Gostou do artigo? Compartilhe!

Mais evidências ligam a terapia de privação androgênica para câncer de próstata a efeitos neurocognitivos adversos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Homens tratados com terapia de privação androgênica (ADT) para câncer1 de próstata2 tiveram um risco significativamente maior de demência3 e outros distúrbios neurocognitivos, de acordo com uma metanálise de mais de 2,5 milhões de pacientes.

A magnitude do excesso de risco variou de 20% para demência3 a 66% para depressão. O risco de doença de Alzheimer4, demência3 vascular5 e doença de Parkinson6 aumentou significativamente entre os homens expostos à ADT em comparação com aqueles que não receberam terapia hormonal, incluindo aqueles com e sem câncer1 de próstata2.

“O risco aumentado de demência3 é observado independentemente da modalidade e duração do tratamento; no entanto, é necessária uma análise quantitativa para avaliar com precisão as diferenças entre as modalidades e durações do tratamento”, concluiu David E. Hinojosa-Gonzalez, MD, do Massachusetts General Hospital em Boston, e colegas no estudo publicado no jornal científico Prostate Cancer1 and Prostatic Diseases. “É importante notar que alguns estudos podem ter utilizado bases de dados semelhantes e coortes de pacientes sobrepostas, o que poderia introduzir potenciais vieses ou dados duplicados nesta análise”.

“Os médicos devem estar vigilantes no monitoramento de pacientes com câncer1 de próstata2 submetidos à ADT quanto a sintomas7 de declínio cognitivo8 e outros distúrbios neurodegenerativos”, acrescentaram.

As descobertas somam-se a um grande volume de dados sobre a relação entre ADT e funcionamento neurocognitivo. Dezenas de estudos e revisões examinaram a relação sem produzir respostas definitivas. Por exemplo, outra revisão sistemática e metanálise recente incluiu 31 estudos, 16 dos quais não mostraram associação entre ADT e função cognitiva9; 11 dos quais mostraram um efeito negativo em um ou mais resultados; e quatro que produziram resultados inconclusivos.

Outra revisão sistemática não mostrou consistência entre os estudos, muitos dos quais eram retrospectivos. Os autores de ainda outra revisão publicada no ano passado concluíram que “os estudos continuam a ilustrar os resultados variados em termos da associação da ADT e de outros tratamentos sistêmicos10 para o câncer1 de próstata2 com o declínio cognitivo8, apesar de metodologias e designs semelhantes. A seleção dos pacientes, os testes neuropsicológicos variados e a duração variada da ADT provavelmente explicam as diferenças observadas.”

Leia sobre "Câncer1 de próstata2", "Doenças nervosas degenerativas11" e "Antígeno12 Prostático Específico ou PSA".

Numerosos estudos individuais produziram evidências sugestivas do impacto negativo da ADT na função cognitiva9. Uma revisão de um banco de dados nacional sobre segurança de medicamentos mostrou que os homens tratados com ADT tinham uma probabilidade 47% maior de comprometimento cognitivo8 em comparação aos homens que não receberam terapia hormonal. O risco foi ainda maior em homens tratados com inibidores da sinalização do receptor de andrógenos13 (ARSIs) mais recentes, mas a associação não foi consistente em toda a classe de ARSI: risco aumentado com enzalutamida (Xtandi) e apalutamida (Erleada), mas risco diminuído com abiraterona (Zytiga).

Especialistas em câncer1 de próstata2 observam que a consideração dos potenciais efeitos adversos dos ARSIs na cognição14 deve ser equilibrada pela consideração dos benefícios clínicos potencialmente significativos. No estudo histórico ENZAMET, a enzalutamida foi associada a um declínio significativo na função cognitiva9, mas também a uma melhoria significativa na sobrevivência15 de homens com câncer1 de próstata2 metastático sensível a hormônios, que “superou a deterioração precoce da qualidade de vida relacionada à saúde16.”

Observando as evidências inconsistentes e às vezes conflitantes relatadas até o momento, Hinojosa-Gonzalez e colegas realizaram uma revisão sistemática de estudos contemporâneos examinando17 a relação entre ADT e função neurocognitiva, incluindo demência3, doença de Alzheimer4, demência3 vascular5 e doença de Parkinson6.

No artigo, eles relatam que o câncer1 de próstata2 é uma doença prevalente que precisa urgentemente ter resolvidas suas complicações relacionadas ao tratamento. Ao examinar as evidências existentes sobre a associação entre a terapia de privação androgênica (ADT) e a demência3, este estudo contribui para a compreensão dos riscos potenciais.

Procurou-se analisar as evidências atualmente disponíveis sobre o risco de demência3, doença de Alzheimer4 (DA), demência3 vascular5 e doença de Parkinson6 (DP) em pacientes submetidos à ADT.

Uma pesquisa sistemática nas bases de dados PubMed, EMBASE, Scopus e Google Scholar foi realizada para identificar estudos publicados desde o início das bases de dados até abril de 2023. Os estudos foram identificados por meio de revisão sistemática para facilitar comparações entre estudos com e sem algum grau de controle para vieses que afetam as distinções entre receptores de ADT e não receptores de ADT.

