Gostou do artigo? Compartilhe!

Doença arterial coronariana aos 45 anos foi associada à demência subsequente

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A idade mais jovem de início da doença arterial coronariana foi associada a riscos mais elevados de demência1 por todas as causas, doença de Alzheimer2 e demência1 vascular3 incidentes4, mostrou um grande estudo de coorte5 prospectivo6 na Grã-Bretanha.

Cada diminuição de 10 anos na idade de início da doença coronariana7 foi associada a um risco aumentado em 25% de demência1 por todas as causas, um risco aumentado em 29% de doença de Alzheimer2 e um risco aumentado em 22% de demência1 vascular3 (todos P <0,001), relataram Fanfan Zheng, PhD, da Academia Chinesa de Ciências Médicas e do Peking Union Medical College, em Pequim, e co-autores no Journal of the American Heart Association.

Leia sobre "Doenças cardiovasculares8 - o que são", "Doença arterial coronariana" e "Envelhecimento saudável".

Em todas as faixas etárias, a doença arterial coronariana diagnosticada antes dos 45 anos apresentou a taxa de risco (HR) mais alta para demência1 incidente9 em comparação com pessoas que não tinham doença coronariana7 (HR 2,40, P <0,001).

“A doença arterial coronariana já foi associada ao risco de demência1 em adultos mais velhos, no entanto, acredita-se que este seja o primeiro estudo em grande escala que examina se a idade de início da doença arterial coronariana pode ter impacto no risco de desenvolver demência1 mais tarde na vida”, disse Zheng em um comunicado.

“Em pesquisas anteriores, descobrimos que os adultos experimentaram declínio cognitivo10 acelerado após novos diagnósticos de doença coronariana”, acrescentou.

No artigo, os pesquisadores relatam que a associação da idade de início da doença arterial coronariana (DAC) com a demência1 incidente9 permanece inexplorada. O estudo teve como objetivo, portanto, examinar se a idade mais jovem de início da DAC está associada a um maior risco de demência1 incidente9.

Os dados foram obtidos do UK Biobank. Informações sobre o diagnóstico11 de DAC e demência1 foram coletadas no início e no acompanhamento. O método de correspondência por escore de propensão e modelos de riscos proporcionais de Cox foram utilizados para avaliar a associação entre diferentes idades de início da DAC e demência1 incidente9.

Um total de 432.667 adultos (idade média ± DP, 56,9 ± 8,1 anos) foram incluídos, dos quais 11,7% tinham DAC. Comparados com participantes sem DAC, os participantes com DAC apresentaram riscos mais elevados de desenvolver demência1 por todas as causas, doença de Alzheimer12 e demência1 vascular3.

Mais importante ainda, a idade mais jovem no início da DAC (por redução de 10 anos) foi significativamente associada a riscos elevados de demência1 por todas as causas (taxa de risco [HR], 1,25 [IC 95%, 1,20-1,30]; P <0,001), doença de Alzheimer2 (HR, 1,29 [IC 95%, 1,20-1,38]; P <0,001) e demência1 vascular3 (HR, 1,22 [IC 95%, 1,13-1,31]; P <0,001).

Após a correspondência do escore de propensão, os pacientes com DAC apresentaram riscos significativamente maiores de demência1 por todas as causas, doença de Alzheimer2 e demência1 vascular3 do que os controles pareados entre todas as faixas etárias de início, e os HRs aumentaram gradualmente com a diminuição da idade de início da DAC.

O estudo concluiu que a idade de início mais jovem da doença arterial coronariana está associada a riscos mais elevados de demência1 por todas as causas, doença de Alzheimer2 e demência1 vascular3 incidentes4, ressaltando a necessidade de prestar atenção ao estado neurocognitivo de indivíduos diagnosticados com doença arterial coronariana em idades mais jovens para realizar intervenções oportunas para atenuar o risco subsequente de demência1 incidente9.

“O que mais nos surpreendeu foi a relação linear entre a idade de início da doença arterial coronariana e a demência1. Isso mostra a enorme influência prejudicial da DAC prematura na saúde13 do cérebro”, disse Zheng.

“À medida que mais pessoas vivem mais e são diagnosticadas com doença coronariana7 numa idade mais jovem, é provável que haja um grande aumento no número de pessoas que vivem com demência1 nos próximos anos”, observou ela.

“Os profissionais de saúde13 devem estar atentos aos indivíduos diagnosticados com doença coronariana7 em idade jovem”, acrescentou Zheng. “O próximo passo é determinar se a modificação do risco cardiovascular no início da vida promoverá uma melhor saúde13 cerebral mais tarde na vida”.

Veja também sobre "Demência1", "Demência1 vascular3", "Mal de Alzheimer12" e "Envelhecimento cerebral normal ou patológico".

 

Fontes:
Journal of the American Heart Association, Vol. 12, Nº 23, em 29 de novembro de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 30 de novembro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Doença arterial coronariana aos 45 anos foi associada à demência subsequente. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1462572/doenca-arterial-coronariana-aos-45-anos-foi-associada-a-demencia-subsequente.htm>. Acesso em: 21 abr. 2024.

Complementos

1 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
2 Doença de Alzheimer: É uma doença progressiva, de causa e tratamentos ainda desconhecidos que acomete preferencialmente as pessoas idosas. É uma forma de demência. No início há pequenos esquecimentos, vistos pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. Os pacientes tornam-se confusos e por vezes agressivos, passando a apresentar alterações da personalidade, com distúrbios de conduta e acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados frente a um espelho. Tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as atividades elementares como alimentação, higiene, vestuário, etc..
3 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
4 Incidentes: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
5 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
6 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
7 Doença coronariana: Doença do coração causada por estreitamento das artérias que fornecem sangue ao coração. Se o fluxo é cortado, o resultado é um ataque cardíaco.
8 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
9 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
10 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
11 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
12 Alzheimer: Doença degenerativa crônica que produz uma deterioração insidiosa e progressiva das funções intelectuais superiores. É uma das causas mais freqüentes de demência. Geralmente começa a partir dos 50 anos de idade e tem incidência similar entre homens e mulheres.
13 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
Gostou do artigo? Compartilhe!