Gostou do artigo? Compartilhe!

JAMA: tratamento da hipertensão arterial em octogenários

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O tratamento da hipertensão1 é benéfico para a maioria dos pacientes hipertensos, no entanto, os benefícios para os pacientes que são muito velhos e frágeis, especialmente aqueles que usam vários medicamentos, são menos conhecidos. Com o objetivo de fornecer recomendações para a avaliação do tratamento da hipertensão1 em pacientes com 80 anos ou mais, foi realizado um estudo publicado pelo The Journal of the American Medical Association (JAMA).

As bases de dados MEDLINE, PubMed Central e Cochrane Database of Systematic Reviews foram pesquisadas desde o início até abril de 2015, com ênfase em 2010-2015. Manual de referência cruzada de artigos de revisão e meta-análises também foi realizado para identificar ensaios clínicos2 randomizados (ECR) examinando3 o uso de anti-hipertensivo em octogenários. A estratégia de busca incluiu os seguintes termos com base nos Medical Subject Headings4: hipertensão1 ou pressão arterial5 elevada e ensaios clínicos2 e muito velho, muito antigo ou muito idoso.

Seis análises post hoc de publicações anteriores no Hypertension in the Very Elderly Trial (HYVET) preencheram os critérios de inclusão. No único ensaio clínico randomizado6 e controlado por placebo7 sobre a gestão da hipertensão1 em pacientes com mais de 80 anos (HYVET; n=3.845), o tratamento foi associado à menor mortalidade8 total e cardiovascular, mas o efeito sobre o acidente vascular cerebral9 (fatal e não fatal), que foi o resultado primário, não conseguiu chegar ao nível de significância (P=0,06). Análises post hoc do HYVET sugeriram que o tratamento ativo da hipertensão1 em pacientes muito idosos era benéfico, reduzindo a pressão arterial5 em indivíduos com hipertensão1 do avental branco, mostrando benefícios moderados no tratamento ativo para a cognição10, um possível efeito para a prevenção de fraturas e diferenças sustentáveis nas reduções de mortalidade8 total e cardiovascular nos pacientes que receberam o tratamento ativo. No entanto, os pacientes eram residentes na comunidade e mais capacitados que os indivíduos da mesma idade em geral.

Concluiu-se que os pacientes hipertensos que são saudáveis, funcionalmente independentes e com 80 anos ou mais devem ser tratados de acordo com as recomendações atuais para pessoas com mais de 65 anos. Não há evidência suficiente sobre os benefícios do tratamento da hipertensão1 para octogenários que usam vários medicamentos e são mais frágeis, para estes o tratamento deve ser avaliado de maneira individualizada.

Fonte: The Journal of the American Medical Association (JAMA), volume 314, número 2, de 14 de julho de 2015 

NEWS.MED.BR, 2015. JAMA: tratamento da hipertensão arterial em octogenários. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/795899/jama-tratamento-da-hipertensao-arterial-em-octogenarios.htm>. Acesso em: 25 out. 2021.

Complementos

1 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
2 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
3 Examinando: 1. O que será ou está sendo examinado. 2. Candidato que se apresenta para ser examinado com o fim de obter grau, licença, etc., caso seja aprovado no exame.
4 Medical Subject Headings: Medical Subject Headings ou MeSH é um sistema de metadados médicos em língua inglesa que diz respeito à nomenclatura e baseia-se na indexação de artigos no campo das ciências da saúde.
5 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
6 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
7 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
8 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
9 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
10 Cognição: É o conjunto dos processos mentais usados no pensamento, percepção, classificação, reconhecimento e compreensão para o julgamento através do raciocínio para o aprendizado de determinados sistemas e soluções de problemas.
Gostou do artigo? Compartilhe!