Gostou do artigo? Compartilhe!

Perda de testosterona em homens mais velhos: vários fatores de estilo de vida e de saúde foram associados ao declínio dos níveis

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Numerosos fatores – incluindo índice de massa corporal1 (IMC2), estilo de vida, status de relacionamento e uma série de estados de doença – foram associados ao declínio dos níveis de testosterona em homens com mais de 70 anos, pesquisadores descobriram em um estudo publicado no jornal científico Annals of Internal Medicine.

Em uma metanálise incluindo cerca de 25.000 homens, os níveis de testosterona permaneceram bastante estáveis dos 17 aos 70 anos, mas começaram a cair significativamente depois disso (mudança de -44,7 ng/dL por aumento de desvio padrão [DP]), relataram Bu B. Yeap, PhD, da University of Western Australia em Perth, e colegas. Um aumento de DP foi de cerca de 15 anos.

Após os 70 anos, o grupo de Yeap encontrou vários fatores clínicos e de estilo de vida relacionados a essa queda de testosterona.

“Uma das descobertas que nos impressionou foi que, depois de levar em conta outros fatores, os níveis de testosterona são de fato estáveis até a idade de cerca de 70 anos”, explicou Yeap. “Depois dessa idade, os níveis de testosterona diminuíram com a idade, apesar do aumento dos níveis do hormônio3 hipofisário que impulsiona a produção de testosterona pelos testículos”.

“Isso indica que a produção de testosterona pelos testículos4 nos homens fica prejudicada após os 70 anos”, disse ele.

O IMC2 foi inversamente associado aos níveis de testosterona, com cada aumento de DP no IMC2 associado a uma queda de -69,7 ng/dL na testosterona. Apenas homens com IMC2 acima de 32 apresentaram concentrações mais altas de estradiol.

Da mesma forma, homens que praticavam atividade física vigorosa por 75 minutos ou menos por semana observaram níveis de testosterona significativamente mais baixos (-14,7 ng/dL), assim como ex-fumantes (-9,8 ng/dL).

“Os homens devem ser incentivados a adotar comportamentos de estilo de vida saudáveis, pois isso deve ajudar a manter a produção de testosterona do próprio corpo”, aconselhou Yeap.

Leia sobre "Distúrbios da testosterona", "Sobre o uso de testosterona" e "Reposição de testosterona: riscos e benefícios".

Curiosamente, homens casados – ou de outra forma em um relacionamento – também apresentavam níveis de testosterona significativamente mais baixos, independentemente da idade (-16,4 ng/dL).

“Uma possível explicação poderia ser que os homens casados e com famílias podem estar mais estressados e, portanto, ter níveis mais baixos de testosterona”, sugeriu Yeap, “mas nosso estudo não foi projetado para analisar mais profundamente esse resultado”.

Adicionalmente, os pesquisadores descobriram que ter um histórico de vários fatores de saúde5 estava associado a níveis significativamente mais baixos de testosterona após ultrapassar os 70 anos, incluindo:

Além da testosterona, o grupo de Yeap descobriu que a globulina9 ligadora de hormônios sexuais estava igualmente associada à idade e inversamente associada ao IMC2. O hormônio3 luteinizante também estava diretamente ligado à idade em homens com mais de 70 anos.

“A mensagem principal é que uma série de fatores sociodemográficos, de estilo de vida e médicos influenciam os níveis de testosterona nos homens”, disse Yeap. “Isso precisa ser considerado quando os médicos interpretam os resultados de testosterona de homens individuais, já que os níveis de testosterona podem ser mais baixos do que o esperado na presença dessas condições, em vez de serem sempre devidos a um problema nos testículos4”.

No artigo, os pesquisadores relatam que vários fatores modulam a testosterona circulante em homens, afetando a interpretação das medições de testosterona. Nesse contexto, o propósito do estudo foi esclarecer os fatores associados às variações nas concentrações dos hormônios sexuais.

Foram realizadas pesquisas bibliográficas sistemáticas (até julho de 2019). Foram selecionados estudos de coorte10 prospectivos de homens residentes na comunidade com testosterona total medida por espectrometria de massa.

A extração de dados compreendeu dados de participantes individuais (DPI) (9 estudos; n = 21.074) e dados agregados (2 estudos; n = 4.075). Foram extraídos fatores sociodemográficos, de estilo de vida e de saúde5 e concentrações de testosterona total, globulina9 ligadora de hormônios sexuais (SHBG), hormônio3 luteinizante (LH), di-hidrotestosterona e estradiol.

