Gostou do artigo? Compartilhe!

Imunoterapia antes da cirurgia beneficia pacientes com melanoma

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Para pacientes1 com melanoma2 ressecável avançado, o tratamento com pembrolizumabe antes e depois da cirurgia levou a melhores resultados – sem toxicidade3 adicional. Os achados são de um estudo publicado no The New England Journal of Medicine.

Já se sabe que a imunoterapia adjuvante com pembrolizumabe após a cirurgia pode ajudar a prevenir a recorrência4. Agora, estudos mecanísticos e modelos animais sugerem que a adição de tratamento neoadjuvante pode aumentar esse benefício, estimulando a proliferação precoce de células5 T antitumorais no microambiente tumoral.

O pembrolizumabe ativa o sistema imunológico6 para atingir as células5 cancerígenas para destruição. Ele é aprovado para tratar muitos tipos diferentes de câncer7, incluindo melanoma2 que não pode ser removido cirurgicamente, ou é administrado como uma opção de tratamento pós-cirúrgico (adjuvante).

A equipe de pesquisa, como parte do Southwest Oncology Group, iniciou o estudo de fase 2 para avaliar se o pembrolizumabe administrado antes da cirurgia (neoadjuvante) e como terapia adjuvante após a cirurgia poderia melhorar os resultados de pacientes com melanoma2 que pode ser removido cirurgicamente, em comparação com o número idêntico de doses de pembrolizumabe administradas inteiramente após a cirurgia.

“Os sucessos dramáticos que vimos com tratamentos medicamentosos para melanoma2 nos levaram a usá-los cada vez mais cedo no curso do paciente. A terapia neoadjuvante traz drogas poderosas para atuar no tumor8 antes mesmo da cirurgia e tem muitas vantagens potenciais. Mas muitos cirurgiões relutavam em adiar a cirurgia por medo de que o tumor8 crescesse ou se espalhasse e eles perderiam a oportunidade de cura cirúrgica”, disse Vernon Sondak, M.D., co-autor do estudo e presidente do Departamento de Oncologia Cutânea9 do Moffitt Cancer7 Center.

Saiba mais sobre "Câncer7 de pele10", "Conhecendo melhor o melanoma2" e "Imunoterapia".

O estudo incluiu 313 pacientes com melanoma2 ressecável estágio 3 ou 4 de 90 instituições nos EUA.

Com um acompanhamento médio de 14,7 meses, os 154 pacientes do grupo neoadjuvante-adjuvante tiveram uma sobrevida11 livre de eventos significativamente maior do que os 159 pacientes do grupo apenas adjuvante.

As taxas de sobrevida11 livre de eventos em dois anos foram de 72% no grupo neoadjuvante-adjuvante versus 49% no grupo apenas adjuvante.

É importante observar que houve menos recorrências12 pós-cirúrgicas nos pacientes do grupo neoadjuvante mais adjuvante.

“Os resultados do nosso estudo mostram que o momento da administração de um inibidor do checkpoint imunológico em relação à cirurgia pode ter um grande efeito nos resultados dos pacientes. Esses novos dados históricos estão mudando a prática e impactarão a forma como os médicos tratam pacientes com melanoma2 avançado que pode ser removido cirurgicamente. Temos usado a terapia neoadjuvante extensivamente há vários anos, mas esses resultados superaram até mesmo minhas expectativas elevadas”, disse Sondak. “O próximo passo é usar a terapia neoadjuvante para diminuir a quantidade de cirurgia que os pacientes podem precisar e encurtar a duração do tratamento medicamentoso que eles poderiam exigir. Estamos trabalhando exatamente nisso agora.”

No artigo, os pesquisadores contextualizam que não se sabia se o pembrolizumabe administrado antes da cirurgia (terapia neoadjuvante) e após a cirurgia (terapia adjuvante), em comparação com o pembrolizumabe administrado apenas como terapia adjuvante, aumentaria a sobrevida11 livre de eventos entre pacientes com melanoma2 ressecável estágio III ou IV.

