Gostou do artigo? Compartilhe!

Novo protocolo canadense sugere que nefrologistas podem esperar mais tempo para iniciar a diálise em alguns pacientes com doença renal crônica

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Novas diretrizes canadenses sugerem que nefrologistas podem esperar para começar a diálise1 em alguns pacientes com doença renal2 crônica até que a sua taxa de filtração glomerular estimada (EGFR) esteja abaixo de 10 a 12 mL/min.

Com base em uma revisão da literatura que inclui o estudo The Initiating Dialysis Early and Late (IDEAL), a Sociedade Canadense de Nefrologia (Canadian Society of Nephrology) recomenda que os pacientes com uma taxa de filtração glomerular abaixo de 15 mL/min podem ser acompanhados de perto por um nefrologista3 e que a diálise1 não precisa começar até que o paciente atinja 6 mL/min ou tiver uma piora clínica.

Louise Moist, da Western University, em Ontário, e presidente do comitê de orientação, disse em um comunicado que não há "nenhuma evidência detectável de benefício para iniciar a diálise1 antes disso em termos de mortalidade4, qualidade de vida ou internação". E acrescentou que "um início mais tardio evita a sobrecarga e os inconvenientes de um início mais precoce".

A recomendação do Canadá é baseada em uma revisão de 23 estudos, incluindo o estudo clínico IDEAL, publicado no New England Journal of Medicine em 2010, que concluiu que o início precoce não melhorou a sobrevida5, a qualidade de vida ou as taxas de internação em comparação ao início mais tardio.

Alguns especialistas em diálise1 acreditam que o valor de 6 mL/min ainda precisa ser melhor estudado e que a decisão de iniciar ou não a diálise1 deve ser individualizada e não simplesmente generalizada por um valor de EGFR - uma opinião partilhada por vários especialistas. É fundamental levar em conta as razões específicas do paciente para iniciar a diálise1.

A nova orientação contrasta com a do National Kidney Foundation's Kidney Disease Quality Outcomes Initiative (KDOQI), que orienta os nefrologistas a avaliarem os riscos e benefícios da diálise1 para pacientes6 com EGFR de 15 mL/min ou abaixo deste valor. Ela também difere da diretriz do Kidney Disease - Improving Global Outcomes (KDIGO) que orienta o início da diálise1 baseado em sintomas7 urêmicos.

Kerry Willis, PhD, vice-presidente sênior8 de assuntos científicos na National Kidney Foundation, disse que a organização está atualmente atualizando suas diretrizes e que o grupo chegou a conclusões semelhantes à orientação canadense, mas não vai impor uma meta de EGFR específica. Em vez disso, a orientação incidirá sobre a individualização da iniciação da diálise1.

Fonte: Canadian Medical Association Journal (CMAJ), volume 186, número 2, de 4 de fevereiro de 2014

NEWS.MED.BR, 2014. Novo protocolo canadense sugere que nefrologistas podem esperar mais tempo para iniciar a diálise em alguns pacientes com doença renal crônica. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/521037/novo-protocolo-canadense-sugere-que-nefrologistas-podem-esperar-mais-tempo-para-iniciar-a-dialise-em-alguns-pacientes-com-doenca-renal-cronica.htm>. Acesso em: 20 nov. 2018.

Complementos

1 Diálise: Quando os rins estão muito doentes, eles deixam de realizar suas funções, o que pode levar a risco de vida. Nesta situação, é preciso substituir as funções dos rins de alguma maneira, o que pode ser feito realizando-se um transplante renal, ou através da diálise. A diálise é um tipo de tratamento que visa repor as funções dos rins, retirando as substâncias tóxicas e o excesso de água e sais minerais do organismo, estabelecendo assim uma nova situação de equilíbrio. Existem dois tipos de diálise: a hemodiálise e a diálise peritoneal.
2 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
3 Nefrologista: Médico especialista em tratar pessoas com doenças ou problemas renais.
4 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
5 Sobrevida: Prolongamento da vida além de certo limite; prolongamento da existência além da morte, vida futura.
6 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
7 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
8 Sênior: 1. Que é o mais velho. 2. Diz-se de desportistas que já ganharam primeiros prêmios: um piloto sênior. 3. Diz-se de profissionais experientes que já exercem, há algum tempo, determinada atividade.
Gostou do artigo? Compartilhe!