Gostou do artigo? Compartilhe!

Novo antibiótico oral, gepotidacina, se mostrou eficaz contra infecções do trato urinário não complicadas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A gepotidacina – um novo antibiótico oral, o primeiro de sua classe – pareceu eficaz e segura para o tratamento de infecções1 do trato urinário2 (ITUs) não complicadas em dois grandes estudos de não inferioridade de fase III.

Nos dois ensaios – EAGLE-2 e EAGLE-3 – a terapia mostrou-se não inferior à nitrofurantoína, um antibiótico comumente usado como terapia de primeira linha para pacientes3 com ITUs não complicadas, relataram Florian Wagenlehner, MD, da Justus Liebig University em Giessen, Alemanha, e colegas.

No EAGLE-2, 50,6% dos 320 pacientes designados para gepotidacina e 47,0% dos 287 pacientes designados para nitrofurantoína tiveram sucesso terapêutico (diferença ajustada de 4,3%).

No EAGLE-3, 58,5% dos 277 pacientes designados para gepotidacina e 43,6% dos 264 pacientes designados para nitrofurantoína tiveram sucesso terapêutico (diferença ajustada de 14,6%), atendendo assim aos critérios de superioridade e não inferioridade.

Ambos os estudos foram interrompidos precocemente devido à eficácia.

“A gepotidacina, portanto, representa uma potencial nova opção de tratamento para infecções1 do trato urinário2 não complicadas e atende a uma importante necessidade não atendida de agentes orais que sejam eficazes contra uropatógenos resistentes aos tratamentos atualmente disponíveis”, escreveram os pesquisadores no artigo publicado no The Lancet.

A desenvolvedora do medicamento, GlaxoSmithKline (GSK), planeja iniciar os registros regulatórios para a gepotidacina no segundo semestre deste ano, de acordo com um porta-voz da empresa, que acrescentou que a terapia “poderia ser a primeira de uma nova classe de antibióticos orais para ITU não complicada em mais de 20 anos,” se aprovada.

Em análises de subgrupos pré-especificados, a gepotidacina demonstrou eficácia contra Escherichia coli – a causa mais provável de ITUs não complicadas.

Nos dois ensaios, o sucesso terapêutico global para E. coli foi de 51,1% e 59,8% para a gepotidacina e 45,9% e 44,0% para a nitrofurantoína.

A gepotidacina também demonstrou eficácia contra fenótipos de E. coli resistentes a medicamentos, bem como contra uropatógenos menos comuns.

“Devido à crescente prevalência4 mundial de resistência antimicrobiana, estes resultados sugerem que a gepotidacina tem potencial como um novo tratamento oral para infecções1 do trato urinário2 não complicadas causadas por uropatógenos comuns resistentes às terapias atuais”, observaram os autores.

Saiba mais sobre "Infecção5 urinária", "Urocultura: o que é" e "Usos e abusos dos antibióticos".

Em um comentário que acompanha o artigo, Ased Ali, PhD, do Mid Yorkshire Teaching NHS Trust em Wakefield, Inglaterra, e Catriona Anderson, do NHS Primary Care Center in Stoke em Trent, Inglaterra, disse que a perspectiva da superioridade da gepotidacina em comparação com a nitrofurantoína “provavelmente criará muita expectativa entre os médicos que tratam regularmente pacientes com infecções1 do trato urinário2 não complicadas”.

“Além disso”, acrescentaram, “a eficácia demonstrada contra os uropatógenos menos comuns, mas graves, como Proteus mirabilis, que é intrinsecamente resistente à nitrofurantoína, e Enterococcus faecalis, que é suscetível a poucos antibióticos orais, aumentará ainda mais as perspectivas para a gepotidacina.”

No artigo os pesquisadores relatam que a gepotidacina é um novo antibiótico, triaza acenaftileno, bactericida, primeiro de sua classe, que inibe a replicação do DNA bacteriano através de um mecanismo de ação distinto e um local de ligação único, proporcionando inibição bem equilibrada de duas enzimas topoisomerase tipo II.

A gepotidacina oral está sob investigação para tratar infecções1 do trato urinário2 não complicadas. O objetivo deste estudo foi comparar a eficácia e segurança da gepotidacina oral com a da nitrofurantoína em mulheres adolescentes e adultas com infecções1 do trato urinário2 não complicadas.

EAGLE-2 e EAGLE-3 foram ensaios de fase 3, randomizados, multicêntricos, duplo-cegos, de dupla-simulação, de não inferioridade (margem de 10%), nos quais as pacientes foram inscritas em 219 centros em todo o mundo. Pacientes do sexo feminino ao nascer, não grávidas, com 12 anos ou mais, pesando 40 kg ou mais, com dois ou mais sintomas6 de disúria7, frequência, urgência8 ou dor abdominal inferior e com evidência de nitrito urinário, piúria ou ambos eram elegíveis para inclusão.

As pacientes foram distribuídas aleatoriamente (1:1) centralmente por tecnologia de resposta interativa para receber gepotidacina oral (1.500 mg duas vezes ao dia durante 5 dias) ou nitrofurantoína oral (100 mg duas vezes ao dia durante 5 dias), com randomização estratificada por categoria de idade e história de infecções1 do trato urinário2 não complicadas recorrentes. Pacientes, pesquisadores e a equipe do patrocinador do estudo foram mascarados para a atribuição do tratamento.

