Gostou do artigo? Compartilhe!

Tratar a ansiedade e a depressão melhora os resultados nas doenças cardíacas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Em pessoas com doença cardíaca e ansiedade ou depressão comórbidas, o tratamento da saúde1 mental mostrou fortes ligações com melhores resultados clínicos numa análise observacional da base de dados Ohio Medicaid, publicada no Journal of the American Heart Association.

Aqueles hospitalizados com doença arterial coronariana (DAC) ou insuficiência cardíaca2 (IC) e com histórico de psicoterapia e de uso de antidepressivos tenderam a ter menos eventos subsequentes, quando acompanhados por até 4 anos, em comparação com pares sem tratamento da saúde1 mental:

  • Mortalidade3 por todas as causas: HR 0,33 (IC 95% 0,23-0,46)
  • Mortalidade3 por doença coronariana4: HR 0,47 (IC 95% 0,21-1,02)
  • Visitas ao departamento de emergência5 (DE): HR 0,32 (IC 95% 0,26-0,39)
  • Readmissão hospitalar: HR 0,30 (IC 95% 0,24-0,38)

Os resultados foram semelhantes após o ajuste para transtornos comórbidos, uso de medicamentos e diagnóstico6 prévio de depressão ou transtorno por uso de substâncias, relataram Philip Binkley, MD, do Centro Médico Wexner da Universidade Estadual de Ohio em Columbus, e colegas.

A psicoterapia ou os antidepressivos por si só também foram associados a alguns resultados clínicos melhorados. Cada tratamento apresentava uma taxa de risco na faixa de 0,48 a 0,70, dependendo do desfecho específico analisado no estudo de coorte7 de base populacional.

Leia sobre "Doenças cardiovasculares8", "Depressão maior" e "Transtorno de ansiedade generalizada".

“Que seja do conhecimento dos autores, este artigo é o primeiro a mostrar que o tratamento de saúde1 mental pode estar associado à redução do risco de resultados relevantes”, concluiu o grupo de Binkley. “Essas descobertas indicam que as intervenções de saúde1 mental são essenciais para reduzir hospitalizações e visitas ao DE em pacientes com IC ou doença coronariana4 e depressão ou ansiedade concomitantes”.

“Embora os resultados relevantes para as mortes relacionadas com DAC sejam sugestivos, não são significativos. Isto pode estar relacionado com um tamanho de amostra relativamente pequeno de pacientes com este diagnóstico6 e uma consequente falta de poder estatístico suficiente para detectar um efeito”, observaram os autores.

Trabalhos anteriores mostraram que os sintomas9 depressivos estão associados a um risco mais elevado de mortalidade3 cardiovascular e por todas as causas. Além disso, em estudos populacionais do Reino Unido e da Finlândia, pessoas com depressão grave ou moderadamente grave apresentavam risco aumentado de várias doenças físicas que exigiam hospitalização, incluindo doença cardíaca isquêmica e diabetes10.

A equipe de Binkley reconheceu que as evidências não são tão fortes para uma ligação entre ansiedade e doenças cardíacas, mas afirmou que há evidências de uma conexão geral entre o coração11 e o cérebro12.

“Tanto as doenças cardíacas quanto a ansiedade estão associadas à ativação do sistema nervoso13 simpático14 e à produção e liberação de citocinas15 pró-inflamatórias. A ativação simultânea desses sistemas promove a progressão de condições mediadas pelo sistema nervoso central16, como ansiedade e depressão, bem como doenças cardíacas”, explicou o grupo.

“As doenças cardíacas e a ansiedade/depressão interagem de tal forma que uma promove a outra”, disse Binkley em um comunicado à imprensa. “Parece haver processos mentais que ligam as doenças cardíacas à ansiedade e à depressão que estão atualmente sob investigação”.

Enquanto isso, Binkley disse que espera que os resultados do estudo motivem os cardiologistas e profissionais de saúde1 a fazerem exames rotineiros para depressão e ansiedade.

“Estratégias eficazes para identificar ansiedade e depressão em pacientes, com tratamento subsequente eficaz, podem ser uma estratégia importante pela qual os médicos podem melhorar a qualidade de vida em indivíduos com IC”, escreveu seu grupo.

