Gostou do artigo? Compartilhe!

Vacina de mRNA se mostrou promissora para o câncer de pâncreas, com metade dos pacientes tratados apresentando uma resposta imune

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Uma vacina1 de mRNA personalizada, usada em combinação com um inibidor de checkpoint imunológico e quimioterapia2 após a cirurgia, induziu uma resposta imune em metade dos pacientes com adenocarcinoma3 ductal pancreático (ACDP) tratados, mostrou um pequeno estudo de fase I publicado na revista Nature.

Em um acompanhamento médio de 18 meses após a cirurgia, oito pacientes que tiveram respostas imunes ao cevumeran autógeno tiveram uma sobrevida4 livre de recorrência5 (não alcançada) significativamente mais longa em comparação com uma média de 13,4 meses nos oito pacientes que não tiveram resposta, relataram Vinod Balachandran, MD, do Memorial Sloan Kettering Cancer6 Center na cidade de Nova York, e colegas.

“Apesar do tamanho limitado da amostra, esses resultados iniciais justificam estudos maiores de vacinas individualizadas de neoantígenos de mRNA no ACDP”, escreveram eles.

Um paciente também mostrou evidências de uma resposta induzida por vacina1 no fígado7 após desenvolver uma lesão8 incomum de 7 mm no local. Esse crescimento desapareceu nas imagens subsequentes, sugerindo que “as células9 T expandidas pelo cevumeran autógeno podem possuir a capacidade de erradicar micrometástases”, observaram Balachandran e sua equipe.

“Como várias imunoterapias surgiram para tumores imunoinflamados, ainda há necessidade de novas imunoterapias para a maioria dos pacientes com tumores não inflamados (como ACDP) que são amplamente insensíveis às imunoterapias atuais”, escreveram eles. “Aqui, fornecemos evidências de que, apesar da baixa taxa de mutação10 do ACDP, uma vacina1 de mRNA pode induzir a atividade de células9 T contra neoantígenos neste tipo de câncer6, um tumor11 não inflamado com fenótipos predominantemente excluídos do sistema imunológico12 ou desertos. Se as vacinas de neoantígenos de mRNA podem ativar células9 T de maneira semelhante em outros cânceres não inflamatórios, isso deve ser testado de forma mais ampla.”

Saiba mais sobre "Câncer6 de pâncreas13", "Adenocarcinoma3: o que é" e "Vacinas - como funcionam".

Como Balachandran e seus colegas apontaram, o ACDP é a terceira principal causa de morte por câncer6 nos EUA, com taxas de incidência14 que estão aumentando e uma taxa de sobrevivência15 em torno de 12%, que “permaneceu praticamente estagnada por quase 60 anos”.

Eles também disseram que, embora a cirurgia seja o único tratamento curativo para a doença, quase 90% dos pacientes apresentam recorrência5 da doença em uma média de 7 a 9 meses. Quimioterapias multiagentes adjuvantes podem retardar a recorrência5 em ACDP ressecados cirurgicamente, mas quase 80% dos pacientes apresentam recorrência5 da doença em 14 meses.

No artigo, os pesquisadores relatam como vacinas de neoantígenos de RNA personalizadas estimulam as células9 T no câncer6 de pâncreas13.

Eles contextualizam que o adenocarcinoma3 ductal pancreático (ACDP) é letal em 88% dos pacientes, mas abriga neoantígenos de células9 T derivados de mutações que são adequados para vacinas.

Neste ensaio de fase I do cevumeran autógeno adjuvante, uma vacina1 de neoantígeno individualizada baseada em nanopartículas lipoplex de uridina do mRNA, sintetizou-se vacinas de neoantígeno de mRNA em tempo real a partir de tumores de ACDP ressecados cirurgicamente.

Após a cirurgia, administrou-se sequencialmente atezolizumabe (uma imunoterapia anti-PD-L1), cevumeran autógeno (máximo de 20 neoantígenos por paciente) e uma versão modificada de um regime quimioterápico de quatro medicamentos (mFOLFIRINOX, composto por ácido folínico, fluorouracil, irinotecano e oxaliplatina).

