Gostou do artigo? Compartilhe!

Primeiro paciente em ensaio clínico de fase 1 recebe vírus oncolítico experimental contra tumores sólidos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um vírus1 experimental que mata o câncer2 foi administrado a um paciente humano pela primeira vez, com a esperança de que o teste revele evidências de um novo meio de combater com sucesso os tumores cancerígenos nos corpos das pessoas.

A Imugene Limited, uma empresa de imuno-oncologia de estágio clínico, e a City of Hope, uma das maiores organizações de pesquisa e tratamento do câncer2 nos Estados Unidos, anunciaram que o primeiro paciente foi dosado em um ensaio clínico de Fase 1 avaliando a segurança do novo vírus1 capaz de matar o câncer2 CF33-hNIS (Vaxinia) quando usado em pessoas com tumores sólidos avançados. O vírus1 oncolítico desenvolvido pela City of Hope demonstrou reduzir tumores de câncer2 de cólon3, pulmão4, mama5, ovário6 e pâncreas7 em modelos pré-clínicos de laboratório e de animais.

O candidato a medicamento é o que se chama vírus1 oncolítico, um vírus1 geneticamente modificado projetado para infectar e matar seletivamente células8 cancerígenas, poupando as saudáveis.

No caso do CF33-hNIS, o vírus1 da varíola modificado funciona entrando nas células8 e se duplicando. Eventualmente, a célula9 infectada se rompe, liberando milhares de novas partículas virais que atuam como antígenos10, estimulando o sistema imunológico11 a atacar as células8 cancerígenas próximas.

“Nossa pesquisa anterior demonstrou que os vírus1 oncolíticos podem estimular o sistema imunológico11 a responder e matar o câncer2, bem como estimular o sistema imunológico11 a ser mais responsivo a outras imunoterapias, incluindo inibidores de checkpoints”, disse Daneng Li, MD, investigador principal e professor assistente do Departamento de Oncologia Médica e Pesquisa Terapêutica12 da City of Hope. “Agora é a hora de aumentar ainda mais o poder da imunoterapia, e acreditamos que o CF33-hNIS tem o potencial de melhorar os resultados de nossos pacientes em sua batalha contra o câncer”.

Leia sobre "Câncer2 - informações importantes" e "É possível acabar com o câncer2?"

A terapia com vírus1 oncolíticos é possível quando os vírus1 encontrados na natureza são geneticamente modificados para infectar, replicar e matar células8 cancerígenas, poupando células8 saudáveis. Embora os inibidores do checkpoint imunológico tenham sido eficazes em certos tipos de câncer2, os pacientes geralmente recaem e, eventualmente, param de responder ou desenvolvem resistência a esse tipo de tratamento. Pesquisas iniciais mostram que os vírus1 oncolíticos podem estimular o sistema imunológico11 de uma pessoa e aumentar o nível de PD-L1 em tumores, tornando a imunoterapia mais eficaz contra o câncer2.

O estudo multicêntrico de Fase 1 começará fornecendo uma dose baixa de CF33-hNIS a pacientes com câncer2 com tumores sólidos metastáticos ou avançados que tiveram pelo menos duas linhas anteriores de tratamento padrão. O tratamento experimental será administrado como uma injeção13 diretamente nos tumores ou por via intravenosa.

Uma vez que os pacientes do grupo de terapia única tenham sido tratados com as doses mais baixas de CF33-hNIS e a segurança aceitável tenha sido demonstrada, alguns novos participantes do estudo receberão o vírus1 oncolítico experimental em combinação com a imunoterapia com pembrolizumab, um anticorpo14 projetado que melhora a capacidade do sistema imunológico11 de combater células8 cancerígenas. O estudo visa recrutar 100 pacientes em aproximadamente 10 locais de estudo nos Estados Unidos e na Austrália.

A City of Hope licenciou com exclusividade os direitos de patente cobrindo o CF33 para a Imugene Limited, uma empresa que desenvolve novas terapias que ativam o sistema imunológico11 contra o câncer2. A Imugene deu ao CF33-hNIS o nome de Vaxinia.

