Gostou do artigo? Compartilhe!

Crianças com excesso de peso podem errar ao pensar que alguns de seus sintomas são de asma: análise publicada pelo The Journal of Allergy and Clinical Immunology

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Estudos anteriores sobre asma1 em crianças com sobrepeso2 ou obesidade3 têm sido inconsistentes. A razão pela qual as crianças com sobrepeso2 ou obesidade3 comumente relatam pior controle da asma1 do que crianças magras ainda não está clara.

Para determinar as diferenças qualitativas nos sintomas4 da asma1 atópica de início precoce entre crianças magras e aquelas com sobrepeso2 ou obesidade3, foi realizado um estudo transversal analítico com crianças magras e crianças com sobrepeso2 ou obesas, com idades variando entre dez e dezessete anos, portadoras de asma1 persistente de início precoce. Os participantes frequentaram duas ou três visitas médicas para fornecer uma história completa, a caracterização qualitativa e quantitativa dos sintomas4 da asma1 e teste de função pulmonar. Os pesquisadores determinaram a associação entre o status de peso e os sintomas4 utilizando análise linear multivariada e métodos de regressão logística.

Os resultados mostraram as crianças magras, com sobrepeso2 ou obesas exibindo função pulmonar semelhante. Apesar da menor fração de óxido nítrico exalado (30,0 versus 62,6 ppb; p=0,037) e redução da capacidade de resposta à metacolina (PC20FEV1 1,87 vs 0,45 mg/mL; p<0,012), as crianças com sobrepeso2/obesidade3 relataram frequência até três vezes maior da necessidade de tratamentos de resgate (3,7 vs 1,1 tratamentos/semana; p=0,0002) do que as crianças magras. O status de peso afetou o principal sintoma5 relatado pela criança com um pobre controle da asma1 (teste exato de Fisher; p=0,003); crianças com sobrepeso2/obesidade3 relataram falta de ar mais frequentemente (odds ratio=11,8; IC 95% 1,41-98,7) e tosse com menor frequência (odds ratio=0,26; IC 95% 0,08-0,82). Pontuações para o refluxo gastroesofágico6 foram mais altas naquelas com sobrepeso2 ou obesas (9,6 vs 23,2; p=0,003) e parecem mediar os sintomas4 da asma1 relatados por estas crianças.

Concluiu-se que crianças com sobrepeso2/obesidade3 e asma1 de início precoce apresentam pior controle da asma1 e um padrão distinto de sintomas4. Maior falta de ar e uso de β-agonistas parecem ser parcialmente mediados via sintomas4 de refluxo gastroesofágico6. Crianças asmáticas com sobrepeso2 podem atribuir de maneira equivocada a dispneia7 e o refluxo esofágico como sintomas4 da asma1, levando ao excesso de uso de medicação de resgate.

Fonte: The Journal of Allergy and Clinical Immunology, publicação online, de 14 de outubro de 2014

NEWS.MED.BR, 2014. Crianças com excesso de peso podem errar ao pensar que alguns de seus sintomas são de asma: análise publicada pelo The Journal of Allergy and Clinical Immunology. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/583467/criancas-com-excesso-de-peso-podem-errar-ao-pensar-que-alguns-de-seus-sintomas-sao-de-asma-analise-publicada-pelo-the-journal-of-allergy-and-clinical-immunology.htm>. Acesso em: 17 jan. 2020.

Complementos

1 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
2 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
3 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
4 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
5 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
6 Refluxo gastroesofágico: Presença de conteúdo ácido proveniente do estômago na luz esofágica. Como o dito órgão não está adaptado fisiologicamente para suportar a acidez do suco gástrico, pode ser produzida inflamação de sua mucosa (esofagite).
7 Dispnéia: Falta de ar ou dificuldade para respirar caracterizada por respiração rápida e curta, geralmente está associada a alguma doença cardíaca ou pulmonar.
Gostou do artigo? Compartilhe!