Gostou do artigo? Compartilhe!

O risco de insuficiência cardíaca persiste muito tempo após a quimioterapia, independentemente da dose

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Usuários de antraciclinas com câncer1 de mama2 ou linfoma3 tiveram um risco precoce de insuficiência cardíaca congestiva4 (ICC) que persistiu durante o acompanhamento de longo prazo em um estudo de caso-controle de base populacional.

Os resultados, publicados no JAMA Network Open, apontam para um risco cardiovascular várias vezes maior com o uso de antraciclinas, que persistiu por mais de duas décadas.

A incidência5 cumulativa de um novo início de ICC foi significativamente maior para pacientes6 com câncer1 tratados com antraciclinas em comparação com controles saudáveis em todos os momentos -- a saber:

  • 1 ano: 1,81% vs 0,09%
  • 5 anos: 2,91% vs 0,79%
  • 10 anos: 5,36% vs 1,74%
  • 15 anos: 7,42% vs 3,18%
  • 20 anos: 10,75% vs 4,98%

É importante ressaltar que os pacientes com câncer1 recebendo antraciclinas apresentavam risco elevado de ICC em comparação com os controles, enquanto os pacientes com câncer1 que não recebiam antraciclinas não apresentavam risco significativo, relataram Hector Villarraga, MD, da Mayo Clinic em Rochester, Minnesota, e colegas.

Saiba mais sobre "Insuficiência cardíaca congestiva4" e "Quimioterapia7".

“Nossos dados de acompanhamento de longo prazo sugerem que alguns pacientes com câncer1 tratados com antraciclinas permaneceram em risco aumentado de ICC décadas após o diagnóstico8 de câncer1. Portanto, espera-se que esses indivíduos requeiram acompanhamento clínico regular para rastrear e modificar fatores de risco cardiovascular coexistentes (por exemplo, diabetes9, hipertensão10, hiperlipidemia11, índice de massa corporal12, exposição ao tabaco e estilo de vida sedentário), e avaliar sinais13 e sintomas14 precoces de ICC”, escreveram os autores.

A terapia com antraciclina inclui doxorrubicina (Adriamicina) e epirrubicina (Ellence), e tem vínculos estabelecidos com eventos adversos cardiovasculares, como disfunção ventricular esquerda, insuficiência cardíaca15, miocardite16, pericardite17, fibrilação atrial, taquicardia18 ventricular e fibrilação.

O grupo de Villarraga relatou que a dose exata de antraciclina – incluindo a faixa baixa de <180 mg/m² ou a faixa alta >250 mg/m² – não parece alterar significativamente o risco de ICC do usuário.

Além do uso de antraciclina, a idade foi o outro preditor independente de ICC identificado.

No artigo, os pesquisadores relatam que as antraciclinas aumentam o risco de insuficiência cardíaca congestiva4 (ICC); no entanto, a incidência5 cumulativa de longo prazo e os fatores de risco para ICC após terapia com antraciclina não estão bem definidos em estudos populacionais.

O objetivo, portanto, foi comparar a incidência5 cumulativa de ICC a longo prazo em pacientes com câncer1 de mama2 ou linfoma3 tratados com terapia com antraciclina em comparação com controles saudáveis da mesma comunidade.

Este estudo de caso-controle retrospectivo19 de base populacional incluiu dados do Rochester Epidemiology Project. Os participantes incluíram residentes do Condado de Olmsted, Minnesota, diagnosticados com câncer1 de mama2 ou linfoma3 de janeiro de 1985 a dezembro de 2010, pareados por idade, sexo e comorbidades20 com controles saudáveis, com uma proporção final de 1 caso para 1,5 controles. A análise estatística foi realizada entre julho de 2017 e fevereiro de 2022.

As exposições do estudo foram tratamento do câncer1 e fatores de risco para ICC.

O desfecho principal foi um novo início de ICC, conforme definido pelos critérios modificados de Framingham. A regressão de riscos proporcionais de Cox foi usada para estimar razões de risco (HRs) para comparar o risco de ICC em participantes com câncer1 versus controles, ajustado para idade, sexo, diabetes9, hipertensão10, hiperlipidemia11, doença arterial coronariana, obesidade21 e histórico de tabagismo.

