Gostou do artigo? Compartilhe!

Biochip desenvolvido por geneticistas e físicos franceses auxilia no diagnóstico de tumores cerebrais

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Artigo publicado na edição de setembro do Annals of Neurology mostra que a parceria entre geneticistas e físicos do Instituto Curie e do Instituto Nacional de Pesquisa Médica e de Saúde1 (Inserm), na França, foi um sucesso no desenvolvimento de uma nova ferramenta contra os tumores cerebrais.

A ferramenta desenvolvida na França busca melhorar o diagnóstico2 dos gliomas, tumores originados das células3 da glia (estrutura de sustentação do tecido nervoso4), bastante freqüentes em adultos com câncer5. Os pesquisadores mostraram que o conhecimento preciso das alterações existentes no cromossomo6 1 dos seres humanos é fundamental quando se propõe a montagem de um chip de DNA para estudar esse problema.

O que os pesquisadores fizeram foi montar lâminas com fragmentos7 do genoma em questão – de aproximadamente 150 mil pares de bases - chamadas de microarranjos ("microarrays") de alta densidade, chips de DNA ou biochips.

Após análise por hibridização de 108 gliomas, com genes isolados das células3 sem tumor8 e marcadas com fluoróforos (compostos fluorescentes), pode-se ter em mãos9 uma espécie de quadro luminoso com cores e intensidades diferentes. Cada um desses sinais10 indica se aquele trecho do genoma representa um prognóstico11 pior (cor vermelha) ou melhor (cor verde).

Os testes feitos na França mostraram que a perda do braço curto do cromossomo6 1 (1p) está associada a um melhor prognóstico11, implicando resposta mais positiva ao tratamento quimioterápico. A perda parcial do mesmo braço indica a ocorrência de tumores mais agressivos. O trabalho indicou vários tipos de associações, sempre relacionados à força dos tumores.

Em termos de pesquisa básica, os cientistas conseguiram identificar que os genes associados aos tumores de prognóstico11 positivo e negativo são diferentes. No campo clínico, esses testes oriundos de técnicas desenvolvidas dentro do âmbito da genômica estrutural já devem ser incorporados pelos médicos, na França, até o fim deste ano, segundo comunicado do Instituto Curie. Mas ainda são necessárias pesquisas para avaliação completa do braço curto do cromossomo6 1 e seu real significado clínico nos gliomas.

Fonte: Annals of Neurology 2005;58:483-487

NEWS.MED.BR, 2005. Biochip desenvolvido por geneticistas e físicos franceses auxilia no diagnóstico de tumores cerebrais. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/872/biochip-desenvolvido-por-geneticistas-e-fisicos-franceses-auxilia-no-diagnostico-de-tumores-cerebrais.htm>. Acesso em: 16 out. 2019.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
3 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
4 Tecido Nervoso:
5 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
6 Cromossomo: Cromossomos (Kroma=cor, soma=corpo) são filamentos espiralados de cromatina, existente no suco nuclear de todas as células, composto por DNA e proteínas, sendo observável à microscopia de luz durante a divisão celular.
7 Fragmentos: 1. Pedaço de coisa que se quebrou, cortou, rasgou etc. É parte de um todo; fração. 2. No sentido figurado, é o resto de uma obra literária ou artística cuja maior parte se perdeu ou foi destruída. Ou um trecho extraído de uma obra.
8 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
9 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
10 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
11 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
Gostou do artigo? Compartilhe!