Gostou do artigo? Compartilhe!

Curso mais curto de antibióticos se mostrou não inferior para recorrência de ITU em crianças

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Cursos mais curtos de terapia antimicrobiana para infecções1 bacterianas reduzem potencialmente a resistência antimicrobiana (colonização e infecção2) em níveis individuais e populacionais, os efeitos adversos da terapia, os custos da terapia e, possivelmente, os impactos adversos a longo prazo no microbioma3 do hospedeiro.

As diretrizes atuais nos Estados Unidos e na Europa recomendam 7 a 14 dias de terapia para infecção2 do trato urinário4 (ITU) em crianças, mas os dados comparativos sobre cursos de tratamento em crianças são limitados, apesar de a ITU ser a infecção2 bacteriana mais comum em crianças e adultos.

A identificação de cursos mais curtos eficazes seria de grande benefício, com advertências de que o subtratamento poderia ter consequências de curto prazo (por exemplo, lesão5 renal6 aguda, sepse7) e de longo prazo (por exemplo, hipertensão8, cicatrizes9 renais [ou seja, perda de néfrons10]).

No estudo randomizado11 e controlado STOP, publicado na revista Pediatrics, pesquisadores relatam que cinco dias de tratamento com antibióticos orais para infecções1 do trato urinário4 (ITU) febris em crianças não foram inferiores ao curso padrão de 10 dias.

A taxa de recorrência12 de todas as ITUs – febris e não febris – dentro de 30 dias de tratamento com amoxicilina/ácido clavulânico oral foi de 2,8% no grupo de curto prazo em comparação com 14,3% no grupo de longo prazo, para uma diferença de -11,51%, relataram Antimo Tessitore, MD, da Universidade de Trieste, na Itália, e colegas.

Leia sobre "Usos e abusos dos antibióticos", "Infecção2 urinária" e "Resistência aos antibióticos".

“Esta diferença a favor do grupo curto foi inesperada”, escreveram. “Porque o uso dos critérios de O'Brien-Fleming, com o aumento do IC de 95% para 99,5%, confirmou os resultados de não inferioridade, o Comitê Diretor decidiu que os resultados eram robustos e concordou em interromper o estudo, à luz de uma baixa taxa de recrutamento e para nos permitir destacar prontamente a eficácia da terapia curta.”

Ao observar apenas ITUs febris pós-tratamento, a taxa de recorrência12 em 30 dias foi de 1,4% no grupo de curto prazo versus 5,7% no grupo de longo prazo, para uma diferença de -4,33%, observaram. Novamente, a não inferioridade foi mantida em um IC de 99,5%.

“Nós levantamos a hipótese de que uma duração mais curta da terapia antibiótica não deveria comprometer a eficácia do tratamento e a taxa de recorrência12 de ITU, possivelmente reduzindo a resistência antimicrobiana”, escreveram Tessitore e colegas. “Se for confirmado como eficaz, o curso mais curto deverá minimizar os efeitos adversos, reduzir os custos de saúde13 e melhorar a adesão”.

“Isto mudaria o axioma tradicional de ‘completar o ciclo para prevenir a resistência’ para ‘prevenir a resistência, tomar o que for necessário’”, acrescentaram.

Notavelmente, os resultados do estudo STOP diferiram daqueles recentemente relatados do estudo SCOUT, que mostrou que a interrupção dos antibióticos quando os sintomas14 de ITU em crianças melhoraram após um curso inicial de 5 dias resultou em uma taxa de 4,1% de ITU sintomática15 persistente por acompanhamento nos dias 11-14 em comparação com 0,6% quando as crianças tiveram o curso completo de 10 dias.

O limite superior do intervalo de confiança para a diferença absoluta excedeu a margem pré-especificada de 5% necessária para não inferioridade, os pesquisadores do SCOUT relataram. No entanto, acrescentaram que a taxa de insucesso da terapia de curta duração ainda era baixa o suficiente para sugerir que poderia ser considerada uma opção razoável para crianças que apresentassem melhoria clínica após 5 dias de tratamento.

“STOP e SCOUT têm semelhanças, mas diferem em vários aspectos que provavelmente foram cumulativamente importantes para gerar resultados divergentes”, Charles Woods, MD, e James Atherton, MD, PhD, ambos da University of Tennessee Health Science Center College of Medicine, escreveram em um comentário que acompanhou a publicação do estudo. “É difícil separar fatores em qualquer estudo que identifiquem subgrupos para os quais cursos mais curtos seriam apropriados ou cursos mais longos seriam necessários.”

Dado o maior tamanho da amostra e o “desenho de estudo um pouco mais rigoroso” do estudo SCOUT, Woods e Atherton observaram que tendiam a concordar com o comentário sobre o estudo SCOUT:

  • Os dados diretos e indiretos (adultos) atualmente disponíveis apoiam o tratamento de ITU em crianças que parece limitada à cistite16 com ciclos não superiores a 5 dias.
  • Quando há preocupação clínica com pielonefrite17, parece prudente, até que haja mais dados, manter uma preferência modesta por cursos da ordem de 10 dias.