Esta revisão identificou 305 estudos, sendo que 28 atenderam aos critérios de inclusão. A heterogeneidade foi avaliada usando Higgins I2%. Variáveis com I2 acima de 50% foram consideradas heterogêneas e analisadas pelo modelo de Efeitos Aleatórios. Caso contrário, foi empregado um modelo de Efeitos Fixos.

Um total de 28 estudos foram incluídos para análise. Destes, apenas 1 estudo não informou o número de pacientes. Dos 27 estudos restantes, houve um total de 2.543.483 pacientes, incluindo 900.994 com câncer1 de próstata2 que receberam ADT, 1.262.905 com câncer1 de próstata2 que não receberam ADT e 334.682 pacientes sem câncer1 de próstata2 que não receberam ADT.

Esta análise revelou taxas de risco (HR) significativamente aumentadas de 1,20 (1,11, 1,29), p <0,00001 para demência3, HR 1,26 (1,10, 1,43), p = 0,0007 para doença de Alzheimer4, HR 1,66 (1,40, 1,97), p <0,00001 para depressão e HR 1,57 (1,31, 1,88), p <0,00001 para doença de Parkinson6. O risco de demência3 vascular5 foi HR 1,30 (0,97, 1,73), p <0,00001.

Com base na análise das evidências atualmente disponíveis, o estudo sugere que a ADT aumenta significativamente o risco de demência3, DA, DP e depressão.

Veja também sobre "Demência3", "Alzheimer18", "Parkinson" e "Sobre o uso de testosterona".

 

Fontes:
Prostate Cancer1 and Prostatic Diseases, publicação em 02 de janeiro de 2024.
MedPage Today, notícia publicada em 09 de janeiro de 2024.

 

NEWS.MED.BR, 2024. Mais evidências ligam a terapia de privação androgênica para câncer de próstata a efeitos neurocognitivos adversos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1464137/mais-evidencias-ligam-a-terapia-de-privacao-androgenica-para-cancer-de-prostata-a-efeitos-neurocognitivos-adversos.htm>. Acesso em: 28 fev. 2024.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Próstata: Glândula que (nos machos) circunda o colo da BEXIGA e da URETRA. Secreta uma substância que liquefaz o sêmem coagulado. Está situada na cavidade pélvica (atrás da parte inferior da SÍNFISE PÚBICA, acima da camada profunda do ligamento triangular) e está assentada sobre o RETO.
3 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
4 Doença de Alzheimer: É uma doença progressiva, de causa e tratamentos ainda desconhecidos que acomete preferencialmente as pessoas idosas. É uma forma de demência. No início há pequenos esquecimentos, vistos pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. Os pacientes tornam-se confusos e por vezes agressivos, passando a apresentar alterações da personalidade, com distúrbios de conduta e acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados frente a um espelho. Tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as atividades elementares como alimentação, higiene, vestuário, etc..
5 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
6 Doença de Parkinson: Doença degenerativa que afeta uma região específica do cérebro (gânglios da base), e caracteriza-se por tremores em repouso, rigidez ao realizar movimentos, falta de expressão facial e, em casos avançados, demência. Os sintomas podem ser aliviados por medicamentos adequados, mas ainda não se conhece, até o momento, uma cura definitiva.
7 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
8 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
9 Cognitiva: 1. Relativa ao conhecimento, à cognição. 2. Relativa ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
10 Sistêmicos: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
11 Degenerativas: Relativas a ou que provocam degeneração.
12 Antígeno: 1. Partícula ou molécula capaz de deflagrar a produção de anticorpo específico. 2. Substância que, introduzida no organismo, provoca a formação de anticorpo.
13 Andrógenos: Termo genérico para qualquer composto natural ou sintético, geralmente um hormônio esteróide, que estimula ou controla o desenvolvimento e manutenção das características masculinas em vertebrados ao ligar-se a receptores andrógenos. Isso inclui a atividade dos órgãos sexuais masculinos acessórios e o desenvolvimento de características sexuais secundárias masculinas. Também são os esteróides anabólicos originais. São precursores de todos os estrógenos, os hormônios sexuais femininos. São exemplos de andrógenos: testosterona, dehidroepiandrosterona (DHEA), androstenediona (Andro), androstenediol, androsterona e dihidrotestosterona (DHT).
14 Cognição: É o conjunto dos processos mentais usados no pensamento, percepção, classificação, reconhecimento e compreensão para o julgamento através do raciocínio para o aprendizado de determinados sistemas e soluções de problemas.
15 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
16 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
17 Examinando: 1. O que será ou está sendo examinado. 2. Candidato que se apresenta para ser examinado com o fim de obter grau, licença, etc., caso seja aprovado no exame.
18 Alzheimer: Doença degenerativa crônica que produz uma deterioração insidiosa e progressiva das funções intelectuais superiores. É uma das causas mais freqüentes de demência. Geralmente começa a partir dos 50 anos de idade e tem incidência similar entre homens e mulheres.
Gostou do artigo? Compartilhe!