Gostou do artigo? Compartilhe!

Dermatite atópica foi associada ao aumento do risco de doença inflamatória intestinal em adultos e crianças

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Tanto crianças como adultos com dermatite1 atópica apresentam um risco aumentado de doença inflamatória intestinal (DII), de acordo com um estudo de coorte2 de base populacional publicado no JAMA Dermatology.

Em modelos totalmente ajustados, crianças com dermatite1 atópica tiveram um risco 44% aumentado de DII, enquanto os adultos tiveram um risco 34% aumentado em comparação com controles sem dermatite1 atópica, relataram Joel M. Gelfand, MD, da University of Pennsylvania Perelman School of Medicine, na Filadélfia, Estados Unidos, e colegas.

Dividindo por subtipo, as crianças tiveram um risco aumentado de doença de Crohn3, mas apenas aquelas com dermatite1 atópica grave tiveram um risco aumentado de colite4 ulcerativa, enquanto os adultos apresentavam riscos aumentados para doença de Crohn3 e colite4 ulcerativa.

“A associação entre DA (dermatite1 atópica) e DII pode ser explicada por fatores genéticos e ambientais compartilhados, ativação de células5 imunológicas e alterações na microbiota6 da pele7 e do intestino”, escreveram Gelfand e equipe.

“Os estudos que examinam a associação entre DA e DII são importantes porque esclarecem mecanismos fisiopatológicos comuns e porque, com o advento de abordagens terapêuticas direcionadas, podem influenciar a seleção do tratamento”, acrescentaram.

Além da idade e do subtipo de DII, a gravidade da dermatite1 atópica desempenhou um papel no aumento do risco de DII.

Saiba mais sobre "Dermatite1 atópica ou Eczema8 atópico" e "Doença inflamatória intestinal".

Por exemplo, em crianças, as taxas de incidência9 de DII e doença de Crohn3 foram maiores nos diferentes grupos de gravidade da dermatite1 atópica (intervalo 0,18-0,95 para DII e 0,10-0,91 para doença de Crohn3) em comparação com os controles (intervalo 0,15-0,16 para DII e 0,07-0,08 para doença de Crohn3). As taxas de incidência9 de colite4 ulcerativa foram semelhantes entre controles (intervalo 0,07-0,08) e pacientes que apresentavam dermatite1 atópica leve (intervalo 0,06-0,09), mas foram maiores em pacientes com dermatite1 atópica moderada (intervalo 0,13-0,23) e grave (intervalo 0,16-0,41).

Em adultos, as taxas de incidência9 de DII foram maiores em pacientes com dermatite1 atópica em comparação com controles (intervalo 0,39 a 0,41), com taxas mais altas entre aqueles com maior gravidade (leve: intervalo 0,47 a 0,53; moderada: intervalo 0,58 a 0,66; e grave: intervalo 0,94-1,25). Para a doença de Crohn3 e a colite4 ulcerativa, foram observadas taxas de incidência9 mais elevadas nos diferentes grupos com dermatite1 atópica em comparação com os controles.

A dermatite1 atópica grave foi associada aos maiores riscos aumentados de DII (HR 2,27, IC 95% 1,96-2,64), doença de Crohn3 (HR 3,50, IC 95% 2,91-4,20) e colite4 ulcerativa (HR 2,40, IC 95%, 2,00-2,88) em adultos.

“A descoberta de que este risco aumenta com a piora da gravidade da DA sugere uma possível associação causal”, concluíram Gelfand e colegas.

No artigo, os pesquisadores relatam que os dados sobre a associação entre dermatite1 atópica (DA) e doença inflamatória intestinal (DII) são inconsistentes. Poucos estudos examinaram a associação da DA ou da gravidade da DA com o risco de colite4 ulcerativa (CU) e doença de Crohn3 (DC) separadamente.

O objetivo deste estudo, portanto, foi examinar o risco de DII, CU e DC de início recente em crianças e adultos com DA.

Este estudo de coorte2 de base populacional avaliou pacientes com DA combinados com até cinco controles quanto à idade, prática e data de índice. A exposição ao tratamento foi utilizada como representativa da gravidade da DA. Os dados foram recuperados da The Health Improvement Network, um banco de dados de registros médicos eletrônicos do Reino Unido, de 1º de janeiro de 1994 a 28 de fevereiro de 2015. A análise dos dados foi realizada de 8 de janeiro de 2020 a 30 de junho de 2023.

Os resultados de interesse foram DII, CU e DC incidentes10. A regressão logística foi utilizada para examinar o risco para cada desfecho em crianças e adultos com DA em comparação com controles.

