Gostou do artigo? Compartilhe!

O exercício desencadeia a quebra de gordura em alguns momentos do dia e não em outros

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O exercício faz com que as células1 de gordura2 queimem energia, mas apenas em determinados momentos do dia, sugere um estudo realizado em camundongos. De acordo com o estudo, publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences, os ritmos circadianos influenciam a atividade das células adiposas3 em resposta ao exercício. Dessa forma, o tecido adiposo4 em camundongos queima gordura2 durante os treinos realizados cedo, em vez de tarde no dia.

No artigo, os pesquisadores descrevem como a hora do dia determina o metabolismo5 pós-exercício no tecido adiposo4 de camundongos.

Leia sobre "Composição corporal - como avaliar e como melhorar" e "Tipos de exercícios físicos".

Importância

Quase todas as células1 do corpo têm um relógio circadiano biológico interno que é sincronizado por sinais6 externos. Essa maquinaria forma um loop de feedback de transcrição-tradução que antecipa e adapta a fisiologia7 do organismo ao longo do ciclo dia-noite de 24 horas.

Testou-se a hipótese de que o momento de estressores8 energéticos que afetam a glicose9 e a homeostase energética, ou seja, exercício e alimentação, podem influenciar diferencialmente o metabolismo5 no tecido adiposo4.

Descobriu-se que o exercício agudo10 provoca um efeito específico do momento de realização no tecido adiposo4, que é independente do estado de alimentação.

A sensibilidade do tecido adiposo4 ao exercício é dependente do momento e modulada de forma autônoma, conforme evidenciado pela transcrição aumentada de genes metabólicos na fase ativa cedo.

Assim, o momento do exercício pode ajustar o metabolismo5 adiposo para melhorar a homeostase energética na doença cardiometabólica.

Resumo

O relógio circadiano é um mecanismo autônomo de feedback de transcrição-tradução celular que antecipa e adapta a fisiologia7 e o comportamento às diferentes fases do dia. Uma variedade de fatores, incluindo hormônios, temperatura, ingestão de alimentos e exercícios, pode atuar em relógios periféricos específicos do tecido11 para alterar a expressão de genes que influenciam o metabolismo5, tudo de maneira dependente da hora do dia.

O objetivo deste estudo foi elucidar os efeitos do momento do exercício no metabolismo5 do tecido adiposo4.

Foi realizado o sequenciamento de RNA no tecido adiposo4 inguinal de camundongos imediatamente após exercício máximo ou tratamento simulado no repouso cedo ou na fase ativa cedo.

Somente durante a fase ativa cedo o exercício provocou um aumento imediato nos ácidos graxos não esterificados séricos. Além disso, o exercício na fase ativa cedo aumentou a expressão de marcadores de termogênese e proliferação mitocondrial no tecido adiposo4 inguinal.

In vitro, os adipócitos12 3T3-L1 sincronizados mostraram uma diferença dependente do momento na expressão do receptor beta-2 adrenérgico13 (Adrb2), bem como uma maior atividade lipolítica.

Assim, a resposta do tecido adiposo4 ao exercício é sensível à hora do dia e pode ser parcialmente impulsionada pelo relógio circadiano.

Para determinar a influência do estado de alimentação na resposta da hora do dia ao exercício, replicou-se o experimento em camundongos em fase de repouso cedo em jejum de 10 horas para imitar o estado metabólico da fase ativa cedo.

Um jejum de 10 horas levou a uma resposta lipolítica semelhante à observada após o exercício da fase ativa, mas não replicou a resposta transcriptômica, sugerindo que as mudanças observadas na expressão gênica não são impulsionadas pelo estado de alimentação.

Em conclusão, o exercício agudo10 provoca efeitos específicos do momento de realização no tecido adiposo4 para manter a homeostase metabólica.

Veja também sobre "Atividade física", "Metabolismo5", "Ritmo circadiano14" e "Gordura abdominal15 - como perder".

 

Fontes:
PNAS, publicação em 13 de fevereiro de 2023.
Nature, notícia publicada em 13 de fevereiro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. O exercício desencadeia a quebra de gordura em alguns momentos do dia e não em outros. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1434415/o-exercicio-desencadeia-a-quebra-de-gordura-em-alguns-momentos-do-dia-e-nao-em-outros.htm>. Acesso em: 13 jul. 2024.

Complementos

1 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
2 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
3 Células Adiposas: Células do corpo que geralmente armazenam GORDURAS na forma de TRIGLICERÍDEOS. Os ADIPÓCITOS BRANCOS são os tipos predominantes encontrados, na maioria das vezes, na cavidade abdominal e no tecido subcutâneo. Os ADIPÓCITOS MARRONS são células termogênicas que podem ser encontradas em recém-nascidos de algumas espécies e em mamíferos que hibernam.
4 Tecido Adiposo: Tecido conjuntivo especializado composto por células gordurosas (ADIPÓCITOS). É o local de armazenamento de GORDURAS, geralmente na forma de TRIGLICERÍDEOS. Em mamíferos, existem dois tipos de tecido adiposo, a GORDURA BRANCA e a GORDURA MARROM. Suas distribuições relativas variam em diferentes espécies sendo que a maioria do tecido adiposo compreende o do tipo branco.
5 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
6 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
7 Fisiologia: Estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
8 Estressores: Que ou o que provoca ou conduz ao estresse.
9 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
10 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
11 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
12 Adipócitos: Células do corpo que geralmente armazenam GORDURAS na forma de TRIGLICERÍDEOS. Os ADIPÓCITOS BRANCOS são os tipos predominantes encontrados, na maioria das vezes, na cavidade abdominal e no tecido subcutâneo. Os ADIPÓCITOS MARRONS são células termogênicas que podem ser encontradas em recém-nascidos de algumas espécies e em mamíferos que hibernam.
13 Adrenérgico: Que age sobre certos receptores específicos do sistema simpático, como o faz a adrenalina.
14 Ritmo circadiano: Também conhecido como ciclo circadiano, o ritmo circadiano representa o período de um dia (24 horas) no qual se completam as atividades do ciclo biológico dos seres vivos. Uma das funções deste sistema é o ajuste do relógio biológico, controlando o sono e o apetite. Através de um marca-passo interno que se encontra no cérebro, o ritmo circadiano regula tanto os ritmos materiais quanto os psicológicos, o que pode influenciar em atividade como: digestão em vigília, renovação de células e controle de temperatura corporal.
15 Gordura Abdominal: Tecido gorduroso da região do ABDOME. Dela fazem parte as GORDURAS SUBCUTÂNEAS ABDOMINAL e a INTRA-ABDOMINAL
Gostou do artigo? Compartilhe!