Gostou do artigo? Compartilhe!

Um medicamento para uma doença de pele também reduz o consumo excessivo de álcool

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Pesquisadores da Oregon Health & Science University (OHSU) e instituições de diversas partes dos EUA identificaram uma pílula usada para tratar uma doença de pele1 comum como um tratamento “incrivelmente promissor” para o transtorno por uso de álcool.

O estudo foi publicado recentemente no Journal of Clinical Investigation.

Em média, as pessoas que receberam o medicamento, chamado apremilast, reduziram a ingestão de álcool em mais da metade – de cinco drinks por dia para dois.

“Nunca vi nada parecido antes”, disse a coautora sênior2 Angela Ozburn, Ph.D., professora associada de neurociência comportamental na OHSU School of Medicine e bióloga pesquisadora do Portland VA Health Care System.

Começando em 2015, Ozburn e colaboradores pesquisaram um banco de dados genético em busca de compostos que pudessem neutralizar a expressão de genes conhecidos por estarem ligados ao uso pesado de álcool. O apremilast, um medicamento anti-inflamatório aprovado pela FDA usado para tratar psoríase3 e artrite4 psoriática, parecia ser um candidato promissor.

Eles então o testaram em dois modelos animais únicos que têm uma genética de risco para consumo excessivo de álcool, bem como em outras linhagens de camundongos em laboratórios em todo o país. Em cada caso, o apremilast reduziu o consumo de álcool entre uma variedade de modelos predispostos ao uso leve a pesado de álcool. Eles descobriram que o apremilast desencadeou um aumento na atividade no núcleo accumbens, a região do cérebro5 envolvida no controle da ingestão de álcool.

Leia sobre "Como manter mais baixo o risco do consumo de bebidas alcoólicas".

Pesquisadores do Scripps Research Institute em La Jolla, Califórnia, testaram o apremilast em pessoas.

A equipe do Scripps conduziu um estudo de prova de conceito6 clínico duplo-cego, controlado por placebo7, envolvendo 51 pessoas que foram avaliadas durante 11 dias de tratamento.

“O grande tamanho do efeito do apremilast na redução do consumo de álcool, combinado com sua boa tolerabilidade em nossos participantes, sugere que ele é um excelente candidato para uma avaliação mais aprofundada como um novo tratamento para pessoas com transtorno por uso de álcool”, disse a coautora sênior2 Barbara Mason, Ph.D., professora no Departamento de Medicina Molecular do Scripps.

O estudo clínico envolveu pessoas com transtorno por uso de álcool que não buscavam nenhuma forma de tratamento, e Mason prevê que o apremilast pode ser ainda mais eficaz entre pessoas motivadas a reduzir o consumo de álcool.

“É imperativo que mais ensaios clínicos8 sejam realizados em pessoas que procuram tratamento”, disse Ozburn. “Neste estudo, vimos que o apremilast funcionou em camundongos, funcionou em diferentes laboratórios e funcionou em pessoas. Isso é incrivelmente promissor para o tratamento do vício em geral”.

No artigo publicado, os pesquisadores apresentam evidências pré-clínicas e clínicas para supressão da ingestão de álcool pelo apremilast.

Eles contextualizam que as opções de tratamento para Transtornos por Uso de Álcool (TUA) avançaram minimamente desde 2004, enquanto as mortes anuais e o custo econômico aumentaram de forma alarmante.

A enzima9 fosfodiesterase tipo 4 (PDE4) está associada à dependência de álcool e nicotina. Os inibidores da PDE4 foram identificados como um potencial tratamento para o TUA usando uma nova abordagem de bioinformática.

Priorizou-se um inibidor de PDE4 mais recente, apremilast, como ideal para reaproveitamento (ou seja, aprovado pela FDA para psoríase3, baixa incidência10 de eventos adversos, excelente perfil de segurança) e testou-se o medicamento usando várias cepas11 e modelos animais, bem como em um estudo em humanos de Fase Iia.

Descobriu-se que o apremilast reduziu a ingestão de álcool do tipo excessivo e as medidas comportamentais de motivação para o álcool em modelos de camundongos de risco genético para beber até intoxicação.

O apremilast também reduziu o consumo excessivo de álcool em modelos de consumo facilitado pelo estresse e dependência de álcool.

Usando infusões do medicamento direcionadas ao local e eletrofisiologia, descobriu-se que o apremilast pode agir para diminuir o consumo de álcool em camundongos, aumentando a atividade neural no núcleo accumbens, uma região cerebral chave na regulação da ingestão de álcool.

É importante ressaltar que o apremilast (90 mg/d) reduziu o consumo excessivo de álcool em indivíduos com TUA sem tratamento em um estudo duplo-cego12 controlado por placebo7.

Esses resultados demonstram que o apremilast suprime o consumo excessivo de álcool em todo o espectro de gravidade do transtorno por uso de álcool.

Veja também sobre "Alcoolismo" e "Interação entre álcool e drogas psicotrópicas".

 

Fontes:
The Journal of Clinical Investigation, publicação em 19 de janeiro de 2023.
OHSU News, notícia publicada em 21 de fevereiro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Um medicamento para uma doença de pele também reduz o consumo excessivo de álcool. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1433765/um-medicamento-para-uma-doenca-de-pele-tambem-reduz-o-consumo-excessivo-de-alcool.htm>. Acesso em: 4 out. 2023.

Complementos

1 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
2 Sênior: 1. Que é o mais velho. 2. Diz-se de desportistas que já ganharam primeiros prêmios: um piloto sênior. 3. Diz-se de profissionais experientes que já exercem, há algum tempo, determinada atividade.
3 Psoríase: Doença imunológica caracterizada por lesões avermelhadas com descamação aumentada da pele dos cotovelos, joelhos, couro cabeludo e costas juntamente com alterações das unhas (unhas em dedal). Evolui através do tempo com melhoras e pioras, podendo afetar também diferentes articulações.
4 Artrite: Inflamação de uma articulação, caracterizada por dor, aumento da temperatura, dificuldade de movimentação, inchaço e vermelhidão da área afetada.
5 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
6 Prova de conceito: Prova de conceito (PoC ou Proof of Concept) é um termo utilizado para denominar um modelo prático que possa provar o conceito (teórico) estabelecido por uma pesquisa ou artigo técnico. Ela pode ser considerada uma implementação, em geral resumida ou incompleta, de um método ou de uma ideia, realizada com o propósito de verificar se o conceito ou a teoria em questão é susceptível de ser explorado de maneira útil.
7 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
8 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
9 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
10 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
11 Cepas: Cepa ou estirpe é um termo da biologia e da genética que se refere a um grupo de descendentes com um ancestral comum que compartilham semelhanças morfológicas e/ou fisiológicas.
12 Estudo duplo-cego: Denominamos um estudo clínico “duplo cego” quando tanto voluntários quanto pesquisadores desconhecem a qual grupo de tratamento do estudo os voluntários foram designados. Denominamos um estudo clínico de “simples cego” quando apenas os voluntários desconhecem o grupo ao qual pertencem no estudo.
Gostou do artigo? Compartilhe!