Gostou do artigo? Compartilhe!

Estudo aponta diferenças consideráveis na resposta individual aos diversos medicamentos anti-hipertensivos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Testes cuidadosos mostraram às pessoas quais medicamentos para baixar a pressão arterial1 (PA) funcionaram melhor para elas, um passo inicial para tornar o tratamento personalizado para hipertensão2 uma realidade potencial.

No estudo randomizado3 PHYSIC, pacientes hipertensos tomando um de quatro medicamentos em ordem aleatória produziram diferentes respostas na PA sistólica diurna ambulatorial. Entre os indivíduos, as respostas ao tratamento em monoterapia diferiram mais entre o inibidor da enzima4 conversora de angiotensina lisinopril versus hidroclorotiazida, lisinopril versus o bloqueador do canal de cálcio amlodipina, o bloqueador do receptor de angiotensina candesartana versus hidroclorotiazida e candesartana versus amlodipina.

Em média, a monoterapia personalizada mostrou o potencial de fornecer uma redução adicional de 4,4 mmHg da PA sistólica depois que cada pessoa recebeu quase 2 meses de cada medicamento para controlar para a variação normal da PA de cada pessoa, de acordo com Johan Sundström, MD, PhD, do Uppsala University Hospital, na Suécia, e colegas.

Saiba mais sobre "O que vem a ser pressão arterial1" e "Sintomas5 da hipertensão arterial6".

“Este estudo forneceu evidências de que os medicamentos anti-hipertensivos amplamente utilizados variam em eficácia entre os indivíduos, com potencial para maiores reduções de PA com direcionamento personalizado da terapia. A média de redução adicional da PA alcançável foi substancial, de uma magnitude duas vezes maior que a obtida dobrando a dose de um primeiro medicamento redutor da PA e mais da metade do que a adição de um segundo medicamento em média”, relataram os investigadores do PHYSIC no estudo publicado no JAMA.

“Considerando os dispositivos de medição de pressão arterial1 não invasivos e vestíveis em desenvolvimento, é possível imaginar um futuro em que a medição contínua da pressão arterial1 possa diferenciar entre a eficácia de várias terapias medicamentosas fornecidas aos pacientes em protocolos de teste n-de-1 padronizados”, escreveu a equipe. “É importante observar que este estudo não propõe o processo de um ano para cada paciente usado neste estudo para identificar o tratamento ideal de um indivíduo”.

No artigo, os pesquisadores relatam a heterogeneidade na resposta da pressão arterial1 a 4 medicamentos anti-hipertensivos.

Eles contextualizam que a hipertensão2 é o principal fator de risco7 para morte prematura em todo o mundo. Múltiplas terapias para redução da pressão arterial1 estão disponíveis, mas o potencial para maximizar o benefício por direcionamento personalizado de classes de medicamentos é desconhecido.

O objetivo, portanto, foi investigar e quantificar o potencial para direcionar medicamentos específicos para indivíduos específicos para maximizar os efeitos na pressão arterial1.

Foi realizado um estudo randomizado3, duplo-cego, cruzado repetido em homens e mulheres com hipertensão2 grau 1 com baixo risco de eventos cardiovasculares em uma clínica de pesquisa ambulatorial na Suécia. Modelos de efeitos mistos foram usados para avaliar até que ponto os indivíduos responderam melhor a um tratamento do que a outro e para estimar a redução adicional da pressão arterial1 alcançável por tratamento personalizado.

Cada participante foi agendado para tratamento em ordem aleatória com 4 classes diferentes de medicamentos para baixar a pressão arterial1 (lisinopril [inibidor da enzima4 conversora de angiotensina], candesartana [bloqueador do receptor de angiotensina], hidroclorotiazida [tiazida] e amlodipina [bloqueador do canal de cálcio]), com tratamentos repetidos para 2 classes.

O principal desfecho foi a pressão arterial sistólica8 diurna ambulatorial, medida no final de cada período de tratamento.

Houve 1.468 períodos de tratamento completos (duração média, 56 dias) registrados em 270 dos 280 participantes randomizados (54% homens; idade média, 64 anos).

A resposta da pressão arterial1 aos diferentes tratamentos variou consideravelmente entre os indivíduos (P <0,001), especificamente para as escolhas de lisinopril vs hidroclorotiazida, lisinopril vs amlodipina, candesartana vs hidroclorotiazida e candesartana vs amlodipina.

Grandes diferenças foram excluídas para as escolhas de lisinopril vs candesartana e hidroclorotiazida vs amlodipina.

Em média, o tratamento personalizado teve o potencial de fornecer uma redução adicional de 4,4 mmHg da pressão arterial sistólica8.

Esses dados revelam heterogeneidade substancial na resposta da pressão arterial1 à terapia medicamentosa para hipertensão2, achados que podem ter implicações para a terapia personalizada.

Leia sobre "Os mecanismos de ação dos anti-hipertensivos".

 

Fontes:
JAMA, publicação em 11 de abril de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 11 de abril de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Estudo aponta diferenças consideráveis na resposta individual aos diversos medicamentos anti-hipertensivos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1437065/estudo-aponta-diferencas-consideraveis-na-resposta-individual-aos-diversos-medicamentos-anti-hipertensivos.htm>. Acesso em: 27 mai. 2024.

Complementos

1 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
2 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
3 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
4 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
5 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
6 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
7 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
8 Pressão arterial sistólica: É a pressão mais elevada (pico) verificada nas artérias durante a fase de sístole do ciclo cardíaco, é também chamada de pressão máxima.
Gostou do artigo? Compartilhe!