Gostou do artigo? Compartilhe!

Aumento do risco de mortalidade para adultos jovens tomando altas doses de antipsicóticos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Mortes relacionadas a medicamentos antipsicóticos foram raras entre crianças, mas os adultos jovens tomando doses mais elevadas tiveram um risco significativamente aumentado de morte, de acordo com um estudo de coorte1 retrospectivo2 nacional dos EUA de pacientes do Medicaid.

Nesta coorte3 de mais de 2 milhões de crianças e adultos jovens sem doença somática grave ou psicose4 diagnosticada, aqueles com idades entre 18 e 24 anos apresentaram risco aumentado de morte com o uso atual de agentes antipsicóticos de segunda geração em doses diárias superiores a 100 mg de equivalentes de clorpromazina em comparação com medicamentos de controle, incluindo antidepressivos e estabilizadores de humor, relataram Wayne Ray, PhD, da Vanderbilt University School of Medicine em Nashville, Tennessee, EUA, e co-autores.

Isso totalizou 127,5 mortes adicionais por 100.000 pessoas-ano, observaram eles no estudo publicado no JAMA Psychiatry.

No entanto, os autores não observaram aumento do risco de mortalidade5 entre crianças de 5 a 17 anos com doses diárias menores ou iguais a 100 mg de equivalentes de clorpromazina ou superiores a 100 mg de equivalentes de clorpromazina em comparação com medicamentos de controle. A taxa de mortalidade5 em crianças foi de 32,4 mortes por 100.000 pessoas-ano.

“Essa descoberta sugere que as fatalidades relacionadas a medicamentos antipsicóticos são raras em crianças saudáveis sem psicose4”, escreveram Ray e equipe.

Na população total do estudo, a mortalidade5 não foi associada a doses de antipsicóticos de 100 mg ou menos, mas foi associada a doses superiores a 100 mg. Para essas doses mais altas, o tratamento antipsicótico foi significativamente associado a mortes por overdose e outras mortes por lesões6 não intencionais, mas não foi associado a mortes por suicídio que não fosse por overdose ou mortes cardiovasculares/metabólicas.

Leia sobre "Informações importantes sobre medicamentos" e "Intoxicações medicamentosas".

O fato de Ray e seus colegas não terem observado um risco aumentado de mortes cardiovasculares foi “tranquilizador”, dadas as descobertas de um estudo anterior realizado em um único estado com inscritos no Medicaid e “boas evidências” que sugerem que os medicamentos aumentam o risco de mortes cardiovasculares em adultos, disse ele.

A “má notícia” foi o aumento do risco de morte devido a mortes por overdose e lesões6, com 8,3 mortes adicionais por overdose por 100.000 pessoas-ano e 12,3 mortes adicionais por lesões6 não intencionais por 100.000 pessoas-ano, acrescentou Ray.

Ele observou que o envolvimento de opiáceos foi listado em mais de metade das mortes por overdose nas certidões de óbito7, o que sugere que o uso concomitante de opiáceos e antipsicóticos pode ter sido o mecanismo da morte.

Quanto ao risco aumentado de mortes por lesões6 não intencionais, sem overdose, escreveram Ray e co-autores, “é incerto se a associação com essas mortes foi devida ou não a um efeito medicamentoso ou a correlatos não medidos do tratamento antipsicótico”.

Os antipsicóticos são frequentemente usados para tratar agitação, agressão e raiva8, e crianças em ambientes de alto risco com pouca supervisão dos pais podem ter maior probabilidade de receber prescrição desses medicamentos. Embora a maioria dos medicamentos antipsicóticos causem sedação9, o que pode aumentar o risco de lesões6 não intencionais, Ray observou que “podem ser esses fatores ambientais que aumentam o risco de morte, e não os medicamentos em si”.

No artigo publicado, os pesquisadores relatam que os efeitos relacionados à dose dos medicamentos antipsicóticos podem aumentar a mortalidade5 em crianças e adultos jovens.

O objetivo do estudo, portanto, foi comparar a mortalidade5 de pacientes de 5 a 24 anos que iniciam tratamento com antipsicóticos versus medicamentos psiquiátricos de controle.

Este foi um estudo de coorte1 retrospectivo2 nacional dos EUA de pacientes do Medicaid sem doença somática grave ou esquizofrenia10 ou psicoses relacionadas que iniciaram o tratamento medicamentoso do estudo. Os dados do estudo foram analisados de novembro de 2022 a setembro de 2023.