“Enquanto isso, coletivamente, não deveríamos parar de pesquisar as prováveis respostas diferenciadas às perguntas sobre a duração ideal dos antibióticos para crianças pequenas com ITU febril”, escreveram Woods e Atherton.

No artigo descrevendo os resultados do estudo STOP, os pesquisadores relatam que a infecção2 do trato urinário4 febril (ITUf) em crianças com boa aparência é convencionalmente tratada com um curso padrão de antibiótico oral de 10 dias. O objetivo deste estudo foi determinar a não inferioridade (limiar de 5%) de um curso de amoxicilina/clavulanato de 5 dias em comparação com um regime de 10 dias para tratar ITUfs.

Este foi um ensaio multicêntrico, iniciado pelo investigador, de grupos paralelos, randomizado18 e controlado. Distribuiu-se aleatoriamente crianças de 3 meses a 5 anos com uma ITUf não complicada para receber amoxicilina/clavulanato 50 + 7,12 mg/kg/dia por via oral em 3 doses divididas por 5 ou 10 dias.

O desfecho primário foi a recorrência12 de uma infecção2 do trato urinário4 dentro de 30 dias após o término da terapia. Os desfechos secundários foram a diferença na prevalência19 de recuperação clínica, eventos adversos relacionados a medicamentos e resistência à amoxicilina/ácido clavulânico e/ou a outros antibióticos quando ocorreu uma infecção2 recorrente.

De maio de 2020 a setembro de 2022, 175 crianças foram avaliadas quanto à elegibilidade e 142 foram submetidas à randomização. A taxa de recorrência12 dentro de 30 dias após o final da terapia foi de 2,8% (2/72) no grupo curto e 14,3% (10/70) no grupo padrão. A diferença entre os 2 grupos foi de -11,51% (intervalo de confiança de 95%, -20,54 a -2,47).

A taxa de recorrência12 de ITUf dentro de 30 dias a partir do final da terapia foi de 1,4% (1/72) no grupo curto e 5,7% (4/70) no grupo padrão (intervalo de confiança de 95%, -10,4 a 1,75).

Este estudo demonstra que um curso de 5 dias não é inferior a um curso de 10 dias de amoxicilina/clavulanato oral.

Veja também sobre "Principais distúrbios urinários" e "Cistite16 - como ela ocorre".

 

Fontes:
Pediatrics, publicação em 26 de dezembro de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 26 de dezembro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2024. Curso mais curto de antibióticos se mostrou não inferior para recorrência de ITU em crianças. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1463372/curso-mais-curto-de-antibioticos-se-mostrou-nao-inferior-para-recorrencia-de-itu-em-criancas.htm>. Acesso em: 23 jul. 2024.

Complementos

1 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
2 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
3 Microbioma: Comunidade ecológica de microrganismos comensais, simbióticos e patogênicos que compartilham nosso espaço corporal. Microbioma humano é o conjunto de microrganismos que reside no corpo do Homo sapiens, mantendo uma relação simbiótica com o hospedeiro. O conceito vai além do termo microbiota, incluindo também a relação entre as células microbianas e as células e sistemas humanos, por meio de seus genomas, transcriptomas, proteomas e metabolomas.
4 Trato Urinário:
5 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
6 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
7 Sepse: Infecção produzida por um germe capaz de provocar uma resposta inflamatória em todo o organismo. Os sintomas associados a sepse são febre, hipotermia, taquicardia, taquipnéia e elevação na contagem de glóbulos brancos. Pode levar à morte, se não tratada a tempo e corretamente.
8 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
9 Cicatrizes: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.
10 Néfrons: Unidades funcionais do rim formadas pelos glomérulos renais e seus respectivos túbulos.
11 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
12 Recorrência: 1. Retorno, repetição. 2. Em medicina, é o reaparecimento dos sintomas característicos de uma doença, após a sua completa remissão. 3. Em informática, é a repetição continuada da mesma operação ou grupo de operações. 4. Em psicologia, é a volta à memória.
13 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
14 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
15 Sintomática: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
16 Cistite: Inflamação ou infecção da bexiga. É uma das infecções mais freqüentes em mulheres, e manifesta-se por ardor ao urinar, urina escura ou com traços de sangue, aumento na freqüência miccional, etc.
17 Pielonefrite: Infecção dos rins produzida em geral por bactérias. A forma de aquisição mais comum é por ascensão de bactérias através dos ureteres, como complicação de uma infecção prévia de bexiga. Seus sintomas são febre, dor lombar, calafrios, eliminação de urina turva ou com traços de sangue, etc. Deve ser tratada cuidadosamente com antibióticos pelo risco de lesão permanente dos rins, com perda de função renal.
18 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
19 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
Gostou do artigo? Compartilhe!