Gostou do artigo? Compartilhe!

Quimioterapia antes da cirurgia pode melhorar as taxas de sobrevivência em pacientes com câncer de pâncreas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O tratamento de pacientes com câncer1 pancreático com quimioterapia2 antes da cirurgia melhorou significativamente as taxas de sobrevida3 de um ano em comparação com a cirurgia imediata, descobriu um ensaio clínico randomizado4.

Publicado no The Lancet Gastroenterology & Hepatology, o estudo foi conduzido pela Universidade de Liverpool em nome do European Study Group for Pancreatic Cancer1 (ESPAC) e apoiado pela Cancer1 Research UK.

Cerca de 10.500 pessoas por ano no Reino Unido são diagnosticadas com câncer1 de pâncreas5, mas esse tipo de câncer1 tem a menor taxa de sobrevivência6, com cerca de 9.000 mortes a cada ano.

O câncer1 de pâncreas5 é um câncer1 difícil de tratar, sendo a cirurgia o tratamento de escolha. Quando o câncer1 envolve os vasos sanguíneos7 locais, a possibilidade de remoção cirúrgica é inferior a 50% e os resultados são ruins.

No entanto, o uso de quimioterapia2 ou quimiorradioterapia antes da tentativa de cirurgia (terapia neoadjuvante) pode aumentar a possibilidade de remoção cirúrgica e melhorar a sobrevida3.

O estudo ESPAC-5 teve como objetivo comparar o uso de três tipos diferentes de terapia neoadjuvante de curta duração versus cirurgia imediata em pacientes com câncer1 pancreático limítrofe ressecável, para ver se essa abordagem poderia melhorar os resultados dos pacientes.

Saiba mais sobre "Câncer1 de pâncreas5", "Quimioterapia2" e "Radioterapia8".

A equipe recrutou 90 pacientes no Reino Unido e na Alemanha entre 2014 e 2018 e os alocou aleatoriamente para os diferentes grupos de tratamento, acompanhando-os por 12 meses.

Alguns pacientes tiveram a cirurgia como primeiro tratamento, alguns fizeram quimioterapia2 antes da cirurgia e outros fizeram quimiorradioterapia antes da cirurgia.

Os pesquisadores descobriram que a terapia neoadjuvante proporcionou um benefício significativo na sobrevida3 dos pacientes.

A taxa de sobrevida3 global de um ano foi de 84% para FOLFIRINOX, 78% para gencitabina mais capecitabina e 60% para aqueles que receberam quimiorradioterapia à base de capecitabina, em comparação com 39% para cirurgia imediata.

Não houve diferença significativa nas taxas de remoção cirúrgica entre os grupos de pacientes cirúrgico e neoadjuvante, e todos os tratamentos foram bem tolerados.

A professora Paula Ghaneh, que liderou o estudo no Departamento de Medicina Molecular e Clínica do Câncer1 da Universidade de Liverpool, disse: “Embora este seja um estudo de viabilidade, esses resultados fornecem evidências convincentes para o uso de quimioterapia2 neoadjuvante de curta duração no câncer1 pancreático limítrofe ressecável. Estudos futuros se concentrarão no tipo e duração da terapia neoadjuvante. Serão necessários mais trabalhos para explorar o papel da terapia neoadjuvante no câncer1 pancreático ressecável.”

A diretora-executiva da Cancer1 Research UK, Michelle Mitchell, disse: “Uma das maneiras mais rápidas de vencer o câncer1 é fazer uso mais eficaz dos tratamentos que já temos ao nosso alcance. Um número crescente de estudos está mostrando que dar alguma quimioterapia2 antes da cirurgia pode melhorar radicalmente a qualidade de vida de pacientes com câncer1. O estudo ESPAC5 mostra novas evidências empolgantes de que a quimioterapia2 antes da cirurgia pode beneficiar pacientes com câncer1 pancreático, quando detectado precocemente. Estou ansiosa por novas pesquisas que impulsionarão o uso rotineiro da quimioterapia2 pré-operatória no National Health Service.”

Resumo do artigo

Pacientes com adenocarcinoma9 ductal pancreático limítrofe ressecável têm taxas de ressecção relativamente baixas e baixa sobrevida3, apesar do uso de quimioterapia2 adjuvante. O objetivo do estudo foi estabelecer a viabilidade e eficácia de três tipos diferentes de terapia neoadjuvante de curta duração em comparação com a cirurgia imediata.