Um total de 2.196 indivíduos foram incluídos, sendo 812 pacientes com câncer1 e 1.384 participantes sem câncer1. A idade média (DP) foi de 52,62 (14,56) anos e 1.704 participantes (78%) eram do sexo feminino. O acompanhamento mediano (IQR) foi de 8,6 (5,2-13,4) anos no grupo caso versus 12,5 (8,7-17,5) anos no grupo controle.

No geral, os pacientes com câncer1 tiveram maior risco de ICC em comparação com a coorte22 de controle, mesmo após o ajuste para idade, sexo, diabetes9, hipertensão10, doença arterial coronariana, hiperlipidemia11, obesidade21 e tabagismo (HR, 2,86 [IC 95%, 1,90-4,32]; P <0,001).

Após o ajuste para as mesmas variáveis, o risco de ICC foi maior para pacientes6 com câncer1 recebendo antraciclina (HR, 3,25 [IC 95%, 2,11-5,00]; P <0,001) e foi atenuado e perdeu significância estatística para pacientes6 com câncer1 que não receberam antraciclinas (HR, 1,78 [IC 95%, 0,83-3,81]; P = 0,14).

Maior incidência5 cumulativa para pacientes6 tratados com antraciclinas vs a coorte22 de comparação foi observada em 1 ano (1,81% vs 0,09%), 5 anos (2,91% vs 0,79%), 10 anos (5,36% vs 1,74%), 15 anos (7,42% vs 3,18%) e 20 anos (10,75% vs 4,98%) (P <0,001).

Não houve diferenças significativas no risco de ICC para pacientes6 recebendo antraciclina em uma dose inferior a 180 mg/m² em comparação com aqueles em uma dose de 180 a 250 mg/m² (HR, 0,54 [IC 95%, 0,19-1,51]) ou em uma dose de mais de 250 mg/m² (HR, 1,23 [IC 95%, 0,52-2,91]).

No momento do diagnóstico8, a idade foi um fator de risco23 independente associado à ICC (HR por 10 anos, 2,77 [IC 95%, 1,99-3,86]; P <0,001).

Neste estudo de caso-controle retrospectivo19 de base populacional, as antraciclinas foram associadas a um risco aumentado de insuficiência cardíaca congestiva4 no início do acompanhamento, e o risco aumentado persistiu ao longo do tempo. A incidência5 cumulativa de ICC em pacientes com câncer1 de mama2 ou linfoma3 tratados com antraciclinas em 15 anos foi mais de 2 vezes maior do que no grupo controle.

Leia sobre "Doenças cardiovasculares24" e "Câncer1 de mama2".

 

Fontes:
JAMA Network Open, publicação em 03 de fevereiro de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 03 de fevereiro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. O risco de insuficiência cardíaca persiste muito tempo após a quimioterapia, independentemente da dose. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1433875/o-risco-de-insuficiencia-cardiaca-persiste-muito-tempo-apos-a-quimioterapia-independentemente-da-dose.htm>. Acesso em: 28 nov. 2023.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
3 Linfoma: Doença maligna que se caracteriza pela proliferação descontrolada de linfócitos ou seus precursores. A pessoa com linfoma pode apresentar um aumento de tamanho dos gânglios linfáticos, do baço, do fígado e desenvolver febre, perda de peso e debilidade geral.
4 Insuficiência Cardíaca Congestiva: É uma incapacidade do coração para efetuar as suas funções de forma adequada como conseqüência de enfermidades do próprio coração ou de outros órgãos. O músculo cardíaco vai diminuindo sua força para bombear o sangue para todo o organismo.
5 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
6 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
7 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
8 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
9 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
10 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
11 Hiperlipidemia: Condição em que os níveis de gorduras e colesterol estão mais altos que o normal.
12 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
13 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
14 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
15 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
16 Miocardite: 1. Inflamação das paredes musculares do coração. 2. Infecção do miocárdio causada por bactéria, vírus ou outros microrganismos.
17 Pericardite: Inflamação da membrana que recobre externamente o coração e os vasos sanguíneos que saem dele. Os sintomas dependem da velocidade e grau de lesão que produz. Variam desde dor torácica, febre, até o tamponamento cardíaco, que é uma emergência médica potencialmente fatal.
18 Taquicardia: Aumento da frequência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações.
19 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
20 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
21 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
22 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
23 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
24 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
Gostou do artigo? Compartilhe!