Os desfechos finais incluíram células9 T específicas de neoantígenos induzidas por vacina1 por ensaios de alto limiar, sobrevida4 livre de recorrência5 de 18 meses e viabilidade oncológica.

Tratou-se 16 pacientes com atezolizumabe e cevumeran autógeno, depois 15 pacientes com mFOLFIRINOX. O cevumeran autógeno foi administrado dentro de 3 dias dos tempos de referência, foi tolerável e induziu novas células9 T específicas de neoantígenos de alta magnitude em 8 de 16 pacientes, com metade visando mais de um neoantígeno vacinal.

Usando uma nova estratégia matemática para rastrear clones de células9 T (CloneTrack) e ensaios funcionais, descobriu-se que as células9 T expandidas pela vacina1 compreendiam até 10% de todas as células9 T do sangue16, reexpandiram com um reforço da vacina1 e incluíam células9 T CD8+ efetoras específicas de neoantígenos polifuncionais de vida longa.

No acompanhamento médio de 18 meses, os pacientes com células9 T expandidas pela vacina1 (responsivos) tiveram uma sobrevida4 livre de recorrência5 (não alcançada) mediana mais longa em comparação com pacientes sem células9 T expandidas pela vacina1 (não respondedores; 13,4 meses, P = 0,003).

As diferenças na aptidão imunológica dos pacientes não confundiram essa correlação, pois respondedores e não respondedores montaram imunidade17 equivalente a uma vacina1 de mRNA não relacionada simultânea contra SARS-CoV-2.

Assim, atezolizumabe adjuvante, cevumeran autógeno e mFOLFIRINOX induzem atividade substancial de células9 T que pode se correlacionar com recorrência5 tardia de adenocarcinoma3 ductal pancreático.

Leia sobre "Imunoterapia" e "Quimioterapia2".

 

Fontes:
Nature, publicação em 10 de maio de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 11 de maio de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Vacina de mRNA se mostrou promissora para o câncer de pâncreas, com metade dos pacientes tratados apresentando uma resposta imune. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1438800/vacina-de-mrna-se-mostrou-promissora-para-o-cancer-de-pancreas-com-metade-dos-pacientes-tratados-apresentando-uma-resposta-imune.htm>. Acesso em: 30 mai. 2024.

Complementos

1 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
2 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
3 Adenocarcinoma: É um câncer (neoplasia maligna) que se origina em tecido glandular. O termo adenocarcinoma é derivado de “adeno”, que significa “pertencente a uma glândula” e “carcinoma”, que descreve um câncer que se desenvolveu em células epiteliais.
4 Sobrevida: Prolongamento da vida além de certo limite; prolongamento da existência além da morte, vida futura.
5 Recorrência: 1. Retorno, repetição. 2. Em medicina, é o reaparecimento dos sintomas característicos de uma doença, após a sua completa remissão. 3. Em informática, é a repetição continuada da mesma operação ou grupo de operações. 4. Em psicologia, é a volta à memória.
6 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
7 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
8 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
9 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
10 Mutação: 1. Ato ou efeito de mudar ou mudar-se. Alteração, modificação, inconstância. Tendência, facilidade para mudar de ideia, atitude etc. 2. Em genética, é uma alteração súbita no genótipo de um indivíduo, sem relação com os ascendentes, mas passível de ser herdada pelos descendentes.
11 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
12 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
13 Pâncreas: Órgão nodular (no ABDOME) que abriga GLÂNDULAS ENDÓCRINAS e GLÂNDULAS EXÓCRINAS. A pequena porção endócrina é composta pelas ILHOTAS DE LANGERHANS, que secretam vários hormônios na corrente sangüínea. A grande porção exócrina (PÂNCREAS EXÓCRINO) é uma glândula acinar composta, que secreta várias enzimas digestivas no sistema de ductos pancreáticos (que desemboca no DUODENO).
14 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
15 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
16 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
17 Imunidade: Capacidade que um indivíduo tem de defender-se perante uma agressão bacteriana, viral ou perante qualquer tecido anormal (tumores, enxertos, etc.).
Gostou do artigo? Compartilhe!