O ESPAC5 foi um estudo multicêntrico, aberto, randomizado4 e controlado realizado em 16 centros pancreáticos em dois países (Reino Unido e Alemanha). Os pacientes elegíveis tinham 18 anos ou mais, com um status de desempenho da OMS de 0 ou 1, adenocarcinoma9 ductal pancreático comprovado por biópsia10 na cabeça11 do pâncreas5 e foram classificados como tendo um tumor12 limítrofe ressecável por critérios de tomografia computadorizada13 (TC) com contraste após revisão central.

Os participantes foram aleatoriamente designados por meio de minimização para um dos quatro grupos: cirurgia imediata; gencitabina e capecitabina neoadjuvantes (gencitabina 1.000 mg/m² nos dias 1, 8 e 15, e capecitabina oral 830 mg/m² duas vezes ao dia nos dias 1 a 21 de um ciclo de 28 dias por dois ciclos); FOLFIRINOX neoadjuvante (85 mg/m² de oxaliplatina, 180 mg/m² de irinotecano, ácido folínico administrado de acordo com a prática local e injeção14 em bolus15 de fluorouracil 400 mg/m² nos dias 1 e 15, seguido de infusão intravenosa de 2.400 mg/m² por 46h administrada nos dias 1 e 15, repetida a cada 2 semanas por quatro ciclos); ou quimiorradiação neoadjuvante à base de capecitabina (dose total de 50,4 Gy em 28 frações diárias durante 5,5 semanas [1,8 Gy por fração, segunda a sexta-feira] com capecitabina 830 mg/m² duas vezes ao dia [segunda a sexta-feira] durante a radioterapia8).

Os pacientes foram submetidos a reestadiamento da TC com contraste em 4-6 semanas após a terapia neoadjuvante e foram submetidos à exploração cirúrgica se o tumor12 ainda fosse, pelo menos, limítrofe ressecável.

Todos os pacientes que tiveram o tumor12 ressecado receberam terapia adjuvante a critério do oncologista. Os desfechos primários foram taxa de recrutamento e taxa de ressecção. As análises foram feitas com base na intenção de tratar.

Leia sobre "O que é o câncer1" e "Adenocarcinoma9: o que é".

Entre 3 de setembro de 2014 e 20 de dezembro de 2018, de 478 pacientes triados, 90 foram designados aleatoriamente para um grupo (33 para cirurgia imediata, 20 para gencitabina mais capecitabina, 20 para FOLFIRINOX e 17 para quimiorradiação à base de capecitabina); quatro pacientes foram excluídos da análise de intenção de tratar (um na quimiorradioterapia à base de capecitabina retirou o consentimento antes de iniciar a terapia e três [dois no grupo de cirurgia imediata e um no grupo de gencitabina mais capecitabina] foram considerados inelegíveis após a randomização). 44 (80%) dos 55 pacientes completaram a terapia neoadjuvante.

A taxa de recrutamento foi de 25,92 pacientes por ano em 16 locais; 21 (68%) de 31 pacientes na cirurgia imediata e 30 (55%) de 55 pacientes nos grupos de terapia neoadjuvante combinada foram submetidos à ressecção (p = 0,33). A ressecção R0 foi alcançada em três (14%) de 21 pacientes no grupo de cirurgia imediata e sete (23%) de 30 nos grupos de terapia neoadjuvante combinados (p = 0,49). Complicações cirúrgicas foram observadas em 29 (43%) dos 68 pacientes operados; nenhum paciente morreu em 30 dias.

46 (84%) dos 55 pacientes que receberam terapia neoadjuvante estavam disponíveis para reestadiamento. Seis (13%) de 46 tiveram uma resposta parcial. O tempo médio de acompanhamento foi de 12,2 meses (IC 95% 12,0-12,4).

A sobrevida3 global em 1 ano foi de 39% (IC 95% 24-61) para cirurgia imediata, 78% (60-100) para gencitabina mais capecitabina, 84% (70-100) para FOLFIRINOX e 60% (37-97) para quimiorradioterapia baseada em capecitabina (p = 0,0028).