Um total de 1.809.029 controles pediátricos foram pareados com 409.431 crianças com DA (93,2% leve, 5,5% moderada e 1,3% grave). A coorte11 pediátrica variou em idade mediana de 4 a 5 anos (intervalo geral, 1-10 anos), era predominantemente masculina (936.750 [51,8%] controles, 196.996 [51,6%] com DA leve, 11.379 [50,7%] com DA moderada e 2.985 [56,1%] com DA grave) e com status socioeconômico semelhante.

Um total de 2.678.888 controles adultos foram pareados com 625.083 adultos com DA (65,7% leve, 31,4% moderada e 2,9% grave). A coorte11 de adultos variou em idade mediana de 45 a 50 anos (intervalo geral, 30-68 anos) e era predominantemente feminina (1.445.589 [54,0%] controles, 256.071 [62,3%] com DA leve, 109.404 [55,8%] com DA moderada e 10.736 [59,3%] com DA grave).

Em modelos totalmente ajustados, as crianças com DA tiveram um risco aumentado em 44% de DII (taxa de risco [HR], 1,44; IC 95%, 1,31-1,58) e um risco aumentado em 74% de DC (HR, 1,74; IC 95%, 1,54-1,97), que aumentaram com o agravamento da DA; no entanto, elas não apresentaram risco aumentado de colite4 ulcerativa (HR, 1,09; IC 95%, 0,94-1,27), exceto aquelas com DA grave (HR, 1,65; IC 95%, 1,02-2,67).

Adultos com DA tiveram um risco aumentado em 34% (HR, 1,34; IC 95%, 1,27-1,40) de DII, um risco aumentado em 36% (HR, 1,36; IC 95%, 1,26-1,47) de DC e um risco aumentado em 32% (HR, 1,32; IC 95%, 1,24-1,41) de CU, com os riscos aumentando com o agravamento da DA.

Neste estudo de coorte2, crianças e adultos com DA tiveram um risco aumentado de DII, com risco variando de acordo com a idade, gravidade da DA e subtipo de DII. Estas descobertas fornecem novos insights sobre a associação entre DA e DII.

Os médicos devem estar cientes destes riscos, particularmente ao selecionar tratamentos sistêmicos12 para a DA em pacientes que possam apresentar sintomas13 gastrointestinais coincidentes.

Leia sobre "Doença de Crohn3" e "Colite4 ulcerativa".

 

Fontes:
JAMA Dermatology, publicação em 30 de agosto de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 30 de agosto de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Dermatite atópica foi associada ao aumento do risco de doença inflamatória intestinal em adultos e crianças. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1444605/dermatite-atopica-foi-associada-ao-aumento-do-risco-de-doenca-inflamatoria-intestinal-em-adultos-e-criancas.htm>. Acesso em: 22 abr. 2024.

Complementos

1 Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
2 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
3 Doença de Crohn: Doença inflamatória crônica do intestino que acomete geralmente o íleo e o cólon, embora possa afetar qualquer outra parte do intestino. A doença cursa com períodos de remissão sintomática e outros de agravamento. Na maioria dos casos, a doença de Crohn é de intensidade moderada e se torna bem controlada pela medicação, tornando possível uma vida razoavelmente normal para seu portador. A causa da doença de Crohn ainda não é totalmente conhecida. Os sintomas mais comuns são: dor abdominal, diarreia, perda de peso, febre moderada, sensação de distensão abdominal, perda de apetite e de peso.
4 Colite: Inflamação da porção terminal do cólon (intestino grosso). Pode ser devido a infecções intestinais (a causa mais freqüente), ou a processos inflamatórios diversos (colite ulcerativa, colite isquêmica, colite por radiação, etc.).
5 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
6 Microbiota: Em ecologia, chama-se microbiota ao conjunto dos microrganismos que habitam um ecossistema, principalmente bactérias, protozoários e outros microrganismos que têm funções importantes na decomposição da matéria orgânica e, portanto, na reciclagem dos nutrientes. Fazem parte da microbiota humana uma quantidade enorme de bactérias que vivem em harmonia no organismo e auxiliam a ação do sistema imunológico e a nutrição, por exemplo.
7 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
8 Eczema: Afecção alérgica da pele, ela pode ser aguda ou crônica, caracterizada por uma reação inflamatória com formação de vesículas, desenvolvimento de escamas e prurido.
9 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
10 Incidentes: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
11 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
12 Sistêmicos: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
13 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
Gostou do artigo? Compartilhe!