Gostou do artigo? Compartilhe!

Ficar de pé e andar após uma grande cirurgia está associado a um menor risco de complicações pós-operatórias

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Os pacientes que tiveram mais mobilidade nas primeiras 48 horas após uma cirurgia eletiva1 de grande porte tiveram um risco menor de complicações do que aqueles que ficaram de pé ou andaram menos, segundo um estudo retrospectivo2 publicado no JAMA Surgery.

Cada 4 minutos de mobilização foi associado a um menor risco de um composto de complicações pós-operatórias e a um menor tempo de internação, Alparslan Turan, MD, da Cleveland Clinic em Ohio, EUA, e co-autores relataram.

De 8.653 pacientes no pós-operatório, a mobilização ocorreu por uma média de 3,2 minutos por hora para aqueles que tiveram uma complicação – lesão3 miocárdica, íleo4, acidente vascular cerebral5, tromboembolismo6 venoso, complicações pulmonares ou mortalidade7 hospitalar por todas as causas – em comparação com 4,1 minutos para aqueles que não tiveram, disseram Turan e co-autores.

No geral, 7,3% da amostra total experimentou o resultado composto. Nenhuma associação foi observada entre mobilização e escores de dor mais baixos ou reinternações reduzidas em 30 dias.

“Os resultados são presumivelmente generalizáveis porque incluímos um amplo espectro de pacientes internados com várias comorbidades8 que passaram por vários tipos de cirurgia”, escreveram os pesquisadores.

Leia sobre "Complicações pós-operatórias comuns" e "Risco cirúrgico - o que saber sobre ele".

O tempo médio de mobilização no estudo foi de 1,6 horas por dia. Isso foi menor do que os protocolos recomendados de Recuperação Aprimorada Após a Cirurgia (ERAS, do inglês Enhanced Recovery after Surgery), embora os tempos especificados em vários caminhos do ERAS não sejam baseados em evidências, apontaram Turan e co-autores. Além disso, “as recomendações atuais são amplamente baseadas na opinião de especialistas”, com pouca quantificação objetiva da mobilização, disseram.

Os acelerômetros vestíveis tornaram este estudo possível, acrescentaram os pesquisadores, observando que uma análise anterior também encontrou uma quantidade aproximadamente semelhante de mobilização pós-cirúrgica.

“Surpreendentemente, há poucas evidências de que a mobilização melhora os resultados”, observou Martin Almquist, MD, do Skåne University Hospital em Lund, Suécia, em um editorial que acompanhou a publicação do estudo.

“É difícil, e talvez antiético, randomizar pacientes para mobilizar pouco ou muito”, escreveu ele. “Assim, dados observacionais em grande escala, como os usados no presente estudo, têm um papel importante no preenchimento da lacuna de conhecimento”.

Embora a pesquisa não mostre causalidade, as descobertas oferecem aos cirurgiões e à equipe “um forte argumento para persuadir seus pacientes a sair da cama, reduzindo potencialmente o risco de complicações desagradáveis e perigosas”, acrescentou Almquist.

No artigo, os pesquisadores relatam que a mobilização após a cirurgia é um componente chave dos caminhos de Recuperação Aprimorada Após a Cirurgia (ERAS).

O objetivo do estudo foi avaliar a associação entre mobilização e um composto colapsado de complicações pós-operatórias em pacientes que se recuperam de cirurgia eletiva1 de grande porte, bem como tempo de internação hospitalar, escores cumulativos de dor e taxas de readmissão em 30 dias.

Este estudo observacional retrospectivo2 realizado em um único centro de referência quaternário dos EUA incluiu pacientes que fizeram cirurgia eletiva1 entre fevereiro de 2017 e outubro de 2020. A mobilização foi avaliada nas primeiras 48 horas de pós-operatório com acelerômetros vestíveis e os resultados foram avaliados durante a hospitalização.

Foram incluídos pacientes que tiveram cirurgia eletiva1 com duração mínima de 2 horas seguida de internação de no mínimo 48 horas. Um mínimo de 12 horas de monitoramento contínuo do acelerômetro foi necessário sem perder variáveis de confusão ou dados importantes.

Entre 16.203 participantes em potencial, 8.653 que atenderam aos critérios de inclusão foram incluídos na análise final. Os dados foram analisados de fevereiro de 2017 a outubro de 2020.

