Gostou do artigo? Compartilhe!

Certos analgésicos foram associados à insuficiência cardíaca no diabetes tipo 2

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O uso a curto prazo de anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) foi associado a um risco aumentado de hospitalização por insuficiência cardíaca1 entre pacientes com diabetes tipo 22 (DM2), de acordo com um estudo de registros dinamarqueses, publicado no Journal of the American College of Cardiology.

Entre mais de 300.000 pacientes com DM2, o uso a curto prazo de AINEs foi associado a um aumento relativo de 43% no risco de uma primeira hospitalização por insuficiência cardíaca1 nos 28 dias subsequentes, relataram Anders Holt, MD, do Copenhagen University Hospital - Herlev and Gentofte, na Dinamarca, e colegas.

Os subgrupos de maior risco eram pacientes com 80 anos ou mais; aqueles mal gerenciados, conforme evidenciado por níveis elevados de HbA1c3 e nenhum ou apenas um medicamento antidiabético; e novos usuários de AINEs sem prescrições anteriores.

Leia sobre "Cuidados necessários ao tomar anti-inflamatórios não esteroides" e "Informações importantes sobre medicamentos".

“A avaliação de risco individual é aconselhada ao prescrever AINEs para pacientes4 com diabetes mellitus5 tipo 2”, concluíram os pesquisadores.

Os AINEs já foram associados ao risco de insuficiência cardíaca1, dobrando o risco de hospitalizações por insuficiência cardíaca1 em um estudo em uma população pós-infarto do miocárdio6.

Embora as descobertas no DM2 possam não ser surpreendentes, elas são preocupantes, dado o uso generalizado de AINEs, de acordo com um editorial que acompanhou a publicação do estudo.

Várias declarações de posição já alertam contra o uso de AINEs tanto em curto quanto longo prazo em pacientes com alto risco cardiovascular, com a sugestão de que o uso seja de menor duração na menor dose que proporcione alívio, os editorialistas observaram.

No artigo, os pesquisadores investigaram a ocorrência de insuficiência cardíaca1 após medicação anti-inflamatória em pacientes com diabetes mellitus5 tipo 2.

Eles contextualizam que a retenção de líquidos e a disfunção endotelial têm sido relacionadas ao uso de anti-inflamatórios não esteroides (AINEs), e o diabetes mellitus5 tipo 2 (DM2) tem sido associado ao declínio da função renal7 e à cardiomiopatia subclínica.

Os autores então levantaram a hipótese de que o uso a curto prazo de AINEs poderia levar ao desenvolvimento subsequente de insuficiência cardíaca1 (IC) incidente8 em pacientes com DM2.

Usando registros nacionais dinamarqueses, identificou-se pacientes diagnosticados com DM2 durante 1998 a 2021 e incluiu-se pacientes sem IC prévia, doença reumática ou uso de AINEs 120 dias antes do diagnóstico9. As associações entre os AINEs e a primeira hospitalização por IC foram investigadas usando um design case-crossover com janelas de exposição de 28 dias, e ORs com intervalos de confiança (ICs) de 95% foram relatados.

Foram incluídos 331.189 pacientes com DM2: 44,2% do sexo feminino, idade média de 62 anos (IQR: 52-71 anos); 23.308 pacientes foram hospitalizados com IC durante o acompanhamento, e 16% dos pacientes alegaram pelo menos um AINE prescrito em 1 ano.

O uso de AINEs em curto prazo foi associado a um risco aumentado de hospitalização por IC (OR: 1,43; IC 95%: 1,27-1,63), principalmente em subgrupos com idade ≥80 anos (OR: 1,78; IC 95%: 1,39-2,28), níveis elevados de hemoglobina10 (Hb) A1c11 tratados com 0 a 1 medicamento antidiabético (OR: 1,68; IC 95%: 1,00-2,88) e sem uso prévio de AINEs (OR: 2,71; IC 95%: 1,78-4,23).

O estudo concluiu que os AINEs foram amplamente utilizados e foram associados a um risco aumentado de primeira hospitalização por insuficiência cardíaca1 em pacientes com diabetes tipo 22. Pacientes com idade avançada, níveis elevados de HbA1c3 e novos usuários de AINEs pareciam mais suscetíveis. Esses achados podem orientar os médicos que prescrevem AINEs.

Saiba mais sobre "Diabetes tipo 22", "Insuficiência cardíaca congestiva12" e "Sete passos para um coração13 saudável".

 

Fontes:
Journal of the American College of Cardiology, Vol. 81, Nº 15, em abril de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 10 de abril de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Certos analgésicos foram associados à insuficiência cardíaca no diabetes tipo 2. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1437055/certos-analgesicos-foram-associados-a-insuficiencia-cardiaca-no-diabetes-tipo-2.htm>. Acesso em: 22 abr. 2024.

Complementos

1 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
2 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
3 HbA1C: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
4 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
5 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
6 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
7 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
8 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
9 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
10 Hemoglobina: Proteína encarregada de transportar o oxigênio desde os pulmões até os tecidos do corpo. Encontra-se em altas concentrações nos glóbulos vermelhos.
11 A1C: O exame da Hemoglobina Glicada (A1C) ou Hemoglobina Glicosilada é um teste laboratorial de grande importância na avaliação do controle do diabetes. Ele mostra o comportamento da glicemia em um período anterior ao teste de 60 a 90 dias, possibilitando verificar se o controle glicêmico foi efetivo neste período. Isso ocorre porque durante os últimos 90 dias a hemoglobina vai incorporando glicose em função da concentração que existe no sangue. Caso as taxas de glicose apresentem níveis elevados no período, haverá um aumento da hemoglobina glicada. O valor de A1C mantido abaixo de 7% promove proteção contra o surgimento e a progressão das complicações microvasculares do diabetes (retinopatia, nefropatia e neuropatia).
12 Insuficiência Cardíaca Congestiva: É uma incapacidade do coração para efetuar as suas funções de forma adequada como conseqüência de enfermidades do próprio coração ou de outros órgãos. O músculo cardíaco vai diminuindo sua força para bombear o sangue para todo o organismo.
13 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
Gostou do artigo? Compartilhe!