A sobrevida3 livre de doença em 1 ano após a cirurgia foi de 33% (IC 95% 19-58) para cirurgia imediata e 59% (46-74) para as terapias neoadjuvantes combinadas (razão de risco 0,53 [IC 95% 0,28-0,98], p = 0,016).

Três pacientes relataram recorrência16 local da doença (dois no grupo de cirurgia imediata e um no grupo FOLFIRINOX). 78 (91%) pacientes foram incluídos no conjunto de segurança e avaliados quanto a eventos de toxicidade17. 19 (24%) de 78 pacientes relataram um evento adverso de grau 3 ou pior (dois [7%] de 28 pacientes no grupo de cirurgia imediata e 17 [34%] de 50 pacientes nos grupos de terapia neoadjuvante combinados), os mais comuns dos quais foram neutropenia18, infecção19 e hiperglicemia20.

O recrutamento foi desafiador. Não houve diferença significativa nas taxas de ressecção entre pacientes submetidos à cirurgia imediata e aqueles submetidos à terapia neoadjuvante. A terapia neoadjuvante de curta duração (8 semanas) teve um benefício de sobrevida3 significativo em comparação com a cirurgia imediata. A quimioterapia2 neoadjuvante com gencitabina mais capecitabina ou FOLFIRINOX teve a melhor sobrevida3 em comparação com a cirurgia imediata.

Esses achados suportam o uso de quimioterapia2 neoadjuvante de curta duração em pacientes com adenocarcinoma9 ductal pancreático limítrofe ressecável.

 

Fontes:
The Lancet Gastroenterology & Hepatology, publicação em 12 de dezembro de 2022.
Oncology News Today, notícia publicada em 28 de dezembro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Quimioterapia antes da cirurgia pode melhorar as taxas de sobrevivência em pacientes com câncer de pâncreas. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1433855/quimioterapia-antes-da-cirurgia-pode-melhorar-as-taxas-de-sobrevivencia-em-pacientes-com-cancer-de-pancreas.htm>. Acesso em: 30 mar. 2023.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
3 Sobrevida: Prolongamento da vida além de certo limite; prolongamento da existência além da morte, vida futura.
4 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
5 Pâncreas: Órgão nodular (no ABDOME) que abriga GLÂNDULAS ENDÓCRINAS e GLÂNDULAS EXÓCRINAS. A pequena porção endócrina é composta pelas ILHOTAS DE LANGERHANS, que secretam vários hormônios na corrente sangüínea. A grande porção exócrina (PÂNCREAS EXÓCRINO) é uma glândula acinar composta, que secreta várias enzimas digestivas no sistema de ductos pancreáticos (que desemboca no DUODENO).
6 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
7 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
8 Radioterapia: Método que utiliza diversos tipos de radiação ionizante para tratamento de doenças oncológicas.
9 Adenocarcinoma: É um câncer (neoplasia maligna) que se origina em tecido glandular. O termo adenocarcinoma é derivado de “adeno”, que significa “pertencente a uma glândula” e “carcinoma”, que descreve um câncer que se desenvolveu em células epiteliais.
10 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
11 Cabeça:
12 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
13 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
14 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
15 Bolus: Uma quantidade extra de insulina usada para reduzir um aumento inesperado da glicemia, freqüentemente relacionada a uma refeição rápida.
16 Recorrência: 1. Retorno, repetição. 2. Em medicina, é o reaparecimento dos sintomas característicos de uma doença, após a sua completa remissão. 3. Em informática, é a repetição continuada da mesma operação ou grupo de operações. 4. Em psicologia, é a volta à memória.
17 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
18 Neutropenia: Queda no número de neutrófilos no sangue abaixo de 1000 por milímetro cúbico. Esta é a cifra considerada mínima para manter um sistema imunológico funcionando adequadamente contra os agentes infecciosos mais freqüentes. Quando uma pessoa neutropênica apresenta febre, constitui-se uma situação de “emergência infecciosa”.
19 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
20 Hiperglicemia: Excesso de glicose no sangue. Hiperglicemia de jejum é o nível de glicose acima dos níveis considerados normais após jejum de 8 horas. Hiperglicemia pós-prandial acima de níveis considerados normais após 1 ou 2 horas após alimentação.
Gostou do artigo? Compartilhe!