Gostou do artigo? Compartilhe!

Ingestão precoce e regular de ovo evita mesmo a alergia ao ovo em crianças?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A idade ideal para introduzir ovo1 na dieta infantil tem sido debatida durante as últimas duas décadas no contexto do aumento das taxas de alergia2 ao ovo1. Com o objetivo de determinar se o consumo regular de proteína do ovo1, a partir de 4-6 meses de idade, reduz o risco de alergia2 ao ovo1 mediada por IgE, em lactentes3 com risco hereditário, mas sem eczema4, foi realizado um estudo publicado pelo The Journal of Allergy and Clinical Immunology.

Saiba mais sobre o "Eczema4 atópico".

Lactentes3 com idade entre 4 a 6 meses foram alocados aleatoriamente para receber ovo1 integral cru pasteurizado diariamente (n=407) ou um pó de arroz da mesma cor do pó do ovo1 (n=413) até 10 meses de idade. Todos as crianças seguiram uma dieta livre de ovo1 e o ovo1 cozido foi introduzido para ambos os grupos aos 10 meses. O desfecho primário foi a alergia2 ao ovo1 mediada por IgE definida pela sensibilização positiva ao ovo1 cru pasteurizado e pela sensibilização ao ovo1 aos 12 meses de idade.

Não houve diferenças entre os grupos no percentual de crianças com alergia2 ao ovo1 mediada por IgE (ovo1 7,0% vs controle 10,3%; risco relativo ajustado 0,75; IC 95% 0,48-1,17; P=0,20). Uma proporção maior de participantes no grupo do ovo1 parou de tomar o pó do estudo devido a uma reação alérgica5 confirmada (25/407, 6,1% em relação a 6/413, 1,5%). Os níveis de IgG4 específica do ovo1 eram substancialmente mais altos no grupo do ovo1 aos 12 meses (mediana de 1,22 mgA/L vs controle 0,07 mgA/L; P<0,0001).

Leia sobre "Alergia2 alimentar".

Concluiu-se que não foi encontrada nenhuma evidência de que a ingestão regular de ovos a partir de 4-6 meses de idade altere substancialmente o risco de alergia2 ao ovo1 com um ano de idade, em crianças que estão em risco hereditário de doença alérgica e não tinham apresentado sintomas6 de eczema4 no início do estudo.

 

Fonte: The Journal of Allergy and Clinical Immunology, publicação online, de 21 de agosto de 2016

 

NEWS.MED.BR, 2016. Ingestão precoce e regular de ovo evita mesmo a alergia ao ovo em crianças?. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1274898/ingestao-precoce-e-regular-de-ovo-evita-mesmo-a-alergia-ao-ovo-em-criancas.htm>. Acesso em: 18 set. 2019.

Complementos

1 Ovo: 1. Célula germinativa feminina (haploide e madura) expelida pelo OVÁRIO durante a OVULAÇÃO. 2. Em alguns animais, como aves, répteis e peixes, é a estrutura expelida do corpo da mãe, que consiste no óvulo fecundado, com as reservas alimentares e os envoltórios protetores.
2 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
3 Lactentes: Que ou aqueles que mamam, bebês. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
4 Eczema: Afecção alérgica da pele, ela pode ser aguda ou crônica, caracterizada por uma reação inflamatória com formação de vesículas, desenvolvimento de escamas e prurido.
5 Reação alérgica: Sensibilidade a uma substância específica, chamada de alérgeno, com a qual se entra em contato por meio da pele, pulmões, deglutição ou injeções.
6 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
Gostou do artigo? Compartilhe!