A exposição do estudo foi a quantidade de mobilização por hora durante 48 horas de pós-operatório.

O desfecho primário foi um composto de lesão3 miocárdica, íleo paralítico9, acidente vascular cerebral5, tromboembolismo6 venoso, complicações pulmonares e mortalidade7 intra-hospitalar por todas as causas. Os desfechos secundários incluíram tempo de permanência no hospital, escores cumulativos de dor e reinternação em 30 dias.

Dos 8.653 pacientes incluídos (idade média [DP], 57,6 [16,0] anos; 4.535 [52,4%] mulheres), 633 (7,3%) tiveram o desfecho primário. O tempo de mobilização foi uma mediana (IQR) de 3,9 (1,7-7,8) minutos por hora monitorada no geral, 3,2 (0,9-7,4) em pacientes que tiveram o desfecho primário e 4,1 (1,8-7,9) naqueles que não tiveram.

Houve uma associação significativa entre a mobilização pós-operatória e o resultado composto (taxa de risco [HR], 0,75; IC 95%, 0,67-0,84; P <0,001) para cada aumento de 4 minutos na mobilização.

A mobilização foi associada a uma redução mediana estimada na duração da hospitalização em 0,12 dias (IC 95%, 0,09-0,15; P <0,001) para cada aumento de 4 minutos na mobilização.

Não houve associações entre mobilização e escore de dor ou reinternação em 30 dias.

Neste estudo, a mobilização medida por acelerômetros vestíveis foi associada a menos complicações pós-operatórias e menor tempo de internação.

Veja também sobre "Laparotomia10 versus laparoscopia11", "Cirurgia robótica" e "Cirurgia bariátrica12".

 

Fontes:
JAMA Surgery, publicação em 31 de maio de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 31 de maio de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Ficar de pé e andar após uma grande cirurgia está associado a um menor risco de complicações pós-operatórias. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1439210/ficar-de-pe-e-andar-apos-uma-grande-cirurgia-esta-associado-a-um-menor-risco-de-complicacoes-pos-operatorias.htm>. Acesso em: 28 fev. 2024.

Complementos

1 Eletiva: 1. Relativo à eleição, escolha, preferência. 2. Em medicina, sujeito à opção por parte do médico ou do paciente. Por exemplo, uma cirurgia eletiva é indicada ao paciente, mas não é urgente. 3. Cujo preenchimento depende de eleição (diz-se de cargo). 4. Em bioquímica ou farmácia, aquilo que tende a se combinar com ou agir sobre determinada substância mais do que com ou sobre outra.
2 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
3 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
4 Íleo: A porção distal and mais estreita do INTESTINO DELGADO, entre o JEJUNO e a VALVA ILEOCECAL do INTESTINO GROSSO. Sinônimos: Ileum
5 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
6 Tromboembolismo: Doença produzida pela impactação de um fragmento de um trombo. É produzida quando este se desprende de seu lugar de origem, e é levado pela corrente sangüínea até produzir a oclusão de uma artéria distante do local de origem do trombo. Esta oclusão pode ter diversas conseqüências, desde leves até fatais, dependendo do tamanho do vaso ocluído e do tipo de circulação do órgão onde se deu a oclusão.
7 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
8 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
9 Íleo paralítico: O íleo adinâmico, também denominado íleo paralítico, reflexo, por inibição ou pós-operatório, é definido como uma atonia reflexa gastrintestinal, onde o conteúdo não é propelido através do lúmen, devido à parada da atividade peristáltica, sem uma causa mecânica. É distúrbio comum do pós-operatório podendo-se afirmar que ocorre após toda cirurgia abdominal, como resposta “fisiológica“ à intervenção, variando somente sua intensidade, afetando todo o aparelho digestivo ou parte dele.
10 Laparotomia: Incisão cirúrgica da parede abdominal utilizada com fins exploratórios ou terapêuticos.
11 Laparoscopia: Procedimento cirúrgico mediante o qual se introduz através de uma pequena incisão na parede abdominal, torácica ou pélvica, um instrumento de fibra óptica que permite realizar procedimentos diagnósticos e terapêuticos.
12 Cirurgia Bariátrica:
Gostou do artigo? Compartilhe!