Gostou do artigo? Compartilhe!

Suplemento para a saúde intestinal ajudou crianças com obesidade a perder mais peso

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Crianças com obesidade1 tiveram benefícios terapêuticos com a adição de um suplemento oral diário de butirato ao padrão de tratamento, mostrou o estudo randomizado2 Butyrate Against Pediatric Obesity (BAPO).

Em uma análise de intenção de tratar de 54 participantes, a suplementação3 com butirato de sódio oral 20 mg/kg de peso corporal por dia levou a uma taxa 40% mais alta de reduções de ≥0,25 nas pontuações de DP para índice de massa corporal4 (IMC5) em comparação com placebo6 em 6 meses (96% vs 56%), relataram Roberto Berni Canani, MD, PhD, da Universidade de Nápoles, na Itália, e colegas.

Isso se traduziu em um número necessário para tratar de apenas 2, o grupo observou no artigo publicado no JAMA Network Open.

O IMC5 caiu para uma média de 26,53 de uma linha de base de 29,55 no grupo de butirato, enquanto o grupo placebo6 caiu para 28,71 de uma linha de base de 29,47.

Saiba mais sobre "Obesidade1 infantil", "Tratando a obesidade1" e "Suplementos alimentares".

Na análise por protocolo de 48 participantes, vários outros benefícios metabólicos significativos foram observados naqueles que tomaram butirato em comparação com placebo6:

Não houve diferenças nas alterações nos níveis séricos de glicose9, colesterol10, C-LDL11, C-HDL12 e triglicerídeos observados entre os grupos butirato e placebo6.

Todos os participantes seguiram dietas semelhantes, com ambos os grupos cortando cerca de 500 calorias13 por dia em 6 meses. Os pesquisadores também observaram uma mudança na ingestão de macronutrientes14, marcada por menor ingestão de carboidratos e gorduras, mas mais gramas de fibra por 1.000 calorias13 consumidas.

Esses benefícios observados com o butirato podem ser rastreados até seu impacto benéfico no microbioma15 intestinal, explicaram os pesquisadores.

“Alimentos vegetais são fermentados pelo microbioma15 intestinal para produzir o butirato de ácido graxo de cadeia curta antiobesogênico”, escreveram eles. “Embora a ingestão dietética de butirato possa ser aumentada pelo consumo de produtos lácteos, sua principal fonte é derivada da fermentação de carboidratos não digeríveis pelo microbioma15.”

“Uma baixa ingestão de substratos dietéticos para a produção de butirato e um baixo número de bactérias produtoras de butirato podem contribuir para a obesidade”, acrescentaram. “Essas evidências sugerem o potencial do butirato no tratamento da obesidade1.”

No artigo, os pesquisadores contextualizam que o fardo de doenças da obesidade1 pediátrica impõe a necessidade de novas estratégias eficazes.

O objetivo do estudo, portanto, foi determinar se a suplementação3 oral de butirato como adjuvante ao tratamento padrão é eficaz no tratamento da obesidade1 pediátrica.

Um estudo randomizado2, quádruplo cego e controlado por placebo6 foi realizado de 1º de novembro de 2020 a 31 de dezembro de 2021, no Centro Terciário de Nutrição16 Pediátrica, Departamento de Ciências Médicas Translacionais, Universidade de Nápoles Federico II, Nápoles, Itália. Os participantes incluíram crianças de 5 a 17 anos com índice de massa corporal4 (IMC5) maior que o percentil 95.

Foi administrado tratamento padrão para obesidade1 pediátrica suplementado com butirato de sódio oral, 20 mg/kg de peso corporal por dia, ou placebo6 por 6 meses.

O principal desfecho foi a diminuição de pelo menos 0,25 pontuações de DP do IMC5 em 6 meses. Os desfechos secundários foram mudanças na circunferência da cintura; níveis de glicose9 em jejum, insulina7, colesterol10 total, colesterol10 de lipoproteína de baixa densidade, colesterol10 de lipoproteína de alta densidade, triglicerídeos, grelina, microRNA-221 e interleucina-6; avaliação do modelo homeostático de resistência à insulina8 (HOMA-IR17); hábitos alimentares e de estilo de vida; e estrutura do microbioma15 intestinal. Foi realizada análise por intenção de tratar.

Cinquenta e quatro crianças com obesidade1 (31 meninas [57%], idade média [DP], 11 [2,91] anos) foram randomizadas para os grupos de butirato e placebo6; 4 foram perdidas no acompanhamento após receberem a intervenção no grupo butirato e 2 no grupo placebo6.

Na análise de intenção de tratar (n = 54), as crianças tratadas com butirato tiveram uma taxa maior de diminuição do IMC5 maior ou igual a 0,25 pontuações de DP em 6 meses (96% vs 56%, aumento do benefício absoluto, 40%; IC 95%, 21% a 61%; P <0,01).

