Gostou do artigo? Compartilhe!

Grande revisão científica confirma os benefícios do toque físico – bebês prematuros especialmente se beneficiaram do contato pele a pele

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um abraço, um aperto de mão1, uma massagem terapêutica2. Um recém-nascido deitado sobre o peito3 nu da mãe.

O toque físico pode aumentar o bem-estar e diminuir a dor, a depressão e a ansiedade, de acordo com uma grande nova análise de pesquisas publicadas divulgada na revista Nature Human Behavior.

Pesquisadores da Alemanha e da Holanda revisaram sistematicamente anos de pesquisas sobre toque, carícias, abraços e massagens. Eles também combinaram dados de 137 estudos, que incluíram quase 13 mil adultos, crianças e bebês4. Cada estudo comparou indivíduos que foram tocados fisicamente de alguma forma ao longo de um experimento – ou que tocaram um objeto como um brinquedo de pelúcia felpudo – com indivíduos semelhantes que não o fizeram.

Por exemplo, um estudo mostrou que massagens suaves diárias de 20 minutos durante seis semanas em pessoas idosas com demência5 diminuíram a agressividade e reduziram os níveis de um marcador de estresse no sangue6. Outro descobriu que as massagens melhoravam o humor de pacientes com câncer7 de mama8. Um estudo mostrou até que jovens adultos saudáveis que acariciavam uma foca bebê robótica eram mais felizes e sentiam menos dor devido a um leve estímulo térmico do que aqueles que liam um artigo sobre um astrônomo.

Os efeitos positivos foram particularmente visíveis nos bebês4 prematuros, que “melhoram enormemente” com o contato pele9 a pele9, disse Frédéric Michon, pesquisador do Instituto Holandês de Neurociências e um dos autores do estudo.

“Tem havido muitas alegações de que o toque é bom, o toque é saudável, o toque é algo que todos nós precisamos”, disse Rebecca Boehme, neurocientista da Universidade de Linkoping, na Suécia, que revisou o estudo para a revista. “Mas, na verdade, ninguém havia olhado para isso dessa perspectiva ampla e panorâmica.”

Leia sobre "Prematuridade e os cuidados necessários com os prematuros" e "Massagem terapêutica2 e massagem relaxante".

A análise revelou alguns padrões interessantes e às vezes misteriosos. Entre os adultos, as pessoas doentes apresentaram maiores benefícios para a saúde10 mental com o toque do que as pessoas saudáveis. Quem estava fazendo o toque – uma pessoa conhecida ou um profissional de saúde10 – não importava. Mas a origem do toque era importante para os recém-nascidos.

“Uma descoberta muito intrigante que precisa de mais apoio é que os bebês4 recém-nascidos beneficiam mais do toque dos pais do que do toque de um estranho”, disse Ville Harjunen, pesquisador da Universidade de Helsinki, na Finlândia, que também revisou o estudo para a revista. A preferência dos bebês4 pelos pais pode estar relacionada ao cheiro, especulou ele, ou às diferenças na forma como os pais os seguram.

As mulheres parecem se beneficiar mais do toque do que os homens, o que pode ser um efeito cultural, disse o Dr. Michon. A frequência do toque também importava: uma massagem uma vez a cada dois anos não vai adiantar muito.

Vários estudos incluídos na revisão analisaram o que aconteceu durante o auge da pandemia11 de Covid, quando as pessoas estavam isoladas e tinham menos contato físico umas com as outras. “Eles encontraram correlações durante a época da Covid entre a privação do toque e aspectos de saúde10 como depressão e ansiedade”, disse o Dr. Michon.

Tocar a cabeça12 parece ter um efeito mais benéfico do que tocar o tronco, descobriram alguns estudos. Michon não conseguiu explicar essa descoberta, mas pensou que poderia ter a ver com o maior número de terminações nervosas no rosto e no couro cabeludo.

Outro mistério: estudos realizados com pessoas na América do Sul tenderam a mostrar maiores benefícios do toque para a saúde10 do que os estudos que analisaram pessoas na América do Norte ou na Europa. Dr. Michon disse que a cultura pode de alguma forma desempenhar um papel. Mas a Dra. Boehme disse que os estudos que mostram as diferenças entre os países eram demasiado pequenos para serem definitivos. “Acho que o mecanismo por trás disso é biológico”, disse ela. “Acho que isso está programado e será o mesmo para todos nós.”

