Gostou do artigo? Compartilhe!

Análise robusta desafia a teoria de que a depressão e a ansiedade aumentam o risco de câncer

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Acredita-se que a depressão e a ansiedade aumentem o risco de uma pessoa desenvolver câncer1, mas os resultados de pesquisas têm sido inconclusivos. Numa análise de vários estudos realizados na Holanda, no Reino Unido, na Noruega e no Canadá, os pesquisadores descobriram que a depressão e a ansiedade não estão associadas a riscos mais elevados para a maioria dos tipos de câncer1 nesta população.

A análise foi publicada online no Cancer1, um periódico revisado por pares da American Cancer1 Society.

Especialistas suspeitaram que a depressão e a ansiedade podem aumentar o risco de câncer1 afetando os comportamentos relacionados com a saúde2 de uma pessoa ou tendo efeitos biológicos no corpo que apoiam o desenvolvimento do câncer1. Algumas pesquisas apoiaram uma associação entre depressão, ansiedade e incidência3 de câncer1, enquanto outras pesquisas não encontraram associações ou as associações foram insignificantes.

Para fornecer informações adicionais, Lonneke A. van Tuijl, PhD, do Centro Médico Universitário de Groningen, e seus colegas examinaram dados do consórcio internacional Fatores Psicossociais e Incidência3 de Câncer1, que inclui informações de 18 grupos de estudo prospectivos com mais de 300.000 adultos da Holanda, Reino Unido, Noruega e Canadá.

Leia sobre "Depressões", "Ansiedade normal e patológica" e "O que é o câncer1".

A equipe não encontrou associações entre depressão ou ansiedade e câncer1 em geral, de mama4, próstata5, colorretal e relacionado ao álcool durante um acompanhamento de até 26 anos. A presença de depressão ou ansiedade foi associada a um risco 6% maior de desenvolver câncer1 de pulmão6 e cânceres relacionados com o tabagismo, mas este risco foi substancialmente reduzido após ajuste para outros fatores de risco relacionados ao câncer1, incluindo tabagismo, consumo de álcool e índice de massa corporal7.

Portanto, esta análise apoia a importância de abordar o tabagismo e outros comportamentos pouco saudáveis, incluindo aqueles que podem desenvolver-se como resultado de ansiedade ou depressão.

“Nossos resultados podem ser um alívio para muitos pacientes com câncer1 que acreditam que seu diagnóstico8 é atribuído a ansiedade ou depressão anteriores”, disse o Dr. van Tuijl. “No entanto, mais pesquisas são necessárias para entender exatamente como a depressão, a ansiedade, os comportamentos de saúde2 e o câncer1 de pulmão6 estão relacionados”.

No artigo publicado, os pesquisadores relatam que há muito que se supõe que a depressão e a ansiedade estão relacionadas com um risco aumentado de câncer1. Apesar da grande quantidade de pesquisas realizadas, os resultados são inconclusivos.

Para fornecer uma base mais sólida para abordar as associações entre depressão, ansiedade e a incidência3 de vários tipos de câncer1 (câncer1 em geral, de mama4, de pulmão6, de próstata5, colorretal, relacionado ao álcool e relacionado ao tabagismo), metanálises de dados de participantes individuais (DPI) foram realizadas no âmbito do consórcio Psychosocial Factors and Cancer1 Incidence (PSY-CA).

O consórcio PSY-CA inclui dados de 18 coortes com medidas de depressão ou ansiedade (até N = 319.613; incidências de câncer1, 25.803; pessoas-anos de acompanhamento, 3.254.714). Tanto os sintomas9 quanto o diagnóstico8 de depressão e ansiedade foram examinados como preditores de risco futuro de câncer1. Foram realizadas metanálises de DPI em dois estágios, primeiro usando modelos de regressão de Cox em cada coorte10 (estágio 1) e depois agregando os resultados em metanálises de efeitos aleatórios (estágio 2).

Nenhuma associação foi encontrada entre depressão ou ansiedade e câncer1 em geral (razões de risco [HRs], 0,98–1,05), de próstata5 (HRs, 0,97-1,17), colorretal (HRs, 0,88-1,13) e relacionado ao álcool (HRs, 0,97-1,06).

Para o câncer1 da mama4, todas as HRs agrupadas foram consistentemente negativas, mas as HRs médias agrupadas foram próximas de 1 (HRs, 0,92-0,98) e o limite superior dos intervalos de confiança de 95% todos excederam 1 (com exceção dos sintomas9 de ansiedade).

Depressão e ansiedade (sintomas9 e diagnósticos) foram associadas à incidência3 de câncer1 de pulmão6 (HRs, 1,12-1,60) e cânceres relacionados ao tabagismo (HRs, 1,06-1,24). No entanto, essas associações foram substancialmente atenuadas quando ajustadas adicionalmente para fatores de risco conhecidos, incluindo tabagismo, uso de álcool e índice de massa corporal7 (HRs, 1,04-1,23).

O estudo concluiu que a depressão e a ansiedade não estão relacionadas com o aumento do risco para a maioria dos resultados de câncer1, exceto para o câncer1 de pulmão6 e os cânceres relacionados ao tabagismo. Este estudo mostra que as principais co-variáveis provavelmente explicam a relação entre depressão, ansiedade e câncer1 de pulmão6 e cânceres relacionados ao tabagismo.

Veja também sobre "Câncer1 de pulmão6", "Tabagismo" e "Como manter mais baixo o risco do consumo de bebidas alcoólicas".

 

Fontes:
Cancer1, publicação em 07 de agosto de 2023.
Wiley, notícia publicada em 07 de agosto de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Análise robusta desafia a teoria de que a depressão e a ansiedade aumentam o risco de câncer. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1444640/analise-robusta-desafia-a-teoria-de-que-a-depressao-e-a-ansiedade-aumentam-o-risco-de-cancer.htm>. Acesso em: 30 mai. 2024.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
3 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
4 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
5 Próstata: Glândula que (nos machos) circunda o colo da BEXIGA e da URETRA. Secreta uma substância que liquefaz o sêmem coagulado. Está situada na cavidade pélvica (atrás da parte inferior da SÍNFISE PÚBICA, acima da camada profunda do ligamento triangular) e está assentada sobre o RETO.
6 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
7 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
8 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
9 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
10 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
Gostou do artigo? Compartilhe!