Em um estudo de fase 2, alocou-se aleatoriamente pacientes com melanoma2 estágio III B a IV C clinicamente detectável e mensurável que era passível de ressecção cirúrgica para três doses de pembrolizumabe neoadjuvante, cirurgia e 15 doses de pembrolizumabe adjuvante (grupo neoadjuvante-adjuvante) ou cirurgia seguida por pembrolizumabe (200 mg por via intravenosa a cada 3 semanas para um total de 18 doses) por aproximadamente 1 ano ou até a doença recorrer ou efeitos tóxicos inaceitáveis se desenvolverem (grupo somente adjuvante).

O desfecho primário foi a sobrevida11 livre de eventos na população com intenção de tratar. Os eventos foram definidos como progressão da doença ou efeitos tóxicos que impediam a cirurgia; a incapacidade de ressecar toda a doença macroscópica; progressão da doença, complicações cirúrgicas ou efeitos tóxicos do tratamento que impossibilitaram o início da terapia adjuvante em até 84 dias após a cirurgia; recorrência4 do melanoma2 após cirurgia; ou morte por qualquer causa. A segurança também foi avaliada.

Em um acompanhamento médio de 14,7 meses, o grupo neoadjuvante-adjuvante (154 pacientes) apresentou sobrevida11 livre de eventos significativamente mais longa do que o grupo somente adjuvante (159 pacientes) (P = 0,004 pelo teste de log-rank).

Em uma análise histórica, a sobrevida11 livre de eventos em 2 anos foi de 72% (intervalo de confiança [IC] de 95%, 64 a 80) no grupo neoadjuvante-adjuvante e 49% (IC 95%, 41 a 59) no grupo somente adjuvante.

A porcentagem de pacientes com eventos adversos relacionados ao tratamento de grau 3 ou superior durante a terapia foi de 12% no grupo neoadjuvante-adjuvante e 14% no grupo somente adjuvante.

O estudo concluiu que, entre os pacientes com melanoma2 ressecável estágio III ou IV, a sobrevida11 livre de eventos foi significativamente maior entre aqueles que receberam pembrolizumabe antes e depois da cirurgia do que entre aqueles que receberam pembrolizumabe adjuvante sozinho. Nenhum novo efeito tóxico foi identificado.

Leia também sobre "Lesões13 pré-cancerosas da pele10" e "Câncer7 de pele10 não-melanoma2".

 

Fontes:
The New England Journal of Medicine, publicação em 02 de março de 2023.
eCancer, notícia publicada em 02 de março de 2023.
Nature Medicine, notícia publicada em 16 de março de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Imunoterapia antes da cirurgia beneficia pacientes com melanoma. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1435785/imunoterapia-antes-da-cirurgia-beneficia-pacientes-com-melanoma.htm>. Acesso em: 27 mai. 2024.

Complementos

1 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
2 Melanoma: Neoplasia maligna que deriva dos melanócitos (as células responsáveis pela produção do principal pigmento cutâneo). Mais freqüente em pessoas de pele clara e exposta ao sol.Podem derivar de manchas prévias que mudam de cor ou sangram por traumatismos mínimos, ou instalar-se em pele previamente sã.
3 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
4 Recorrência: 1. Retorno, repetição. 2. Em medicina, é o reaparecimento dos sintomas característicos de uma doença, após a sua completa remissão. 3. Em informática, é a repetição continuada da mesma operação ou grupo de operações. 4. Em psicologia, é a volta à memória.
5 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
6 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
7 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
8 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
9 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
10 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
11 Sobrevida: Prolongamento da vida além de certo limite; prolongamento da existência além da morte, vida futura.
12 Recorrências: 1. Retornos, repetições. 2. Em medicina, é o reaparecimento dos sintomas característicos de uma doença, após a sua completa remissão. 3. Em informática, é a repetição continuada da mesma operação ou grupo de operações. 4. Em psicologia, é a volta à memória.
13 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.

Artigos selecionados

Gostou do artigo? Compartilhe!