Gostou do artigo? Compartilhe!

Dados atualizados desmascaram a ideia de que beber álcool diariamente em pequena quantidade tem efeitos protetivos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Aquela taça de vinho tinto no jantar provavelmente não o protegerá de uma morte precoce, de acordo com uma metanálise atualizada sobre o impacto do álcool na longevidade, publicada no JAMA Network Open.

Em comparação com os que nunca beberam, os bebedores de “volume baixo” que mantiveram a ingestão diária de álcool abaixo de dois drinks (1,3 a 24 g de etanol) por dia não observaram nenhuma redução no risco de morte por qualquer causa, descobriram pesquisadores liderados por Jinhui Zhao, PhD, cientista e analista sênior1 de dados do Instituto Canadense para Pesquisa do Uso de Substâncias da Universidade de Victoria, na Colúmbia Britânica.

Uma cerveja típica de 350 ml ou uma taça de vinho de 150 ml contêm cerca de 14 g de etanol puro.

Os consumidores de “volume médio” que beberam cerca de três doses por dia (25 a 44 g de etanol) também não viram nenhuma proteção ou dano significativo de seus hábitos quando comparados com os não bebedores.

“Nosso estudo dá fortes motivos para o ceticismo em relação à ideia reconfortante de que o álcool com moderação é bom para a saúde”, disse o co-autor Tim Stockwell, PhD, também da Universidade de Victoria, acrescentando que continua a haver controvérsia neste tópico2.

“A ideia de que o álcool é benéfico com moderação tem uma profunda influência nas estimativas globais, nacionais e regionais do impacto do álcool na saúde3 e na segurança”, explicou. “Também tem profundas implicações para as diretrizes preparadas pelas autoridades de saúde3 para os consumidores de álcool que desejam reduzir os riscos à saúde”.

Leia sobre "Como manter mais baixo o risco do consumo de bebidas alcoólicas".

Embora o consumo baixo ou moderado de álcool não pareça aumentar o risco de morte neste estudo, ele foi consistente com outros ao sugerir que também não houve nenhum benefício real à saúde3, disse Timothy K. Brennan, MD, chefe do departamento de serviços clínicos para o Addiction Institute of Mount Sinai na cidade de Nova York.

“Nenhum álcool é melhor”, disse ele. “Beber menos é sempre melhor para nossos corpos do que beber mais.”

“Fica claro neste estudo – e em muitos outros – que beber muito não apenas aumenta a probabilidade de desenvolver uma variedade de doenças, mas também aumenta o risco de morrer”, observou Brennan, que não participou do estudo.

No artigo, os pesquisadores contextualizam que uma metanálise anterior da associação entre uso de álcool e mortalidade4 por todas as causas não encontrou reduções estatisticamente significativas no risco de mortalidade4 em baixos níveis de consumo em comparação com abstêmios ao longo da vida.

No entanto, as estimativas de risco podem ter sido afetadas pelo número e qualidade dos estudos então disponíveis, especialmente aqueles para mulheres e coortes mais jovens.

O objetivo deste estudo, portanto, foi investigar a associação entre o uso de álcool e mortalidade4 por todas as causas e como as fontes de viés podem alterar os resultados.

Uma pesquisa sistemática do PubMed e Web of Science foi realizada para identificar estudos publicados entre janeiro de 1980 e julho de 2021.

Estudos de coorte5 foram identificados por revisão sistemática para facilitar comparações de estudos com e sem algum grau de controle para vieses que afetam as distinções entre abstêmios e bebedores. A revisão identificou 107 estudos sobre uso de álcool e mortalidade4 por todas as causas publicados de 1980 a julho de 2021.

Modelos de regressão linear mistos foram usados para modelar os riscos relativos, primeiro agrupados para todos os estudos e depois estratificados por idade média da coorte6 (<56 vs ≥56 anos) e sexo (masculino vs feminino). Os dados foram analisados de setembro de 2021 a agosto de 2022.

O desfecho principal foi as estimativas de risco relativo para a associação entre ingestão diária média de álcool e mortalidade4 por todas as causas.

Houve 724 estimativas de risco de mortalidade4 por todas as causas devido à ingestão de álcool dos 107 estudos de coorte5 (4.838.825 participantes e 425.564 mortes) disponíveis para a análise.

Em modelos ajustados para possíveis efeitos de confusão de variação de amostragem, viés de ex-bebedor e outros critérios de qualidade de nível de estudo pré-especificados, a metanálise de todos os 107 estudos incluídos não encontrou risco significativamente reduzido de mortalidade4 por todas as causas entre bebedores ocasionais (>0 a <1,3 g de etanol por dia; risco relativo [RR], 0,96; IC 95%, 0,86-1,06; P = 0,41) ou bebedores de volume baixo (1,3-24,0 g por dia; RR, 0,93; P = 0,07) em comparação com os não bebedores ao longo da vida.

No modelo totalmente ajustado, houve um aumento não significativo do risco de mortalidade4 por todas as causas entre bebedores que bebiam de 25 a 44 g por dia (RR, 1,05; P = 0,28) e aumento significativo do risco para bebedores que bebiam de 45 a 64 g e 65 g ou mais por dia (RR, 1,19 e 1,35; P <0,001).

Houve riscos significativamente maiores de mortalidade4 entre mulheres que bebiam em comparação com mulheres que não bebiam (RR, 1,22; P = 0,03).

Nesta revisão sistemática e metanálise atualizada, a ingestão diária baixa ou moderada de álcool não foi significativamente associada ao risco de mortalidade4 por todas as causas, enquanto o aumento do risco foi evidente em níveis de consumo mais altos, começando em níveis mais baixos para mulheres do que para homens.

Veja também sobre "Longevidade - o que é" e "Alcoolismo".

 

Fontes:
JAMA Network Open, publicação em 31 de março de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 31 de março de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Dados atualizados desmascaram a ideia de que beber álcool diariamente em pequena quantidade tem efeitos protetivos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1436525/dados-atualizados-desmascaram-a-ideia-de-que-beber-alcool-diariamente-em-pequena-quantidade-tem-efeitos-protetivos.htm>. Acesso em: 22 abr. 2024.

Complementos

1 Sênior: 1. Que é o mais velho. 2. Diz-se de desportistas que já ganharam primeiros prêmios: um piloto sênior. 3. Diz-se de profissionais experientes que já exercem, há algum tempo, determinada atividade.
2 Tópico: Referente a uma área delimitada. De ação limitada à mesma. Diz-se dos medicamentos de uso local, como pomadas, loções, pós, soluções, etc.
3 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
4 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
5 Estudos de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
6 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
Gostou do artigo? Compartilhe!