Gostou do artigo? Compartilhe!

Hepatite B antes da gravidez foi associada a cardiopatias congênitas em bebês

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A infecção1 materna pelo vírus2 da hepatite3 B (HBV) antes da gravidez4 foi significativamente associada a cardiopatias congênitas5 (CCs) na prole, mostrou um estudo de coorte6 retrospectivo7 da China, publicado no JAMA Pediatrics.

Em comparação com mulheres não infectadas, aquelas com infecção1 por HBV antes da gravidez4 tiveram um risco maior de CC na prole, com uma razão de risco relativo ajustada (aRR) de 1,23 (IC 95% 1,02-1,49), relataram Ying Yang, PhD, do National Research Institute for Family Planning em Pequim e colegas.

Além disso, em comparação com casais não infectados pelo HBV antes da gravidez4, mulheres previamente infectadas com homens não infectados apresentaram maior risco de CC na prole (aRR 1,36, IC 95% 1,09-1,69), assim como homens previamente infectados com mulheres não infectadas (aRR 1,51, IC 95% 1,09-2,09), após ajuste multivariável.

Nenhuma associação significativa foi observada entre nova infecção1 materna por HBV e CCs na prole.

Saiba mais sobre "Hepatite3 B", "Cardiopatias congênitas5" e "Malformações8 fetais".

“Nosso estudo forneceu novas evidências de associações entre a infecção1 materna pré-concepção9 pelo HBV e o risco de cardiopatias congênitas5 na prole entre mulheres chinesas em idade fértil, indicando a necessidade de triagem do HBV na preparação para a gravidez4 e a importância de se manter livre da infecção1 pelo HBV para as mulheres,” Yang e equipe escreveram. “Para aquelas mulheres com infecção1 anterior por HBV, mesmo que não tenha sido contagiosa10, elas também devem ser levadas a sério para diminuir o risco de CC na prole.”

A cardiopatia congênita11 é responsável por cerca de um terço de todos os defeitos congênitos12, observaram Yang e colegas. Como o HBV afeta 3% a 10% das mulheres em idade reprodutiva na China, a triagem deve ser recomendada nessa população, bem como para seus parceiros.

“Foi relatado que a infecção1 pelo HBV afeta não apenas os oócitos, mas também o esperma13, e pode haver um efeito de interação dos estados de infecção1 por HBV pré-concepção9 dos cônjuges”, explicaram os autores.

Eles apontaram para estudos anteriores que mostraram que as sequências de DNA do HBV foram capazes de se integrar aos cromossomos14 e ser ativas durante o desenvolvimento do embrião, “o que pode resultar em desenvolvimento anormal do coração15 embrionário”.

“A infecção1 materna pré-concepção9 por HBV pode alterar o perfil do epigenoma em recém-nascidos, o que pode influenciar o desenvolvimento embrionário do coração”, acrescentaram.

No artigo, os pesquisadores contextualizam que a infecção1 materna pelo vírus2 da hepatite3 B (HBV) durante o início da gravidez4 tem sido relacionada a cardiopatias congênitas5 (CCs) na prole. No entanto, nenhum estudo até o momento avaliou a associação da infecção1 materna por HBV antes da concepção9 com CCs na prole.

O objetivo do estudo, portanto, foi explorar a associação da infecção1 materna por HBV pré-concepção9 com CCs na prole.

Este estudo de coorte6 retrospectivo7 usou o escore de propensão com correspondência do vizinho mais próximo (1:4) de dados de 2013 a 2019 do National Free Preconception Checkup Project (NFPCP), um serviço nacional de saúde16 gratuito para mulheres em idade reprodutiva que planejam engravidar em toda a China continental. Foram incluídas mulheres de 20 a 49 anos que engravidaram até 1 ano após o exame pré-concepção9 e excluídas aquelas com filhos múltiplos. Os dados foram analisados de setembro a dezembro de 2022.

A exposição do estudo foi situações de infecção1 materna pré-concepção9 por HBV, incluindo não infecção1, infecção1 anterior e nova infecção1.

O desfecho principal foram as CCs, que foram coletadas prospectivamente do cartão de registro de defeitos congênitos12 do NFPCP. A regressão logística com variâncias robustas de erro foi usada para estimar a associação entre o estado de infecção1 materna pré-concepção9 por HBV e o risco de CC na prole, após o ajuste para variáveis de confusão.

Após a correspondência com uma proporção de 1:4, houve 3.690.427 participantes incluídas na análise final, onde 738.945 mulheres foram infectadas com HBV, incluindo 393.332 mulheres com infecção1 anterior e 345.613 mulheres com nova infecção1.

