Gostou do artigo? Compartilhe!

Reverter o diabetes tipo 2 é muito mais difícil do que sugerem os ensaios clínicos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

As pessoas com diabetes tipo 21 que perdem peso enquanto participam em ensaios clínicos2 parecem ter substancialmente mais probabilidades de reverter a sua condição do que aquelas que perdem peso fora desses estudos. As descobertas são de um estudo publicado na revista PLoS Medicine.

Uma explicação seria que aqueles que participam em ensaios clínicos2 podem se beneficiar de aconselhamento profissional sobre perda de peso, monitorização regular e apoio moral, que podem faltar fora dos ambientes de pesquisa.

Tratamentos como injeções de insulina3 podem ajudar pessoas com diabetes tipo 21 a manter níveis saudáveis de açúcar4 no sangue5. No entanto, aqueles que estão com sobrepeso6 ou obesos às vezes podem reverter sua condição se perderem peso.

Na realidade, menos de 10% das pessoas com diabetes tipo 21 que perdem peso fora de ensaios clínicos2 conseguem tal reversão, mesmo quando acompanhadas durante vários anos, diz Hongjiang Wu, da Universidade Chinesa de Hong Kong. Nos ensaios, esse número pode chegar perto de 90%.

Essa discrepância pode ser devida ao apoio e às diversas intervenções que muitas vezes acompanham a participação em ensaios clínicos2, bem como às definições sobre o que significa reverter o diabetes tipo 21, que às vezes variam, diz ele.

Leia sobre "Diabetes tipo 21", "Opções de tratamentos para o diabetes7" e "Peso ideal e como calculá-lo".

Para compreender melhor isto, Wu e os seus colegas estudaram mais de 37.000 pessoas em Hong Kong – cerca de metade delas mulheres – com idades entre os 18 e os 75 anos, que foram diagnosticadas com diabetes tipo 21 entre 2000 e 2017.

Cada participante foi acompanhado por uma média de pouco menos de oito anos, com os pesquisadores analisando como seu peso pode ter mudado no primeiro ano após o diagnóstico8, bem como se eles reverteram sua condição em algum momento durante o período do estudo.

Os pesquisadores mediram os níveis de hemoglobina glicada9 (HbA1c10) dos participantes, o que reflete o estado de glicose11 no sangue5 ao longo de vários meses. A reversão do diabetes tipo 21, também conhecida como remissão, é geralmente definida como HbA1c10 inferior a 6,5% quando medida pelo menos três meses após a interrupção dos tratamentos. Os pesquisadores procuravam que esses níveis ocorressem em dois testes consecutivos realizados com seis meses de intervalo.

A equipe só mediu o peso dos participantes um ano após terem sido diagnosticados, altura em que 2% tinham entrado em remissão e metade tinha ganhado peso, diz Wu.

No final do estudo, 6% tinham entrado em remissão em algum momento, diz Wu. Destas pessoas, cerca de dois terços necessitaram de medicamentos para o diabetes7 para controlar novamente a sua condição dentro de três anos.

Mas ao registrar o peso dos participantes apenas um ano após terem sido diagnosticados, os pesquisadores não sabem se eles ganharam peso ou se outros fatores podem ter resultado na saída de alguns deles da remissão, como o ganho de peso especificamente na região da cintura ou o acúmulo de gordura12 em determinados órgãos internos.

Em contraste, um pequeno ensaio clínico descobriu que até 86 por cento das pessoas com diabetes tipo 21 que perderam pelo menos 15 quilogramas entraram em remissão no espaço de um ano. As pessoas que participam em estudos como estes beneficiam frequentemente de uma gestão dietética profissional, de programas de exercício físico, de apoio moral, de monitorização regular, de feedback, de lembretes e de incentivo, diz Wu.

Mas mesmo as pessoas que participam no braço de controle de alguns ensaios clínicos2, que podem não ser colocadas em programas intensivos de perda de peso, apresentam melhores taxas de remissão do que as observadas no estudo da equipe de Wu.

Isso pode acontecer porque, fora dos ensaios clínicos2, os médicos são muitas vezes mais hesitantes em recomendar que as pessoas com diabetes tipo 21 interrompam os seus tratamentos, diz ele. Provavelmente também está relacionado com diferenças na forma como a remissão é definida, uma vez que os ensaios muitas vezes requerem apenas uma leitura saudável da HbA1c10, diz Wu.

No artigo publicado, os pesquisadores relatam que ensaios clínicos2 demonstraram que a remissão do diabetes tipo 21 pode ser alcançada após perda de peso sustentada. No entanto, a viabilidade de alcançar a remissão da diabetes7 através do controle do peso em ambientes reais permanece obscura.

Neste estudo, o objetivo foi examinar a associação da mudança de peso 1 ano após o diagnóstico8 de diabetes7 com a incidência13 a longo prazo e a sustentabilidade da remissão do diabetes tipo 21 em ambientes do mundo real em Hong Kong.