A exposição do estudo foi o uso atual de agentes antipsicóticos de segunda geração em doses diárias menores ou iguais a 100 mg de equivalentes de clorpromazina ou superiores a 100 mg de equivalentes de clorpromazina versus medicamentos de controle (agonistas α, atomoxetina, antidepressivos e estabilizadores de humor).

O principal desfecho do estudo foi mortalidade5 total, classificada por causa básica de morte. As medidas utilizadas foram diferenças de taxas (RDs) e taxas de risco (HRs) ajustadas para potenciais fatores de confusão com pesos de sobreposição baseados em escore de propensão.

Os 2.067.507 pacientes (idade média [DP], 13,1 [5,3] anos; 1.060.194 homens [51,3%]) que iniciaram o tratamento medicamentoso do estudo receberam 21.749.825 prescrições durante o acompanhamento, com 5.415.054 para doses de antipsicóticos de 100 mg ou menos, 2.813.796 para doses superiores a 100 mg e 13.520.975 para medicamentos de controle.

A mortalidade5 não foi associada a doses de antipsicóticos de 100 mg ou menos (RD, 3,3; IC 95%, -5,1 a 11,7 por 100.000 pessoas-ano; HR, 1,08; IC 95%, 0,89-1,32), mas foi associada a doses superiores a 100 mg (RD, 22,4; IC 95%, 6,6-38,2; HR, 1,37; IC 95%, 1,11-1,70).

Para doses mais altas, o tratamento antipsicótico foi significativamente associado a mortes por overdose (RD, 8,3; IC 95%, 0-16,6; HR, 1,57; IC 95%, 1,02-2,42) e outras mortes por lesões6 não intencionais (RD, 12,3; IC 95%, 2,4-22,2; HR, 1,57; IC 95%, 1,12-2,22), mas não foi associado a mortes por suicídio que não fossem por overdose ou mortes cardiovasculares/metabólicas.

A mortalidade5 em crianças de 5 a 17 anos não foi significativamente associada a nenhuma dose de antipsicótico, enquanto adultos jovens de 18 a 24 anos apresentaram risco aumentado para doses superiores a 100 mg (RD, 127,5; IC 95%, 44,8-210,2; HR, 1,68; IC 95%, 1,23-2,29).

Neste estudo de coorte1 com mais de 2 milhões de crianças e adultos jovens sem doença somática grave ou psicose4 diagnosticada, o tratamento antipsicótico em doses de 100 mg ou menos de equivalentes de clorpromazina ou em crianças entre os 5 e os 17 anos não foi associado ao aumento do risco de morte. Para doses superiores a 100 mg, os adultos jovens com idades compreendidas entre os 18 e os 24 anos apresentaram um risco de morte significativamente aumentado, com 127,5 mortes adicionais por 100.000 pessoas-ano.

Veja também sobre "Overdose", "Saúde11 mental" e "Antidepressivos".

 

Fontes:
JAMA Psychiatry, publicação em 29 de novembro de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 29 de novembro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Aumento do risco de mortalidade para adultos jovens tomando altas doses de antipsicóticos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1462622/aumento-do-risco-de-mortalidade-para-adultos-jovens-tomando-altas-doses-de-antipsicoticos.htm>. Acesso em: 28 mai. 2024.

Complementos

1 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
2 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
3 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
4 Psicose: Grupo de doenças psiquiátricas caracterizadas pela incapacidade de avaliar corretamente a realidade. A pessoa psicótica reestrutura sua concepção de realidade em torno de uma idéia delirante, sem ter consciência de sua doença.
5 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
6 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
7 Óbito: Morte de pessoa; passamento, falecimento.
8 Raiva: 1. Doença infecciosa freqüentemente mortal, transmitida ao homem através da mordida de animais domésticos e selvagens infectados e que produz uma paralisia progressiva juntamente com um aumento de sensibilidade perante estímulos visuais ou sonoros mínimos. 2. Fúria, ódio.
9 Sedação: 1. Ato ou efeito de sedar. 2. Aplicação de sedativo visando aliviar sensação física, por exemplo, de dor. 3. Diminuição de irritabilidade, de nervosismo, como efeito de sedativo. 4. Moderação de hiperatividade orgânica.
10 Esquizofrenia: Doença mental do grupo das Psicoses, caracterizada por alterações emocionais, de conduta e intelectuais, caracterizadas por uma relação pobre com o meio social, desorganização do pensamento, alucinações auditivas, etc.
11 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
Gostou do artigo? Compartilhe!