Aproximadamente 0,03% (800 de 2.951.482) das mulheres não infectadas com HBV antes da concepção9 e recém-infectadas com HBV tiveram uma criança com CCs, enquanto 0,04% (141 de 393.332) das mulheres com infecção1 por HBV antes da gravidez4 tiveram uma criança com CCs.

Após o ajuste multivariado, as mulheres com infecção1 pelo HBV antes da gravidez4 tiveram um risco maior de CC na prole em comparação com as mulheres não infectadas (taxa de risco relativo ajustada [aRR], 1,23; IC 95%, 1,02-1,49).

Além disso, em comparação com casais não infectados pelo HBV antes da gravidez4 (680 de 2.610.968 [0,026%]), mulheres previamente infectadas com homens não infectados (93 de 252.919 [0,037%]) ou homens previamente infectados com mulheres não infectadas (43 de 95.735 [0,045%]) tiveram uma maior incidência17 de CCs na prole e foram significativamente associados a um maior risco de CCs na prole (mulheres previamente infectadas com homens não infectados: aRR, 1,36; IC 95%, 1,09-1,69; homens previamente infectados com mulheres não infectadas: aRR, 1,51; IC 95%, 1,09-2,09) com ajuste multivariado, enquanto nenhuma associação significativa foi observada entre nova infecção1 materna por HBV e CCs na prole.

Neste estudo de coorte6 retrospectivo7 pareado, a infecção1 materna pré-concepção9 por HBV foi significativamente associada a cardiopatias congênitas5 na prole. Além disso, entre as mulheres com maridos não infectados pelo HBV, também foi observado um risco significativamente aumentado de CC em mulheres previamente infectadas antes da gravidez4.

Consequentemente, a triagem do HBV e a obtenção de imunidade18 induzida pela vacinação contra o HBV para casais antes da gravidez4 são indispensáveis, e aqueles com infecção1 prévia pelo HBV antes da gravidez4 também devem ser levados a sério para diminuir o risco de cardiopatias congênitas5 na prole.

Leia sobre "Hepatites19 - o que são" e "Gestação semana a semana".

 

Fontes:
JAMA Pediatrics, publicação em 13 de março de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 13 de março de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Hepatite B antes da gravidez foi associada a cardiopatias congênitas em bebês. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1435545/hepatite-b-antes-da-gravidez-foi-associada-a-cardiopatias-congenitas-em-bebes.htm>. Acesso em: 8 dez. 2023.

Complementos

1 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
2 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
3 Hepatite: Inflamação do fígado, caracterizada por coloração amarela da pele e mucosas (icterícia), dor na região superior direita do abdome, cansaço generalizado, aumento do tamanho do fígado, etc. Pode ser produzida por múltiplas causas como infecções virais, toxicidade por drogas, doenças imunológicas, etc.
4 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
5 Congênitas: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
6 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
7 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
8 Malformações: 1. Defeito na forma ou na formação; anomalia, aberração, deformação. 2. Em patologia, é vício de conformação de uma parte do corpo, de origem congênita ou hereditária, geralmente curável por cirurgia. Ela é diferente da deformação (que é adquirida) e da monstruosidade (que é incurável).
9 Concepção: O início da gravidez.
10 Contagiosa: 1. Que é transmitida por contato ou contágio. 2. Que constitui veículo para o contágio. 3. Que se transmite pela intensidade, pela influência, etc.; contagiante.
11 Congênita: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
12 Defeitos congênitos: Problemas ou condições que estão presentes ao nascimento.
13 Esperma: Esperma ou sêmen. Líquido denso, gelatinoso, branco acinzentado e opaco, que contém espermatozoides e que serve para conduzi-los até o óvulo. O esperma é o líquido da ejaculação. Ele é composto de plasma seminal e espermatozoides. Este plasma contém nutrientes que alimentam e protegem os espermatozoides.
14 Cromossomos: Cromossomos (Kroma=cor, soma=corpo) são filamentos espiralados de cromatina, existente no suco nuclear de todas as células, composto por DNA e proteínas, sendo observável à microscopia de luz durante a divisão celular.
15 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
16 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
17 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
18 Imunidade: Capacidade que um indivíduo tem de defender-se perante uma agressão bacteriana, viral ou perante qualquer tecido anormal (tumores, enxertos, etc.).
19 Hepatites: Inflamação do fígado, caracterizada por coloração amarela da pele e mucosas (icterícia), dor na região superior direita do abdome, cansaço generalizado, aumento do tamanho do fígado, etc. Pode ser produzida por múltiplas causas como infecções virais, toxicidade por drogas, doenças imunológicas, etc.
Gostou do artigo? Compartilhe!