Gostou do artigo? Compartilhe!

O treino HIIT ajuda na recuperação da caminhada após o AVC

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um novo estudo, publicado no JAMA Neurology, mostrou que o treinamento intervalado de alta intensidade (HIIT, do inglês high-intensity interval training) é seguro para pessoas que tiveram um AVC ou outro evento cardíaco e pode melhorar o condicionamento físico mais rapidamente do que os programas convencionais de exercícios de reabilitação.

O exercício de caminhada de alta intensidade ajudou os pacientes com AVC crônico1 a recuperar a capacidade de caminhar em comparação com o treinamento mais moderado, segundo dados do estudo piloto randomizado2.

Embora não tenha havido diferença significativa entre o HIIT e o treinamento aeróbico de intensidade moderada nas mudanças de distância do teste de caminhada de 6 minutos após 4 semanas (27 vs 12 m), o treinamento mais vigoroso teve maiores efeitos após 8 semanas (58 x 29 m) e 12 semanas (71 x 27 m), relataram Pierce Boyne, PhD, da Universidade de Cincinnati, e colegas.

Algumas medidas secundárias de velocidade de marcha e fadiga3 também favoreceram o HIIT.

Portanto, uma conclusão é que “durações mais longas de HIIT (>4 semanas) devem ser consideradas para obter ganhos ideais”, escreveram David J. Lin, MD, do Massachusetts General Hospital e da Harvard Medical School em Boston, e Joel Stein, MD, da Columbia University e do Weill Cornell Medical College na cidade de Nova York, em um editorial que o acompanhou a publicação do estudo.

Mais de dois terços dos pacientes com AVC têm dificuldade para andar, observaram. “Pacientes com AVC identificam a caminhada independente como uma prioridade em seus objetivos de reabilitação, e melhorias na marcha estão ligadas a uma melhor qualidade de vida”.

Saiba mais sobre "Reabilitação funcional - para que serve", "Caminhada" e "Distúrbios da marcha".

No artigo, os pesquisadores contextualizam que, para a reabilitação da caminhada após AVC, a intensidade e a duração do treinamento são parâmetros de dosagem críticos que carecem de otimização.

O objetivo do estudo, portanto, foi avaliar a intensidade ideal de treinamento (vigorosa versus moderada) e a duração mínima do treinamento (4, 8 ou 12 semanas) necessária para maximizar a melhora imediata na capacidade de caminhada em pacientes com AVC crônico1.

Este ensaio clínico randomizado2 multicêntrico usando uma análise de intenção de tratar foi realizado de janeiro de 2019 a abril de 2022 em laboratórios de pesquisa em reabilitação e exercícios. Foram incluídos sobreviventes de um único AVC com idades entre 40 e 80 anos e com limitações persistentes para andar 6 meses ou mais após o AVC.

Os participantes foram randomizados 1:1 para treinamento intervalado de alta intensidade (HIIT) ou treinamento aeróbico de intensidade moderada (TAM), cada um envolvendo 45 minutos de prática de caminhada 3 vezes por semana durante 12 semanas.

O protocolo HIIT usou explosões repetidas de 30 segundos de caminhada na velocidade máxima segura, alternadas com períodos de descanso de 30 a 60 segundos, visando uma intensidade aeróbica média acima de 60% da reserva de frequência cardíaca (RFC). O protocolo TAM utilizou caminhada contínua com velocidade ajustada para manter uma meta inicial de 40% da RFC, progredindo até 60% da RFC conforme tolerado.

O desfecho principal foi a distância percorrida no teste de caminhada de 6 minutos. Os resultados foram avaliados por avaliadores cegos após 4, 8 e 12 semanas de treinamento.

Dos 55 participantes (idade média [DP], 63 [10] anos; 36 homens [65,5%]), 27 foram randomizados para HIIT e 28 para TAM. O tempo médio (DP) desde o AVC foi de 2,5 (1,3) anos, e a distância média (DP) no teste de caminhada de 6 minutos no início do estudo foi de 239 (132) m.

Os participantes compareceram a 1.675 de 1.980 consultas de tratamento planejadas (84,6%) e 197 de 220 consultas de teste planejadas (89,5%). Não ocorreram eventos adversos graves relacionados aos procedimentos do estudo.

Os grupos tiveram alterações semelhantes na distância do teste de caminhada de 6 minutos após 4 semanas (HIIT, 27 m [IC 95%, 6-48 m]; TAM, 12 m [IC 95%, -9 a 33 m]; diferença média, 15 m [IC 95%, -13 a 42 m]; P = 0,28), mas o HIIT obteve maiores ganhos após 8 semanas (58 m [IC 95%, 39-76 m] vs 29 m [IC 95%, 9-48 m]; diferença média, 29 m [IC 95%, 5-54 m]; P = 0,02) e 12 semanas (71 m [IC 95%, 49-94 m] vs 27 m [IC 95%, 3-50 m]; diferença média, 44 m [IC 95%, 14-74 m]; P = 0,005) de treinamento.

O HIIT também mostrou melhorias maiores do que o TAM em algumas medidas secundárias de velocidade de marcha e fadiga3.

Essas descobertas mostram a prova de conceito4 de que a intensidade vigorosa do treinamento é um parâmetro de dosagem crítico para a reabilitação da caminhada. Em pacientes com AVC crônico1, exercícios vigorosos de caminhada produziram ganhos significativos na capacidade de caminhar com apenas 4 semanas de treinamento, mas pelo menos 12 semanas foram necessárias para maximizar os ganhos imediatos.

Leia sobre "Acidente Vascular Cerebral5", "Exercícios aeróbicos" e "Como é a fisioterapia6".

 

Fontes:
JAMA Neurology, publicação em 23 de fevereiro de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 23 de fevereiro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. O treino HIIT ajuda na recuperação da caminhada após o AVC. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1434370/o-treino-hiit-ajuda-na-recuperacao-da-caminhada-apos-o-avc.htm>. Acesso em: 23 set. 2023.

Complementos

1 Crônico: Descreve algo que existe por longo período de tempo. O oposto de agudo.
2 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
3 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
4 Prova de conceito: Prova de conceito (PoC ou Proof of Concept) é um termo utilizado para denominar um modelo prático que possa provar o conceito (teórico) estabelecido por uma pesquisa ou artigo técnico. Ela pode ser considerada uma implementação, em geral resumida ou incompleta, de um método ou de uma ideia, realizada com o propósito de verificar se o conceito ou a teoria em questão é susceptível de ser explorado de maneira útil.
5 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
6 Fisioterapia: Especialidade paramédica que emprega agentes físicos (água doce ou salgada, sol, calor, eletricidade, etc.), massagens e exercícios no tratamento de doenças.
Gostou do artigo? Compartilhe!