Além da medicação e da psicoterapia, alguns pacientes também estão recorrendo à estimulação magnética transcraniana (EMT) para o tratamento da depressão e outros distúrbios neuropsiquiátricos. Experimentos de laboratório sugerem um baixo risco de danos ou superaquecimento dos implantes cardíacos durante a EMT.

A American Heart Association projeta que as doenças cardíacas continuarão a aumentar nesta década, atingindo 43,9% dos americanos até 2030, com os custos apenas da insuficiência cardíaca2 totalizando quase US$ 70 bilhões.

“As intervenções que podem reduzir a frequência de readmissões e cuidados no pronto-socorro prometem reduzir significativamente os custos de saúde1. Considerando o custo das visitas ao hospital e ao DE versus o custo das consultas de profissionais de saúde1 mental, nossos resultados sugerem que a relação custo-benefício para cuidados de saúde1 mental provavelmente será importante”, escreveu o grupo de Binkley.

No artigo, os pesquisadores relatam que existem evidências conflitantes quanto ao impacto do tratamento de saúde1 mental nos resultados de pacientes com doenças cardíacas. O objetivo deste estudo, portanto, foi examinar se os indivíduos que receberam tratamento de saúde1 mental para ansiedade ou depressão após serem hospitalizados por distúrbios isquêmicos ou insuficiência cardíaca2 tiveram uma frequência reduzida de reinternações, visitas ao departamento de emergência5 ou mortalidade3 em comparação com aqueles que não receberam tratamento.

Um desenho de coorte17 retrospectivo18 de base populacional foi utilizado para examinar a associação entre psicoterapia ou prescrição de medicamentos antidepressivos e utilização de serviços de saúde1 e mortalidade3 em pacientes com doença arterial coronariana ou insuficiência cardíaca2 e ansiedade ou depressão comórbidas.

Aqueles que receberam e não receberam tratamento de saúde1 mental foram comparados com base na frequência de reinternação, visitas ao departamento de emergência5 e mortalidade3.

A amostra do estudo incluiu 1.563 pacientes com idade média de 50,1 anos. Indivíduos que receberam ambas as formas de tratamento de saúde1 mental para ansiedade ou depressão tiveram 75% menos probabilidade de serem reinternados, 74% menos probabilidade de visitar o departamento de emergência5 e 66% menos probabilidade de morrer por qualquer causa.

O estudo concluiu que o tratamento de saúde1 mental para ansiedade ou depressão tem um impacto significativo nos resultados em pacientes com doenças cardiovasculares8, consistindo na redução de hospitalizações, de visitas ao pronto-socorro e, em algumas condições, maior sobrevida19.

Veja também sobre "Saúde1 mental - o que é", "Modelos de psicoterapias" e "O que saber sobre antidepressivos".

 

Fontes:
Journal of the American Heart Association, Vol. 13, Nº 7, em abril de 2024.
MedPage Today, notícia publicada em 21 de março de 2024.

 

NEWS.MED.BR, 2024. Tratar a ansiedade e a depressão melhora os resultados nas doenças cardíacas. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1468257/tratar-a-ansiedade-e-a-depressao-melhora-os-resultados-nas-doencas-cardiacas.htm>. Acesso em: 28 mai. 2024.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
3 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
4 Doença coronariana: Doença do coração causada por estreitamento das artérias que fornecem sangue ao coração. Se o fluxo é cortado, o resultado é um ataque cardíaco.
5 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
6 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
7 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
8 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
9 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
10 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
11 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
12 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
13 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.
14 Simpático: 1. Relativo à simpatia. 2. Que agrada aos sentidos; aprazível, atraente. 3. Em fisiologia, diz-se da parte do sistema nervoso vegetativo que põe o corpo em estado de alerta e o prepara para a ação.
15 Citocinas: Citoquina ou citocina é a designação genérica de certas substâncias segregadas por células do sistema imunitário que controlam as reações imunes do organismo.
16 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
17 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
18 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
19 Sobrevida: Prolongamento da vida além de certo limite; prolongamento da existência além da morte, vida futura.
Gostou do artigo? Compartilhe!