receptor de antígeno4 quimérico (CAR).

Um pesquisador principal em ensaios de terapias com células3 CAR-T disse que não tem conhecimento de quaisquer relatórios revisados por pares sobre malignidades de células3 T associadas às terapias aprovadas.

“Dito isto, não está fora de questão que um ou dois em cada 10.000 pacientes possam desenvolver linfoma7 de células3 T”, disse Frederick Locke, MD, do Moffitt Cancer1 Center em Tampa, Flórida, em entrevista ao site MedPage Today. “Sabemos que o gene do CAR, em pelo menos um caso, mediou a ruptura do gene TET2, o que aumentou a proliferação clonal e a eficácia da terapia CAR-T para a leucemia8”.

“Além disso, vários pacientes desenvolveram anteriormente linfoma7 de células3 T CAR-positivo após receberem um CAR experimental que utilizava tecnologia de transposon, que não é usada com células3 CAR-T aprovadas pela FDA”, acrescentou. “Finalmente, sabemos que a imunoterapia contra o câncer1, como o bloqueio de checkpoint para tumores sólidos, que não depende de terapia genética, pode muito raramente resultar em linfomas de células3 T”.

Locke disse que espera saber mais sobre se os pacientes “realmente desenvolveram linfoma7 de células3 T CAR-positivo” após o tratamento com as terapias aprovadas e, em caso afirmativo, quantos. Ele ecoou a posição da FDA de que os benefícios das terapias superam os riscos, conforme refletido na experiência clínica envolvendo milhares de pacientes.

“Acredito firmemente que estas terapias oferecem um valor tremendo aos pacientes, curando aqueles que não têm outras opções de tratamento viáveis e melhorando a sobrevivência9 no caso do linfoma”, observou ele.

Leia sobre "Câncer1 - informações importantes", "Leucemias" e "Linfoma7".

 

Fontes:
Food and Drug Administration, comunicado publicado em 28 de novembro de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 29 de novembro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. FDA investiga "risco sério" de malignidade após terapia com células CAR-T. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/pharma-news/1462487/fda-investiga-quot-risco-serio-quot-de-malignidade-apos-terapia-com-celulas-car-t.htm>. Acesso em: 14 jun. 2024.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
3 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
4 Antígeno: 1. Partícula ou molécula capaz de deflagrar a produção de anticorpo específico. 2. Substância que, introduzida no organismo, provoca a formação de anticorpo.
5 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
6 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
7 Linfoma: Doença maligna que se caracteriza pela proliferação descontrolada de linfócitos ou seus precursores. A pessoa com linfoma pode apresentar um aumento de tamanho dos gânglios linfáticos, do baço, do fígado e desenvolver febre, perda de peso e debilidade geral.
8 Leucemia: Doença maligna caracterizada pela proliferação anormal de elementos celulares que originam os glóbulos brancos (leucócitos). Como resultado, produz-se a substituição do tecido normal por células cancerosas, com conseqüente diminuição da capacidade imunológica, anemia, distúrbios da função plaquetária, etc.
9 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
Gostou do artigo? Compartilhe!