Metanálises de efeitos aleatórios de dois estágios de DPI encontraram uma associação não linear de testosterona com a idade, com mudança insignificante entre homens de 17 a 70 anos (alteração por aumento de DP em torno do ponto médio, -0,27 nmol/L [-7,8 ng/dL] [IC, -0,71 a 0,18 nmol/L {-20,5 a 5,2 ng/dL}]) e diminuição dos níveis de testosterona com a idade para homens com mais de 70 anos (-1,55 nmol/L [-44,7 ng/dL] [IC, -2,05 a -1,06 nmol/L {-59,1 a -30,6 ng/dL}]).

A testosterona foi inversamente associada ao índice de massa corporal1 (IMC2) (alteração por aumento de DP, -2,42 nmol/L [-69,7 ng/dL] [IC, -2,70 a -2,13 nmol/L {-77,8 a -61,4 ng/dL}]).

As concentrações de testosterona foram mais baixas para homens casados (diferença média, -0,57 nmol/L [-16,4 ng/dL] [IC, -0,89 a -0,26 nmol/L {-25,6 a -7,5 ng/dL}]); para aqueles que realizaram no máximo 75 minutos de atividade física vigorosa por semana (-0,51 nmol/L [-14,7 ng/dL] [IC, -0,90 a -0,13 nmol/L {-25,9 a -3,7 ng/dL}]); aqueles que eram ex-fumantes (-0,34 nmol/L [-9,8 ng/dL] [IC, -0,55 a -0,12 nmol/L {-15,9 a -3,5 ng/dL}]); ou tinha hipertensão6 (-0,53 nmol/L [-15,3 ng/dL] [IC, -0,82 a -0,24 nmol/L {-23,6 a -6,9 ng/dL}]), doença cardiovascular (-0,35 nmol/L [-10,1 ng/dL] [IC, -0,55 a -0,15 nmol/L {-15,9 a -4,3 ng/dL}]), câncer7 (-1,39 nmol/L [-40,1 ng/dL] [IC, -1,79 a -0,99 nmol/L {-51,6 a -28,5 ng/dL}]) ou diabetes8 (-1,43 nmol/L [-41,2 ng/dL] [IC, -1,65 a -1,22 nmol/L {-47,6 a -35,2 ng /dL}]).

A globulina9 ligadora de hormônios sexuais foi diretamente associada à idade e inversamente associada ao IMC2. O hormônio3 luteinizante foi diretamente associado à idade em homens com mais de 70 anos.

Limitações do estudo incluem: análise transversal, heterogeneidade entre estudos e no momento da coleta de sangue11 e imputação de dados faltantes.

O estudo concluiu que vários fatores estão associados à variação nas concentrações masculinas de testosterona, SHBG e LH. A redução da testosterona e o aumento das concentrações de LH podem indicar comprometimento da função testicular após os 70 anos de idade. A interpretação das medições individuais de testosterona deve considerar particularmente idade superior a 70 anos, obesidade12, diabetes8 e câncer7.

Veja também sobre "Reposição hormonal", "Principais distúrbios testiculares" e "Cálculo13 do IMC2".

 

Fontes:
Annals of Internal Medicine, publicação em 29 de agosto de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 30 de agosto de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Perda de testosterona em homens mais velhos: vários fatores de estilo de vida e de saúde foram associados ao declínio dos níveis. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1444300/perda-de-testosterona-em-homens-mais-velhos-varios-fatores-de-estilo-de-vida-e-de-saude-foram-associados-ao-declinio-dos-niveis.htm>. Acesso em: 29 mai. 2024.

Complementos

1 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
2 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
3 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
4 Testículos: Os testículos são as gônadas sexuais masculinas que produzem as células de fecundação ou espermatozóides. Nos mamíferos ocorrem aos pares e são protegidos fora do corpo por uma bolsa chamada escroto. Têm função de glândula produzindo hormônios masculinos.
5 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
6 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
7 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
8 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
9 Globulina: Qualquer uma das várias proteínas globulares pouco hidrossolúveis de uma mesma família que inclui os anticorpos e as proteínas envolvidas no transporte de lipídios pelo plasma.
10 Estudos de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
11 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
12 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
13 Cálculo: Formação sólida, produto da precipitação de diferentes substâncias dissolvidas nos líquidos corporais, podendo variar em sua composição segundo diferentes condições biológicas. Podem ser produzidos no sistema biliar (cálculos biliares) e nos rins (cálculos renais) e serem formados de colesterol, ácido úrico, oxalato de cálcio, pigmentos biliares, etc.
Gostou do artigo? Compartilhe!