Gostou do artigo? Compartilhe!

Estudo sugere caminho conectando doença periodontal com artrite reumatoide

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Bactérias orais podem entrar no sangue1 e desencadear marcas de atividade imunológica envolvidas na artrite reumatoide2, de acordo com um novo estudo, publicado na revista Science Translational Medicine, reforçando a ideia de que a doença gengival pode contribuir para a condição dolorosa das articulações3.

Quando o número de bactérias bucais em cinco pessoas com artrite reumatoide2 atingiu o pico, também houve marcas de atividade de um tipo de célula4 imune chamada monócitos5, que são conhecidos por estarem envolvidos na resposta imune contra as articulações3 na artrite6.

Os pesquisadores relatam que os anticorpos7 antiproteínas citrulinadas (AAPCs) observados em muitos pacientes com artrite reumatoide2 (AR) – que servem como um marcador de diagnóstico8 e também podem desempenhar um papel etiológico9 – podem ter sua origem na doença periodontal10.

Amostras seriadas de sangue1 de pacientes com AR com doença periodontal10 mostraram a presença de RNA bacteriano oral coincidindo com elevações nos marcadores de inflamação11 sistêmica e, além disso, os pacientes carregavam AAPCs que reconheciam antígenos12 bacterianos orais, bem como proteínas13 humanas, de acordo com William H. Robinson, MD, PhD, da Universidade de Stanford, na Califórnia, e colegas.

“Nossas descobertas indicam que o dano da barreira da mucosa14 oral mediado por doença periodontal10 resulta em translocação15 repetida e espontânea de bactérias orais citrulinadas para o sangue1, que desencadeiam respostas imunes inatas e adaptativas na AR associadas a surtos de doença sistêmica”, escreveu o grupo.

Leia sobre "Artrite reumatoide2", "Periodontite: como evitar" e "Reumatismos inflamatórios sistêmicos16".

Em termos mais simples, a ideia é que as comunidades bacterianas alojadas abaixo da linha da gengiva podem romper a barreira normal entre a cavidade oral17 e a circulação18, expondo componentes bacterianos ao sistema imunológico19 e provocando respostas de anticorpos7. Esses anticorpos7 podem então reagir de forma cruzada com proteínas13 próprias para gerar ou exacerbar condições autoimunes20.

No entanto, este está longe de ser o primeiro estudo a vincular a AR à doença periodontal10. Por exemplo, um estudo de 2008 (que também não foi o primeiro) descobriu que pacientes com AR tinham um risco oito vezes maior de ter periodontite em comparação com indivíduos sem AR. Da mesma forma, em 2019, uma análise coreana mostrou que, embora a AR não estivesse relacionada à periodontite nos dados da pesquisa, era mais provável em pessoas que sofreram perda dentária precoce.

Mas o novo estudo pode ser o primeiro a sugerir um caminho causal claro entre infecções21 dentárias e AR.

No artigo, os pesquisadores relatam que a doença periodontal10 é mais comum em indivíduos com artrite reumatoide2 (AR) que apresentam anticorpos7 antiproteínas citrulinadas (AAPCs) detectáveis, implicando inflamação11 da mucosa14 oral na patogênese22 da AR. Neste estudo, então, realizou-se análise pareada de transcriptômica humana e bacteriana em amostras de sangue1 longitudinais de pacientes com AR.

Descobriu-se que pacientes com AR e doença periodontal10 apresentaram bacteremias orais repetidas associadas a assinaturas transcricionais de monócitos5 ISG15+HLADRhi e CD48highS100A2pos, recentemente identificados na sinóvia inflamada da AR e no sangue1 daqueles com surtos de AR.

As bactérias orais observadas transitoriamente no sangue1 eram amplamente citrulinadas na boca23, e seus epítopos citrulinados in situ24 foram alvo de AAPCs extensamente hipermutados somaticamente codificados por plasmablastos sanguíneos de AR.

Juntos, esses resultados sugerem que (1) a doença periodontal10 resulta em violações repetidas da mucosa14 oral que liberam bactérias orais citrulinadas na circulação18, que (2) ativam subconjuntos de monócitos5 inflamatórios que são observados na sinóvia inflamada da artrite reumatoide2 e no sangue1 de pacientes com surtos de artrite reumatoide2 e (3) ativam células25 B de AAPC, promovendo assim a maturação de afinidade e espalhamento de epítopos para antígenos12 humanos citrulinados.

Veja também sobre "Gengivite26", "Artrite6" e "Doenças autoimunes20".

 

Fontes:
Science Translational Medicine, Vol. 15, Nº 684, em 22 de fevereiro de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 22 de fevereiro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Estudo sugere caminho conectando doença periodontal com artrite reumatoide. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1434290/estudo-sugere-caminho-conectando-doenca-periodontal-com-artrite-reumatoide.htm>. Acesso em: 26 fev. 2024.

Complementos

1 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
2 Artrite reumatóide: Doença auto-imune de etiologia desconhecida, caracterizada por poliartrite periférica, simétrica, que leva à deformidade e à destruição das articulações por erosão do osso e cartilagem. Afeta mulheres duas vezes mais do que os homens e sua incidência aumenta com a idade. Em geral, acomete grandes e pequenas articulações em associação com manifestações sistêmicas como rigidez matinal, fadiga e perda de peso. Quando envolve outros órgãos, a morbidade e a gravidade da doença são maiores, podendo diminuir a expectativa de vida em cinco a dez anos.
3 Articulações:
4 Célula: Unidade funcional básica de todo tecido, capaz de se duplicar (porém algumas células muito especializadas, como os neurônios, não conseguem se duplicar), trocar substâncias com o meio externo à célula, etc. Possui subestruturas (organelas) distintas como núcleo, parede celular, membrana celular, mitocôndrias, etc. que são as responsáveis pela sobrevivência da mesma.
5 Monócitos: É um tipo de leucócito mononuclear fagocitário, que se forma na medula óssea e é posteriormente transportado para os tecidos, onde se desenvolve em macrófagos.
6 Artrite: Inflamação de uma articulação, caracterizada por dor, aumento da temperatura, dificuldade de movimentação, inchaço e vermelhidão da área afetada.
7 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
8 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
9 Etiológico: Relativo à etiologia; que investiga a causa e origem de algo.
10 Periodontal: Relativo ao ou próprio do tecido em torno dos dentes, o periodonto. O periodonto é o tecido conjuntivo que fixa o dente no alvéolo.
11 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
12 Antígenos: 1. Partículas ou moléculas capazes de deflagrar a produção de anticorpo específico. 2. Substâncias que, introduzidas no organismo, provocam a formação de anticorpo.
13 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
14 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
15 Translocação: É uma alteração cromossômica na qual um segmento de cromossomo se destaca e se fixa em outra posição no mesmo cromossomo ou sobre outro cromossomo.
16 Sistêmicos: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
17 Cavidade Oral: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
18 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
19 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
20 Autoimunes: 1. Relativo à autoimunidade (estado patológico de um organismo atingido por suas próprias defesas imunitárias). 2. Produzido por autoimunidade. 3. Autoalergia.
21 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
22 Patogênese: Modo de origem ou de evolução de qualquer processo mórbido; nosogenia, patogênese, patogenesia.
23 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
24 In situ: Mesmo que in loco , ou seja, que está em seu lugar natural ou normal (diz-se de estrutura ou órgão). Em oncologia, é o que permanece confinado ao local de origem, sem invadir os tecidos vizinhos (diz-se de tumor).
25 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
26 Gengivite: Condição em que as gengivas apresentam-se com sinais inflamatórios e sangramentos.
Gostou do artigo? Compartilhe!