Este foi um estudo de coorte14 observacional de base populacional. O Programa de Avaliação e Gestão de Risco para Diabetes Mellitus15 (RAMP-DM) em todo o território fornece avaliações regulares e abrangentes do controle metabólico e triagem de complicações para pessoas com diabetes7 em Hong Kong.

Foram incluídas 37.326 pessoas com diabetes tipo 21 recém-diagnosticado que foram inscritas no RAMP-DM entre 2000 e 2017, acompanhadas até 2019. A remissão do diabetes7 foi definida como 2 medições consecutivas de HbA1c10 <6,5% com pelo menos 6 meses de intervalo, na ausência de medicamentos para baixar a glicose11 (MBGs) e sem registro de MBGs pelo menos 3 meses antes dessas medições.

Durante um acompanhamento médio de 7,9 anos, 6,1% (2.279) das pessoas alcançaram a remissão do diabetes7, com uma taxa de incidência13 de 7,8 (IC 95%: 7,5; 8,1) por 1.000 pessoas-ano.

Após ajuste para idade no momento do diagnóstico8 de diabetes7, sexo, ano de avaliação, índice de massa corporal16, outros índices metabólicos, tabagismo, consumo de álcool e uso de medicamentos, a taxa de risco (HR) para remissão do diabetes7 foi de 3,28 (IC 95%: 2,75; 3,92; p <0,001) para pessoas com perda de peso ≥10% dentro de 1 ano após o diagnóstico8, 2,29 (IC 95%: 2,03, 2,59; p <0,001) para aquelas com perda de peso de 5% a 9,9% e 1,34 (IC 95%: 1,22, 1,47; p <0,001) para aquelas com perda de peso de 0% a 4,9% em comparação com pessoas com ganho de peso.

Durante um acompanhamento médio de 3,1 anos, 67,2% (1.531) das pessoas que alcançaram a remissão do diabetes7 retornaram à hiperglicemia17, com uma taxa de incidência13 de 184,8 (IC 95%: 175,5; 194,0) por 1.000 pessoas-ano. A HR ajustada para retorno à hiperglicemia17 foi de 0,52 (IC 95%: 0,41; 0,65; p <0,001) para pessoas com perda de peso ≥10%, 0,78 (IC 95%: 0,68; 0,92; p = 0,002) para aquelas com perda de peso de 5% a 9,9% e 0,90 (IC 95%: 0,80; 1,01; p = 0,073) para aquelas com perda de peso de 0% a 4,9% em comparação com pessoas com ganho de peso.

A remissão do diabetes7 foi associada a uma diminuição de 31% (HR: 0,69, IC 95%: 0,52, 0,93; p = 0,014) do risco de mortalidade18 por todas as causas.

A principal limitação do estudo é que a confiabilidade da HbA1c10 usada para definir a remissão do diabetes7 pode ser afetada por outras condições médicas. Além disso, não havia dados sobre cirurgia bariátrica19.

Neste estudo, uma maior perda de peso no primeiro ano do diagnóstico8 de diabetes7 foi associada a uma maior probabilidade de alcançar a remissão do diabetes7 e a uma diminuição do risco de retornar à hiperglicemia17 entre aqueles que alcançaram a remissão do diabetes7.

No entanto, tanto a incidência13 da remissão do diabetes7 como a probabilidade da sua sustentabilidade a longo prazo foram baixas com o tratamento convencional em contextos do mundo real, numa época em que a importância da perda de peso não era totalmente apreciada.

Esse estudo fornece evidências para que os legisladores projetem e implementem intervenções precoces de controle de peso e iniciativas de remissão do diabetes7.

Veja também sobre "Obesidade20" e "Tratamento da obesidade20".

 

Fontes:
PLoS Medicine, publicação em 23 de janeiro de 2024.
New Scientist, notícia publicada em 23 de janeiro de 2024.

 

NEWS.MED.BR, 2024. Reverter o diabetes tipo 2 é muito mais difícil do que sugerem os ensaios clínicos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1465077/reverter-o-diabetes-tipo-2-e-muito-mais-dificil-do-que-sugerem-os-ensaios-clinicos.htm>. Acesso em: 28 fev. 2024.

Complementos

1 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
2 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
3 Insulina: Hormônio que ajuda o organismo a usar glicose como energia. As células-beta do pâncreas produzem insulina. Quando o organismo não pode produzir insulna em quantidade suficiente, ela é usada por injeções ou bomba de insulina.
4 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
5 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
6 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
7 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
8 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
9 Hemoglobina glicada: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
10 HbA1C: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
11 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
12 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
13 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
14 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
15 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
16 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
17 Hiperglicemia: Excesso de glicose no sangue. Hiperglicemia de jejum é o nível de glicose acima dos níveis considerados normais após jejum de 8 horas. Hiperglicemia pós-prandial acima de níveis considerados normais após 1 ou 2 horas após alimentação.
18 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
19 Cirurgia Bariátrica:
20 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
Gostou do artigo? Compartilhe!