O desfecho primário, resposta terapêutica9 (sucesso ou fracasso) no teste de cura (isto é, dias 10-13), foi avaliado em pacientes designadas aleatoriamente com uropatógenos qualificados suscetíveis à nitrofurantoína (≥105 unidades formadoras de colônias [UFC] por mL) e que receberam pelo menos uma dose do tratamento do estudo.

Em conformidade com as orientações regulamentares, o sucesso terapêutico foi definido como sucesso clínico combinado (ou seja, resolução completa dos sintomas6) e sucesso microbiológico10 (ou seja, redução de uropatógenos qualificados para <103 UFC/mL) sem outro uso de antimicrobiano sistêmico11.

As análises de segurança incluíram pacientes que foram designadas aleatoriamente e que receberam pelo menos uma dose do tratamento do estudo.

Os estudos foram realizados de 17 de outubro de 2019 a 30 de novembro de 2022 (EAGLE-2) e de 23 de abril de 2020 a 1º de dezembro de 2022 (EAGLE-3). 1.680 pacientes no EAGLE-2 e 1.731 pacientes no EAGLE-3 foram selecionadas para elegibilidade, das quais 1.531 e 1.605 foram designadas aleatoriamente, respectivamente (767 no grupo da gepotidacina e 764 no grupo da nitrofurantoína no EAGLE-2, e 805 no grupo da gepotidacina e 800 no grupo da nitrofurantoína no EAGLE-3).

Após uma análise provisória, que foi acordada prospectivamente como uma alteração do protocolo, ambos os estudos foram interrompidos quanto à eficácia. Assim, a população de análise primária incluiu apenas pacientes que, no momento do corte provisório dos dados da análise, tiveram a oportunidade de alcançar a consulta de teste de cura ou eram sabidas não terem alcançado sucesso terapêutico antes da consulta de teste de cura.

No EAGLE-2, 162 (50,6%) das 320 pacientes que receberam gepotidacina e 135 (47,0%) das 287 pacientes que receberam nitrofurantoína tiveram sucesso terapêutico (diferença ajustada 4,3%, IC 95% -3,6 a 12,1).

No EAGLE-3, 162 (58,5%) das 277 pacientes que receberam gepotidacina e 115 (43,6%) das 264 pacientes que receberam nitrofurantoína tiveram sucesso terapêutico (diferença ajustada 14,6%, IC 95% 6,4 a 22,8).

A gepotidacina foi não inferior à nitrofurantoína em ambos os estudos e superior à nitrofurantoína no EAGLE-3.

O evento adverso mais comum com gepotidacina foi diarreia12 (observado em 111 [14%] de 766 pacientes no EAGLE-2 e em 147 [18%] de 804 pacientes no EAGLE-3), enquanto o evento adverso mais comum com nitrofurantoína foi náusea13 (em 29 [4%] das 760 pacientes no EAGLE-2 e em 35 [4%] das 798 pacientes no EAGLE-3). Os casos foram em sua maioria leves ou moderados. Nenhum evento fatal ou com risco de vida ocorreu.

O estudo concluiu que a gepotidacina é um antibiótico oral eficaz com perfis de segurança e tolerabilidade aceitáveis. Como antibiótico oral experimental, primeiro de sua classe, com atividade contra uropatógenos comuns, incluindo fenótipos clinicamente importantes resistentes a medicamentos, a gepotidacina tem o potencial de oferecer benefícios substanciais aos pacientes.

Leia sobre "A resistência aos antibióticos e as superbactérias" e "Principais transtornos do volume e da frequência da micção14".

 

Fontes:
The Lancet, Vol. 403, Nº 10428, em fevereiro de 2024.
MedPage Today, notícia publicada em 12 de fevereiro de 2024.

 

NEWS.MED.BR, 2024. Novo antibiótico oral, gepotidacina, se mostrou eficaz contra infecções do trato urinário não complicadas. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1467387/novo-antibiotico-oral-gepotidacina-se-mostrou-eficaz-contra-infeccoes-do-trato-urinario-nao-complicadas.htm>. Acesso em: 21 abr. 2024.

Complementos

1 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
2 Trato Urinário:
3 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
4 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
5 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
6 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
7 Disúria: Dificuldade para urinar. Pode produzir ardor, dor, micção intermitente, etc. Em geral corresponde a uma infecção urinária.
8 Urgência: 1. Necessidade que requer solução imediata; pressa. 2. Situação crítica ou muito grave que tem prioridade sobre outras; emergência.
9 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
10 Microbiológico: Referente à microbiologia, ou seja, à especialidade biomédica que estuda os microrganismos patogênicos, responsáveis pelas doenças infecciosas, englobando a bacteriologia (bactérias), virologia (vírus) e micologia (fungos).
11 Sistêmico: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
12 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
13 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
14 Micção: Emissão natural de urina por esvaziamento da bexiga.
Gostou do artigo? Compartilhe!