“Curiosamente, as mesmas características que eventualmente tornam as células8 cancerígenas resistentes à quimioterapia15 ou tratamento de radiação realmente aumentam o sucesso de vírus1 oncolíticos, como o CF33-hNIS”, disse Yuman Fong, MD, presidente de oncologia cirúrgica da City of Hope e o principal desenvolvedor do vírus1 geneticamente modificado. “Esperamos aproveitar a promessa de virologia e imunoterapia para o tratamento de uma ampla variedade de cânceres mortais”.

O ensaio clínico é intitulado “Um Estudo de Segurança e Tolerabilidade, de Escalonamento de Dose, de Fase 1, do VAXINIA (CF33-hNIS), Administrado por Via Intratumoral ou Intravenosa como Monoterapia ou em Combinação com Pembrolizumab em Pacientes Adultos com Tumores Sólidos Metastáticos ou Avançados (MAST)”. O ensaio clínico está previsto para durar aproximadamente 24 meses e é financiado a partir de orçamentos e recursos existentes.

O componente dos EUA do estudo de Fase 1 é conduzido sob o processo de novo medicamento experimental (investigational new drug [IND]) da Food and Drug Administration (FDA) dos EUA após a liberação do FDA IND em dezembro de 2021. A ativação dos locais e o recrutamento de pacientes estão em andamento.

A primeira instituição clínica nos EUA a receber aprovação ética é a City of Hope, uma organização de pesquisa e tratamento de câncer2 de renome mundial em Los Angeles. Instalações clínicas adicionais serão abertas nos EUA em 2022.

A médica e CEO da Imugene, Leslie Chong, disse: “A dosagem do primeiro paciente em nosso estudo do VAXINIA é um marco significativo para a Imugene e os médicos que enfrentam o desafio do tratamento de tumores sólidos avançados metastáticos. O professor Yuman Fong e a equipe da City of Hope forneceram pesquisas excelentes. Além dos resultados pré-clínicos positivos, estamos incrivelmente ansiosos para explorar o potencial do VAXINIA e da plataforma de viroterapia oncolítica.”

Veja mais sobre "O que são vírus1", "Imunoterapia" e "Entendendo o que são metástases16".

 

Fontes:
City of Hope, comunicado publicado em 17 de maio de 2022.
Science Alert, notícia publicada em 23 de maio de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Primeiro paciente em ensaio clínico de fase 1 recebe vírus oncolítico experimental contra tumores sólidos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/pharma-news/1417155/primeiro-paciente-em-ensaio-clinico-de-fase-1-recebe-virus-oncolitico-experimental-contra-tumores-solidos.htm>. Acesso em: 15 ago. 2022.

Complementos

1 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
2 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
3 Cólon:
4 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
5 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
6 Ovário: Órgão reprodutor (GÔNADAS) feminino. Nos vertebrados, o ovário contém duas partes funcionais Sinônimos: Ovários
7 Pâncreas: Órgão nodular (no ABDOME) que abriga GLÂNDULAS ENDÓCRINAS e GLÂNDULAS EXÓCRINAS. A pequena porção endócrina é composta pelas ILHOTAS DE LANGERHANS, que secretam vários hormônios na corrente sangüínea. A grande porção exócrina (PÂNCREAS EXÓCRINO) é uma glândula acinar composta, que secreta várias enzimas digestivas no sistema de ductos pancreáticos (que desemboca no DUODENO).
8 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
9 Célula: Unidade funcional básica de todo tecido, capaz de se duplicar (porém algumas células muito especializadas, como os neurônios, não conseguem se duplicar), trocar substâncias com o meio externo à célula, etc. Possui subestruturas (organelas) distintas como núcleo, parede celular, membrana celular, mitocôndrias, etc. que são as responsáveis pela sobrevivência da mesma.
10 Antígenos: 1. Partículas ou moléculas capazes de deflagrar a produção de anticorpo específico. 2. Substâncias que, introduzidas no organismo, provocam a formação de anticorpo.
11 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
12 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
13 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
14 Anticorpo: Proteína circulante liberada pelos linfócitos em reação à presença no organismo de uma substância estranha (antígeno).
15 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
16 Metástases: Formação de tecido tumoral, localizada em um lugar distante do sítio de origem. Por exemplo, pode se formar uma metástase no cérebro originário de um câncer no pulmão. Sua gravidade depende da localização e da resposta ao tratamento instaurado.
Gostou do artigo? Compartilhe!