Em 2023, Jeeva Sankar, pesquisador de pediatria do All India Institute of Medical Sciences, e um colega publicaram uma revisão rigorosa dos cuidados pele9 a pele9 para recém-nascidos. A análise concluiu que a terapia de toque para bebês4 prematuros ou com baixo peso ao nascer deve começar o mais rápido possível e durar oito horas ou mais, recomendação adotada pela Organização Mundial da Saúde10. O Dr. Sankar disse que a nova revisão era importante porque o toque é frequentemente negligenciado nos cuidados médicos modernos, mas que era muito ampla. Ele teria gostado que a revisão se concentrasse mais em como as várias formas de toque poderiam ser integradas nos cuidados médicos.

O Dr. Michon enfatizou que os tipos de toque considerados nestes estudos foram experiências positivas com as quais os voluntários concordaram. “Se alguém não considera um toque agradável, isso provavelmente irá estressá-lo”, disse ele.

Confira a seguir o resumo do artigo publicado.

Uma revisão sistemática e metanálise multivariada dos benefícios para a saúde10 física e mental das intervenções de toque

Receber toque é de importância crítica, pois muitos estudos mostram que o toque promove o bem-estar físico e mental. Realizou-se uma revisão sistemática pré-registrada e uma metanálise multinível abrangendo 137 estudos na metanálise e 75 estudos adicionais na revisão sistemática (n = 12.966 indivíduos, pesquisa via Google Scholar, PubMed e Web of Science até 1º de outubro de 2022) para identificar fatores críticos que moderam a eficácia da intervenção por toque.

Os estudos incluídos sempre apresentaram uma intervenção com toque versus uma intervenção de controle sem toque com diversos resultados de saúde10 como variáveis dependentes. O risco de viés foi avaliado por meio de viés de estudo pequeno, de randomização, de sequenciamento, de desempenho e de atrito.

As intervenções de toque foram especialmente eficazes na regulação dos níveis de cortisol (g de Hedges  = 0,78, intervalo de confiança [IC] de 95% 0,24 a 1,31) e no aumento de peso (0,65, IC 95% 0,37 a 0,94) em recém-nascidos, bem como na redução da dor (0,69, IC 95% 0,48 a 0,89), dos sentimentos de depressão (0,59, IC 95% 0,40 a 0,78) e da ansiedade-estado (0,64, IC 95% 0,44 a 0,84) ou ansiedade-traço (0,59, IC 95% 0,40 a 0,77) para adultos.

A comparação de intervenções de toque envolvendo objetos ou robôs resultou em benefícios físicos semelhantes (0,56, IC 95% 0,24 a 0,88 versus 0,51, IC 95% 0,38 a 0,64), mas benefícios para a saúde10 mental menores (0,34, IC 95% 0,19 a 0,49 versus 0,58, IC 95% 0,43 a 0,73).

As coortes clínicas de adultos se beneficiaram mais fortemente nos domínios da saúde10 mental em comparação com indivíduos saudáveis (0,63, IC 95% 0,46 a 0,80 versus 0,37, IC 95% 0,20 a 0,55).

Não encontrou-se diferença nos benefícios à saúde10 em adultos ao comparar o toque aplicado por uma pessoa familiar ou por um profissional de saúde10 (0,51, IC 95% 0,29 a 0,73 versus 0,50, IC 95% 0,38 a 0,61), mas o toque parental foi mais benéfico em recém-nascidos (0,69, IC 95% 0,50 a 0,88 versus 0,39, IC 95% 0,18 a 0,61).

É preciso considerar o pequeno, mas significativo viés de estudo pequeno, e a impossibilidade de cegar as condições experimentais.

Aproveitar os fatores que influenciam a eficácia da intervenção por toque ajudará a maximizar os benefícios de intervenções futuras e a concentrar as pesquisas neste campo.

Veja também sobre "Saúde10 mental", "Depressão maior", "Transtornos de ansiedade" e "Considerações sobre a clínica da dor".

 

Fontes:
Nature Human Behaviour, publicação em 08 de abril de 2024.
The New York Times, notícia publicada em 08 de abril de 2024.

 

NEWS.MED.BR, 2024. Grande revisão científica confirma os benefícios do toque físico – bebês prematuros especialmente se beneficiaram do contato pele a pele. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1469162/grande-revisao-cientifica-confirma-os-beneficios-do-toque-fisico-bebes-prematuros-especialmente-se-beneficiaram-do-contato-pele-a-pele.htm>. Acesso em: 13 jul. 2024.

Complementos

1 Mão: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
2 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
3 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
4 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
5 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
6 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
7 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
8 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
9 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
10 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
11 Pandemia: É uma epidemia de doença infecciosa que se espalha por um ou mais continentes ou por todo o mundo, causando inúmeras mortes. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a pandemia pode se iniciar com o aparecimento de uma nova doença na população, quando o agente infecta os humanos, causando doença séria ou quando o agente dissemina facilmente e sustentavelmente entre humanos. Epidemia global.
12 Cabeça:
Gostou do artigo? Compartilhe!