Na análise por protocolo (n = 48), o grupo butirato mostrou as seguintes alterações em comparação com o grupo placebo6: circunferência da cintura, -5,07 cm (IC 95%, -7,68 a -2,46 cm; P <0,001); nível de insulina7, -5,41 μU/mL (IC 95%, -10,49 a -0,34 μU/mL; P = 0,03); HOMA-IR17, -1,14 (IC 95%, -2,13 a -0,15; P = 0,02); nível de grelina, -47,89 μg/mL (IC 95%, -91,80 a -3,98 μg/mL; P <0,001); expressão relativa do microRNA-221, -2,17 (IC 95%, -3,35 a -0,99; P <0,001); e nível de IL-6, -4,81 pg/mL (IC 95%, -7,74 a -1,88 pg/mL; P <0,001).

Padrões semelhantes de adesão aos cuidados padrão foram observados nos 2 grupos. As assinaturas basais do microbioma15 intestinal previsíveis da resposta terapêutica18 foram identificadas.

Os efeitos adversos incluíram náusea19 leve transitória e dor de cabeça20 relatadas por 2 pacientes durante o primeiro mês de intervenção com butirato.

O estudo concluiu que a suplementação3 oral de butirato pode ser eficaz no tratamento da obesidade1 pediátrica.

Leia sobre "Microbioma15 intestinal humano" e "Cálculo21 do IMC5".

 

Fontes:
JAMA Network Open, publicação em 05 de dezembro de 2022.
MedPage Today, notícia publicada em 05 de dezembro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Suplemento para a saúde intestinal ajudou crianças com obesidade a perder mais peso. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1430780/suplemento-para-a-saude-intestinal-ajudou-criancas-com-obesidade-a-perder-mais-peso.htm>. Acesso em: 29 mar. 2023.

Complementos

1 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
2 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
3 Suplementação: Que serve de suplemento para suprir o que falta, que completa ou amplia.
4 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
5 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
6 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
7 Insulina: Hormônio que ajuda o organismo a usar glicose como energia. As células-beta do pâncreas produzem insulina. Quando o organismo não pode produzir insulna em quantidade suficiente, ela é usada por injeções ou bomba de insulina.
8 Resistência à insulina: Inabilidade do corpo para responder e usar a insulina produzida. A resistência à insulina pode estar relacionada à obesidade, hipertensão e altos níveis de colesterol no sangue.
9 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
10 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
11 LDL: Lipoproteína de baixa densidade, encarregada de transportar colesterol através do sangue. Devido à sua tendência em depositar o colesterol nas paredes arteriais e a produzir aterosclerose, tem sido denominada “mau colesterol“.
12 HDL: Abreviatura utilizada para denominar um tipo de proteína encarregada de transportar o colesterol sanguíneo, que se relaciona com menor risco cardiovascular. Também é conhecido como “Bom Colesterol”. Seus valores normais são de 35-50mg/dl.
13 Calorias: Dizemos que um alimento tem “x“ calorias, para nos referirmos à quantidade de energia que ele pode fornecer ao organismo, ou seja, à energia que será utilizada para o corpo realizar suas funções de respiração, digestão, prática de atividades físicas, etc.
14 Macronutrientes: Os macronutrientes fornecem as calorias aos alimentos. São eles: carboidratos, proteínas e lipídeos.
15 Microbioma: Comunidade ecológica de microrganismos comensais, simbióticos e patogênicos que compartilham nosso espaço corporal. Microbioma humano é o conjunto de microrganismos que reside no corpo do Homo sapiens, mantendo uma relação simbiótica com o hospedeiro. O conceito vai além do termo microbiota, incluindo também a relação entre as células microbianas e as células e sistemas humanos, por meio de seus genomas, transcriptomas, proteomas e metabolomas.
16 Nutrição: Incorporação de vitaminas, minerais, proteínas, lipídios, carboidratos, oligoelementos, etc. indispensáveis para o desenvolvimento e manutenção de um indivíduo normal.
17 HOMA-IR: O cálculo do índice HOMA-IR, do inglês, Homeostatic Model Assessment , é feito com base nas dosagens de insulina e glicemia de jejum e ajuda a determinar o grau de resistência à insulina.
18 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
19 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
20 Cabeça:
21 Cálculo: Formação sólida, produto da precipitação de diferentes substâncias dissolvidas nos líquidos corporais, podendo variar em sua composição segundo diferentes condições biológicas. Podem ser produzidos no sistema biliar (cálculos biliares) e nos rins (cálculos renais) e serem formados de colesterol, ácido úrico, oxalato de cálcio, pigmentos biliares, etc.
Gostou do artigo? Compartilhe!